RetroReview: Quackshot


Estou de volta pessoal! Não posso deixar de agradecer a todos pelos comentários no RetroReview do Goof Troop (Snes). E justamente por isso eu acabei aproveitando o “gancho” e resolvi escrever sobre QuackShot, afinal várias pessoas acabaram comentando sobre ele no texto anterior. E nada melhor que falar sobre um dos melhores jogos lançados para nosso saudoso Mega Drive, um game estrelado por ninguém menos que o mal-humorado Pato Donald, não é mesmo?

Os anos de 1991 e 1992 foram recheados de surpresas para os gamers de plantão e especialmente para os fãs da turma da Disney, pois foram lançados excelentes jogos como: The Lucky Dime Caper (Master Sytem) e QuackShot (MegaDrive).

Eu sempre fui apaixonado por histórias de aventura com piratas, caça ao tesouro (vide Goof Troop) e vilões malucos. Quando vi pela primeira vez o Mega Drive (na loja Americanas da minha cidade) ele estava com dois jogos: Sonic e QuackShot.

Sei que muitos aqui vão querer me “fuzilar”, mas por incrível que pareça, eu me apaixonei por Quackshot muito mais que pelo Sonic. Mas infelizmente não tive a oportunidade de comprar um Mega Drive, minha escolha na época foi um Super Nintendo.

Mas foi com um grande amigo (aquele que provavelmente você também tinha e com quem ficava horas brigando sobre qual era o melhor console, Super Nintendo X Mega Drive) que acabei pegando o console da Sega emprestado e passando um daqueles finais de semana memoráveis. Vamos então ao jogo!

Em um belo dia Donald resolve mexer nos livros da biblioteca do Tio Patinhas (escondido obviamente!). Com isso ele acaba encontrando um livro que fala sobre um tesouro escondido de um rei chamado Garuzia, e dentro dele havia um mapa que praticamente indicava o local do tesouro. Sem perder tempo e querendo aproveitar a oportunidade de ficar mais rico que o seu tio, Donald segue em busca do tesouro, mas por descuido não viu que um dos capangas trapaceiros do Bafo-de-Onça (seu inimigo nº1) estava observando tudo, e iria obviamente contar ao seu chefe sobre a nova aventura do pato em busca do tesouro de Garuzia.

Donald então veste sua roupa meio Indiana Jones, e segue com os seus três sobrinhos (achou que eles não iriam aparecer nessa aventura, né? – Huguinho, Zezinho e Luizinho) e partem em um avião rumo ao tesouro.

O que me surpreendeu em QuackShot logo de início foi a possibilidade de viajar para diversos lugares do planeta e a alternância de fases durante o jogo. Por várias vezes você irá precisar retornar em certas fases com o objetivo de conseguir itens para abrir fases seguintes e continuar em frente na aventura.

Três fases estão disponíveis para serem exploradas logo de início:

México: Cheia de construções antigas, areias movediças e precipícios.

Duckburg (Mais conhecida por aqui como Patópolis): Cheia de bandidos da “trupe” do Bafo-de-Onça e de prédios.

Transilvânia: Morcegos, fantasmas, esqueletos e um vampiro no final da fase.

Depois de passar da Transilvânia irão aparecer mais quatro localidades:

Maharajah (Índia): Um palácio-labirinto.

Egito: Areia, armadilhas e muito fogo.

Pólo Sul: Gelo, muito gelo para atrapalhar você.

Navio Viking: Um navio infestado de fantasmas.

Quando tudo parecer seguir para um desfecho perfeito, surge o Bafo-De-Onça, que seqüestra os três sobrinhos e tenta obrigar Donald a entregar o mapa do tesouro. Surgem mais duas etapas:

Pete´s Hideout: Esconderijo do Bafo-De-Onça no qual você precisa derrotá-lo.

The Great Duck Treasure Island: Com o mapa em mãos, Donald segue rumo à ilha do tesouro para finalmente encontrá-lo. Essas fases incluem vários desafios baseados nas fases anteriores.

Algo muito legal no jogo são as armas que Donald utilizará durante a caça ao tesouro e não só para abater inimigos! São três modelos diferentes, e de características próprias: uma pistola lança-desentupidores, uma gosma-ácida e um revólver de pipocas. O lança-desentupidores é a arma principal do jogo e vale lembrar que ela só imobiliza o inimigo por alguns segundos, mas com o tempo ela vai evoluindo. No início os desentupidores são amarelos, depois evoluem para vermelho e os projéteis passam a grudar em estruturas, e por último ficam verdes, o que permite que Donald em determinados momentos pegue “carona” grudando em certos inimigos, como pássaros por exemplo.

