RetroReview: Ghouls’n Ghosts – Mega Drive


Sabe quando você ouve dizer que certo jogo é tão desgraçado que seria preferível correr uma maratona descalço na brasa a tentar terminá-lo? Sabe então quando este jogo existe sob várias facetas, diferentes em detalhes, iguais em essência, e uma mais desafiadora que a outra? E você reconheceria esse jogo  se eu lhe dissesse que apesar de todos os avisos e advertências quanto aos perigos iminentes que podem nos destroçar inúmeras vezes por tentativa, ainda assim, nós preferimos perseverar no sofrimento do que largar aquilo tudo pela metade só para não deixar na mão aquele pobre herói destemido que provavelmente estará de cueca à beira da milésima morte causada pela busca incessante por sua noiva raptada? Reconheceu, caro amigo retroaventureiro? Se sim, bem vindo ao mundo de Ghouls’n Ghosts.

Um dia, em meados da metade da década de 80, a Capcom resolveu portar para o Nintendinho aquele joguete de ação plataforma arcade onde devíamos levar um tal de Sir Arthur e sua samba canção até os confins do submundo das trevas duas vezes seguidas, e desde então, eu me estrepo sem dó nem piedade toda vez que tento realizar essa missão suicida, coisa que se repete a mais de duas décadas. Caro amigo retroaventureiro, eu simplesmente nunca consegui chegar na metade de Ghosts ‘n Goblins, e quando digo metade, eu me refiro ao meio do mapa da primeira jogada, ou seja, eu nunca consegui realizar a proeza de chegar a 1/4 do jogo inteiro.

Não é à toa que eu não consigo, e eu estou longe de ser o único: a história simplória da princesa que é raptada por um demônio em uma noite romântica no cemitério do reino serviu de premissa para a criação de um dos mais irritantes e viciantes mundos que já foram vistos em um jogo eletrônico. Motivo: controlamos um cavaleiro que pula tão bem quanto uma pedra e que a seu favor, só tem uma coleção de objetos pontiagudos (ou não) para atirar em milhares de criaturas sobrenaturais que não medem esforços para nos tirar do sério e que vivem em um mundo simplesmente projetado para nos matar a cada passo realizado. Some a isso o fato de que, fora a dificuldade extrema da aventura, ainda era necessário terminá-la duas vezes seguidas para se ver o final do jogo, e a razão para o sofrimento se torna óbvia.

Mas por que então será que tanta gente insistiu (e ainda insiste) em jogar essa desgraça de jogo? Simples: matar zumbis, espantar fantasmas, e chutar a bunda vermelha de demônios alados não era algo que se via todo dia em um jogo de videogame, e posso lhe assegurar que a vontade de avançar por entre aquelas etapas dificílimas e descobrir seja lá o que for que viesse pela frente, era o que alimentava a perseverança do jogador de Ghosts ‘n Goblins, era o que separava os homens dos meninos. Foi assim que Arthur se tornou um dos personagens mais queridos e importantes da indústria gamística de todos os tempos: mostrando como é que deveria ser um jogo difícil de verdade, regra que a Capcom manteve intacta no segundo game da franquia que chegava aos arcades em 1988, Ghouls’n Ghosts, e que foi portada no ano seguinte para uma multidão de consoles da época, dentre eles, o Mega Drive.

É bem verdade que o port não foi o melhor nem o mais fiel a ser lançado, as versões de X68000 (pra variar) e Pc Engine se mostravam muito mais fiéis ao original em detalhes gráficos e trilha sonora do que a do Megão, mas engana-se aquele que acha que o game não fez bonito no console da Sega: além de ser disparado a conversão mais famosa do game,  Ghouls ‘n Ghosts estampou capas de revistas no mundo todo e figurou em tudo que era lugar como um dos melhores jogos da época. Virou até poster que vinha de brinde em revista nacional! Verdade é que em 1989, o Mega Drive ainda engatinhava graficamente,  e apesar da visível superioridade do arcade e de outros ports menos conhecidos,  o que se via na tela da TV ao se ligar o aparelho negro era algo que parecia estar no limite até então conhecido do console, um game de gráficos surpreendentes quando comparados ao que existia até então no popular sistema.

Mas se você, caros amigo retroaventureiro, pensa que eu terminei este jogo na época, estão muito enganados: eu joguei um pouco e desisti, fui vencido pela impressão devastadora que o game anterior para NES havia deixado em mim. Parei de jogar antes mesmo de sentir a real dificuldade daquela nova aventura, e isso foi um erro que eu só fui reparar agora, a poucos meses atrás: joguei, e finalmente consegui terminar um game dessa franquia diabólica, e com final verdadeiro! Foi difícil? Foi, demais, e nem imagino como teria sido tentar isso na versão Arcade e eu logo mais eu explico o por quê. O importante agora é dizer que eu só não relatei minhas experiências com este jogo antes por que eu planejava fazer um paralelo dele com a versão de SNES, Super Ghouls ‘n Ghosts, mas quando percebi que se tratavam de dois jogos que de iguais só tinham a premissa, eu desisti da ideia para no futuro, falar exclusivamente de cada um deles.

Ghouls ‘n Ghosts é continuação direta de Ghosts ‘n Goblins, e sua história acontece 3 anos após os eventos deste primeiro game: o capiroto resolve reclamar o lugar de chefão do inferno que estava vago desde que o demônio Astaroth fora derrotado por Arthur, e começa a aterrorizar as vilas capturando almas humanas para seus feitos demoníacos. Arthur entra então em ação para detonar o novo vilão e restaurar as almas roubadas, dentre elas, a de sua amada princesa Prim Prim, que jaz semi-morta à espera de que o cavaleiro tenha sucesso em sua missão. O que se vê então é quase o de sempre: hordas de criaturas sombrias no encalço do cavaleiro, chefes de fase enormes e bizarros, muita dificuldade, a velha necessidade de se terminar o game duas vezes, e alguns elementos inéditos adicionados à aventura para dar aquele ar de novidade, principalmente em se tratando de jogabilidade.