O revólver-de-pipocas é a minha arma predileta, porém, ele precisa ser sempre recarregado, e para isso, é preciso achar itens durante a fase. E por último temos a gosma ácida, que você consegue com o famoso Professor Pardal, lembrando que essas duas últimas armas são mortais para os inimigos.

A jogabilidade é bem equilibrada, e algo que me agradava muito (ainda mais para quem tinha Master System) é que a troca de itens acontece no botão START/PAUSE, que obviamente se localiza no controle do Mega Drive, e isso fazia a alegria daquele pessoal da época que era acostumado ao ritual de sempre se levantar para poder apertar o pause do Master que ficava lá no console… Imaginem se ainda tivéssemos que ir até o console dar pause a toda hora pra trocar de item?

Quackshot é um game com gráficos caprichados. É muito legal você viajar por diversos lugares do planeta e perceber que eles não deixaram os detalhes que representam esses lugares de lado. Um fato que adoro e sempre peço em jogos é a oportunidade de poder perceber onde você está jogando, seja em outro planeta, seja no México, seja na Transilvânia, Polo Norte e Cia.

Eu particularmente adoro o Donald, mas você se lembra dos episódios da TV em que ele começa a “resmungar” ou ficar “maluco”? Falo isso, porque existe um certo tipo de pimenta que você recolhe durante o game que deixa o Donald em estado de “fúria” e totalmente imune de danos (ótimo para passar certas fases). O engraçado é que essa animação dele “todo furioso” é igualzinha aos desenhos da Disney que passam na TV, mais um mérito para os gráficos da época.

A trilha sonora, assim como os efeitos sonoros, segue o padrão Disney – algo bem infantil, mas posso garantir que é bem agradável. Esses dias mesmo baixei a trilha do jogo e coloquei no celular. Vai dizer que você nunca ficou com aquela música da “DUCKBURG” na cabeça quando jogou esse game?

O que levou muita gente a se apaixonar por este jogo era o fato dele não ser apenas mais um plataforma de ação: Quackshot foi desenvolvido para ser uma ventura cheia de exploração e “vai-e-vem”, coisa rara na época. Muito disso se deve a pistola de desentupidores, que à medida que ia evoluindo, tornava possível se acessar áreas diferentes de etapas já exploradas de modo conseguir itens vitais para o avanço na caça ao tesouro. Alguns quebra-cabeças também aparecem ao longo das fases para dar aquele ar mais cerebral a aventura, assim como fugas alucinadas, escaladas e outras atividades típicas de exploradores de tumbas. Mas a dificuldade disso tudo é gradativa, lembro-me de que no começo tudo é bem fácil, e ao decorrer do jogo ela vai aumentando até se tornar um tanto quanto desafiadora. Lembro-me que as últimas fases eram bem complicadas, mas nada que fizesse você jogar o controle no chão (vide o post do Jeff com Kid Chameleon – jogo que me tirava do sério).

É pessoal, Quackshot foi realmente um grande jogo desenvolvido em conjunto pela Sega e Disney. Sem dúvida alguma, foi um dos grandes games do Mega Drive, uma pena não terem lançado mais continuações dele. E com certeza muitos aqui vão dizer para a Sega olhar o seu passado e rever as coisas boas que fazia, afinal, ela ultimamente só tem pisado na bola. Fica aqui meu registro de um grande game que todos devem jogar novamente.

Obrigado a todos! Espero que gostem do RetroReview!

E um obrigado em especial para a Cristiane (Cris) por me ajudar no texto. Foi de imensa ajuda. Super beijo para você.

Detalhes extras:

– Eu adoro a caixinha do Quackshot!

– Alguém reparou nas semelhanças que esse jogo tem com Indiana Jones?

– Qual seria o melhor: Quackshot ou Magical Quest de Snes?

– Na época diziam na minha rua que você podia também deixar o Pato Donald dourado (igualzinho ao Super Sonic)!

Capas:

Fim


Sobre Ivoornelas - Ex Membro

“Amante de Mario Kart, retrogamer assumido, contador de histórias gamers e sonha ter uma lojinha de Games e Retrogames.”

Adicionar a favoritos link permanente.
  • Anônimo

    Adoro a trindade do Mega: Castle, Quackshot e World of Illusion. Mas acho que Quackshot ganha (sempre fui mais fã do pato do que do rato ^^). E o jogo não é fácil não…Não é o um The Immortal, mas ele tem uma dificuldade crescente sim. The Lucky Dime Carper também é fantástico do Master System!

    Parabéns pelo o texto! Salvou a minha segunda feira ^_~

    • Ivo

      Verdade Beto, essa “Triforce” realmente era fantástica. Apesar que ainda acho Castle Of Ilusion mais difícil.

  • Rafael Prates Quevedo

    Quackshot é muito bom mesmo, para muitos ele foi a entrada no mundo dos RPGs. Lembro das gambiarras para jogá-lo colocando um ventilador grudado no Mega na hora do almoço, lanche ou janta, pois neste jogo não tem como salvar nem existem passwords.

    • Kanonclint

      RPG ??????

    • RPG?????(2)

    • RPG??????(3)

      • RPG ??????(4) Muahahahahahahaha

        Brincadeira, vou tentar explicar pelo Rafael. Quackshot é um jogo de plataforma meio que adventure digamos assim, o que acontece é que rola uns testos e um vai e vem de fases as quais já passamos, alem das armas irem recebendo um upgrade.

        Na epoca não tinhamos muitos jogos assim (ou ao menos o primeiro assim que joguei foi Quackshot) e jogos assim levaram muita gente e começar a engatinhar pela lingua inglesa afim de poder entender os blá blá blás que rolam nos jogos. E quando finalmente a galera se viu engatinhando no “the book is on the table” começaram então a jogar RPGs.

        Ao menos eu acho que foi isso que ele quis dizer, mas provavelmente não kkkk afinal meu Slogan ta ai “Bruno, Absolutamente tudo sobre nada !”  
        : P

        Por curiosidade: O jogo que me fez querer aprender inglês foi ninja Gaiden (nes), odiava ver a história rolando e não entender bulhufas !! Então pertubam minha vida ate hoje dizendo que aprendi inglês só pra jogar VideoGame…Aff…é a pura verdade kkk

        • Rafael Prates Quevedo

          Foi isso mesmo. Sei que o jogo é um de plataforma, mas a caraterística de exploração que o jogo tem fez com que muitas pessoas que conheço que torciam o nariz para RPG perdessem o preconceito.

          • Knonclint

            Rafael, respeito sua opinião, mas se for assim, todos os Castlevania lançados antes do Sinphony of the Night seriam RPGs !  Existem certos aspectos deste genero, que eu sinceramente não vejo em Quackshot, como: Batalhas por turno, evolução de status dos personagens , encontros aleatorios , narrativa mais densa e longa, customização de armas e equipamentos( no caso dos RPGs ocidentais , customização dos personagens ) entre , missões pararlelas ( sidequests) , etc.
            Outro fator, é lance do jogador controlar o tempo de jogo , ou seja , o jogo só anda quando o jogador desejar . Em Quackshot , voce termina uma fase, e vai direto para outra até o fim .    

          • TH

            Putz Kanonclint, antes de SotN? Não seria depois? rs. Só o Castlevania 2 era tipo Metroid, o 1 e o 3 eram normais. E os do MSX tb não chegam a ser MetroidVanias.

            Mas eu acho que é por aí, um game mas para Metroid que para RPG, assim como os Castlevania ficaram MetroidVanias.

            Mas entendo a relação com RPG que ele citou.

          • KanonClint

            Não , não TH , voce entendeu errado. O Rafael citou a exploração, como um fator que assemelhava Quackshot à um RPG, como se isso fosse o bastante para o game ser um RPG. Daí eu disse : Os Castlevanias antigos , também tinham exploração , e diálogos, assim como Quackshot, e nem por isso são considerados RPGs . 

          • TH

            Entendi, mas por isso acho q vc fez confusão, pois os Castlevanias antigos não eram de exploração, apenas o 2 era assim. Entendeu?

    • Ivo

      Seu comentário de “RPG” abriu a curiosidade do pessoal aqui Rafael! RPG (5) ??!! Hahahhahaa!

      • mcs

        RPG ??????(6)

        Troll mode-on ^^

  • “Sei que muitos aqui vão querer me “fuzilar”, mas por incrível que pareça, eu me apaixonei por Quackshot muito mais que pelo Sonic.”
    então podem me fuzilar também, pois na minha infância, joguei mais SNES do que o MEGA.  e esse Quackshot é Lendário. para achar uma fita dele aqui era uma busca ferrenha de acordo com o meu amigo Alex(que era o único da rua que tinha um MEGA e era mão de vaca para deixar alguém jogar…). é uma das fitas mais concorridas na época por aqui. como nunca tive um MEGA e nem um SNES, tive que joga-lo nas locadoras e a experiência era muito massa. quase me sentia um indiana jones jogando com o Donald, mas nunca zerava.

    tá na hora de tirar isso a limpo…

    • Anônimo

      Adoro Sonic do Mega, mas eu prefiro mesmo é a versão para o Master System! Quer motivo para do que este para “fuzilamento”? XD 

      • Ivo

        Beto >.< Eu prefiro a de Master! Buscar as esmeraldas escondidas era algo que adorava… e isso não tem no Mega. Único porém do Sonic de Master era não ter SuperSonic…só isso!

    • Ivo

      Encontrei um companheiro da mesma opinião que a minha! Você não tem noção de como as pessoas viravam a cara quando eu comentava isso. Ainda mais na época que SONIC era o TOP de todos no MegaDrive.

  • Eu, por incrível que pareça, nunca tinha jogado Quackshot na infância. Era um feliz dono de Mega Drive cercado por felizes donos de Super Nintendo, então era raro achar alguém pra trocar ou emprestar cartuchos. Quando comprei meu PSP este ano fui testar os emuladores e resolvi testar o jogo… Foi o primeiro jogo que zerei no portátil, nem quis saber dos jogos de PSP mesmo enquanto não zerasse o jogo ^^ Os controles são muito bons, as fases são muito variadas… Me senti até mal por não conhecê-lo antes. Minha única reclamação do jogo é que a pimenta é muito rara – seria hilário sair atropelando todo mundo com o Donald brigão mais vezes 😀

  • Kanonclint

    Para mim, Quackshot foi o mais belo game da Disney lançado para o Mega, ao lado de Aladin .

  • rodrigo dantas

    sd

  • Devia ser muito legal mesmo Quackshot! Para passar finais de semana muito divertidos e inesquecíveis 🙂 As fases parecem ser todas super bem elaboradas e com itens engraçados, como a parte em que o Pato Donald pega pimenta e fica doidão! xD Ah, fico feliz em ter contribuído de alguma forma com o texto, Ivo! E você sabe, sempre que precisar pode contar comigo ^__~ Super beijo! Cris.

    • Ivo

      Vou colocar para você dar um jogadinha Cris. Tenho certeza que você vai adorar! E os controles são simples… ao contrário dos 20 botões de Xbox 360 >.<. E obrigado novamente pela ajuda no texto. Suas dicas foram super importantes para eu ir melhorando cada vez mais! Super Bjo p/ vc tb!

  • Boa lembrança Ivo !! Quackshot foi o jogo da disney que mais joguei e mais gostei na vida !! Ta com certeza na minha lista Tops do idolatrado Meguinha.

    Faz tanto mas tanto tempo que joguei que me lembro pouca coisa, acho que isso vai ajudar a ser um jogo meio que inedito pra mim Uhullllllllllllllllllllll o/

    Ter memoria fraca tem lá suas vantagens ! : D

    Abraço galera Retrô!!

    • Ivo

      Jogue mesmo Bruno! Vale a pena lembrar dos bons momentos! E o que é bom a gente nunca esquece = )

  • Ariel Souza

    Jogão!! Sem mais!

  • Jeff

    Taí um game maravilhoso que me invejam os que o jogaram no próprio console.
    Tinha um amigo que vivia dizendo o quanto o game era bom e que eu deveria alugar/comprar esse game. Eu ria bastante desse amigo pois ele não sabia falar e dizia algo como “Qualki Sot”.
    Juro que ainda vou detonar esse game. Certamente farei isso ainda este ano!!!
    Obrigado pela lembrança Ivo. Belo trabalho com o texto!

    • Putz Jeff, seu amigo falando “Qualki Sot” me lembrou de um amigo meu falando “Castelovania” se referindo a Castlevania kkkkk

      Foi tanta zuação que na epoca outro amigo ate fez um livro jogo comedia com esse nome muahahaha

  • TH

    Esse game eu joguei na casa do primo para variar, rs. Já que não tive mega.

    Um ótimo game! Me diverti bastante nele. A única coisa que não gostei foi quando cheguei na sala que tinha que entrar com o código acho que lua, sol e alguma coisa e lembro que não sabia. Passei muita raiva nessa parte, rs.

  • Excelente dica de jogo, não conhecia, mas pretendo jogar em breve!

  • JC

    Putz, adorava Quackshot!
    Era um jogo meio despretencioso, que não fez muito alarde na época mas era diversão garantida, aluguei muitas vezes!

    Ótima lembrança, Ivoornelas!

  • Washington

    Infos! Infos! Infos!

    -Na verdade a semelhança aqui é com DuckTales , repare no logo da versão japonesa , dizem que só não puderam usar esse título porque a Capcom já tinha registrado no mundo dos games .
    -Sobre a semelhança com indiana Jones , dizem que esse personagem do cinema por incrível que pareça foi também inspirado em aventuras antigas em quadrinhos de um spin-off do Pato Donald , veja aqui a referência :

    http://www.hardcoregaming101.net/donaldduck/donaldduck3.htm

  • Ivo, meus parabéns, que legal o review! Muito bom relembrar esse clássico!
    A primeira vez que joguei esse jogo, fiquei com um ódio enorme dele, pois eu cheguei no final da Duckburg e não sabia o que tinha que fazer, fiquei parado, tentei de tudo e nada. Isso na casa de um amigo, obviamente sem manual. Mais pra frente me falaram que dava pra chamar o avião através do menu, então resolvi alugar o jogo e em um final de semana eu detonei ele, adorando cada detalhe! Bons tempos em que descobríamos as coisas sozinhos ou com a dica de algum amigo ou revista, e não com uma fase tutorial como vemos hj em dia (as vezes isso enche o saco).
    E engraçado vc citar o “levantar pra pausar o jogo” na era Master System e a “facilidade” de ter o Start no controle do Mega… huahuahua… além de vc e de muitos outros, também passei pela mesma experiência e é realmente cômico lembrar disso. E trocar de item apertando o pause no console acontecia no Alex Kidd in Miracle World, era um saco! huahuahua
    Por último, mas não menos importante: totalmente perdoável vc se apaixonar mais por este jogo do que por Sonic, ele é fantástico!

  • Joguei muito 😀

  • É meu jogo preferido de Mega, tanto que eu baixei um emulador de Mega Drive para Android só para jogar QuackShot.

  • Que foda este site!!!!! 

    =D
    Adicionado nos favoritos já.

  • Renan

    Tale Spin do NES, Land of Ilusion do Master System, QuackShot do Mega Drive, Maui Mallard in Cold Chadow do SNES, só para citar exemplos da qualidade gráfica dos jogos antigos da disney, independente da potência do console, eles eram sempre caprichados.
    Entendi o que Rafael Prates Quevedo quiz dizer ao chamar QuackShot de RPG, ele só exagerou ao achar QuackShot 100% RPG.

  • rodrigohc13

    Quando meu pai foi comigo na Ponto Frio e compramos o Mega Drive, compramos também um QuackShot!! O jogo estava lacrado, mas dentro tinha um manual do Mickey (acho que Castle of Illusions), vê se pode! Fui na loja e não trocaram pq tinha passado mais de um mês (pq eu estudava à tarde e não ia lá de manhã) e tb pq a caixa tinha sido aberta (claro, como eu ia saber que o manual era outro sem abrir?).

    Não sou zerador de jogos e costumo demorar muito pra descobrir alguns segredos nos jogos. Teve uma parte nesse jogo que eu travei e isso foi o bastante para abandoná-lo, mas seu review me trouxe saudades. As armas do Donald são muito criativas e nos levam a pensar estrategicamente, ainda mais no caso da munição de pipoca que não é infinita e precisa ser economizada! Eu só achava que podia ter um jeito mais rápido de trocar de armas…!

    Gostaria de recuperar meu Mega Drive, que foi envolvido numa troca por alguns acessórios de N64 (uma pena, meu Mega Drive estava novinho, caramba, como me arrependo!), pra poder jogar mais Streets of Rage, Sonic e QuackShot!

  • Cowbas

    Pra quem quer o jogo traduzido ta ae! vlw
    https://www.youtube.com/watch?v=SoaWXcSTpXw

  • Louriberg França Costa

    Mais um game de Mega Drive que eu esfolava os dedos de tanto jogar, comprei ele no Mercado Livre ano passado e faz parte da minha pequena coleção junto com Castle of Illusion. Outro que merecia um remake com gráficos melhorados atuais. Espero que alguém se habilite. Gráficos lindos, jogabilidade maravilhosa, músicas bacanas, enfim, um jogo com padrão Disney da época. Espetacular e inesquecível.