Comparado ao primeiro jogo, logo percebemos que toda a movimentação é mais fluída e rápida, e de cara notamos que Arthur agora pode atirar para cima, o que é muito útil contra aquele monte de criaturas aladas que aparecem sem aviso, e também para baixo quando está no meio de um pulo, movimento que em contrapartida quase não usamos, mas está lá! O leque de apetrechos que o cavaleiro pode usar contra a monstraiada também é bem mais generoso, e uma nova armadura faz as vezes do item especial do jogo. É quase como pegar duas delas em sequência: pegamos uma e adeus samba canção, então se conseguirmos chegar “vestidos” até o ponto onde pegaríamos outra armadura, esta será então dourada, e garantirá ao cavaleiro o poder de desferir golpes carregados, que são diferentes para cada arma do jogo. Essas armas e armaduras podem ser pegas de inimigos detonados ou de baús que aparecem aqui e acolá aos montes durante as 5 fases básicas do jogo, muitos deles brotando do chão quando Arthur pula de certos locais chave. Mas um mago bem desgraçado pode surgir também de dentro deles, e quando isso acontece, ele desfere uma magia que se nos acertar, transforma o cavaleiro em um pato inútil ou em um velho decrépito, situação que dura por alguns segundos ou até a próxima morte, o que é mais provável. Não consigo descrever em palavras como esse mago me tirou do sério… A dada vez que ele aparecia e me transformava eu xingava de ódio como se tivesse morrido, tanto por que era isso que geralmente acontecia em seguida!

E morrer é o acontecimento mais abundante que você vai ver durante o jogo todo! Chegar ao final da quinta fase é para poucos, pois fora a tarefa de virtualmente decorar cada passagem de modo que as inúmeras armadilhas, obstáculos e inimigos traiçoeiros se tornem ultrapassáveis, o aventureiro ainda terá que jogar o game inteirinho novamente (que obviamente estará mais difícil) para garantir acesso à Lucifer’s Chamber, uma sala que só pode ser aberta se Arthur estiver de posse do Psycho Cannon, um poder devastador que aparece nas etapas finais da segunda partida. Jogando agora, eu pude presenciar todo esse processo de aprendizado infernal que é avançar por estas etapas. São relativamente longas, possuem chefes difíceis, e pra variar, Arthur não precisa levar mais de 2 esbarrões para virar aquela famosa pilha de ossos, mas mesmo assim, consegui terminar o jogo em uma tarde apenas!

E vocês devem estar se perguntando agora “Mas que milagre foi esse, tiu Sabat? Que feitiço, código, trapaça, mandinga você utilizou para conseguir realizar tal feito?”, e eu lhes respondo com a maior simplicidade: nenhum, nada, necas! Sim, o game é dificílimo, daqueles que fazem a pessoa desistir de terminá-lo por cansaço mesmo de tanto morrer, mas um fator crucial para a dificuldade o diferencia de sua contraparte arcade: o original é movido a fichas, as versões caseiras não! Salvo as diferenças gráficas e sonoras, Ghouls ‘n Ghosts no Mega é praticamente idêntico ao original, todos os inimigos estão nos mesmos locais, os chefes são vencidos dos mesmos jeitos, as armadilhas são as mesmas e te ferram da mesma maneira, só que na versão de Mega, a gente morre e aperta o CONTINUE, que são infinitos e nos permitem recomeçar do último Check Point alcançado, enquanto no arcade nós tínhamos que desembolsar a mesada do mês inteirinha em fichas se quiséssemos progredir. Assim o jogador perseverante vai morrer centenas de vezes, mas vai avançar cada vez mais e uma hora, seja em uma tarde ou em uma semana, vai terminar o jogo.

Ghouls ‘n Ghosts chegou ao Mega naquela época de ouro em que o console não cansava de receber ports de jogos de arcade que faziam a alegria daquela garotada que só podia ir até um fliperama se fosse escondido (por que de acordo com os pais, fliperama era coisa de “maloqueiro”), e durante um bom tempo, foi um dos games mais procurados do console nas locadoras e afins. O game hoje pode ser taxado de mediano se for comparado aos melhores títulos do console, mas pensar desta maneira seria cometer uma grande injustiça para com um título que foi considerado tão espetacular no ano de seu lançamento, e que merece ser jogado nem que seja para que o amigo retroaventureiro veja qual era o tipo de jogo que causava insônia, frustração e vício na gurizada daquela época. Como eu já disse anteriormente, salvar a princesa Prim Prim foi, é, e sempre será uma tarefa para poucos corajosos, e a estes nobres aventureiros, Sir Arthur agradece.

Fim


Sobre Sabat

Editor Chefe do RetroPlayers, Redator e Editor nos Livros e Revistas WarpZone, Podcaster e editor de áudio, Saudosista, e Analista de Informática porque algo tem que dar dinheiro né!
Adicionar a favoritos link permanente.
  • sapo1900

    jogo a primeira versao no virtual console e chego na fase 4 com um continue depois de morrer volto do comeco pra decorar mais faz uma semana que estou tentando fechar e foda pra caralho pois battletoads do nes se mostrou simples perto deste jogo demoniaco parabens pelo post otimo jogo dos bons tempos da capcom podia voltar em hd

    • Já está indo muito longe meu amigo!!! Eu ainda vou pegar esse jogo versão NES pra treinar e ver onde chego XD

  • sergio trajano

    Fala, Sabat!!

    Cara, mas um excelente e inspirado post. Como falei, sempre que leio seus posts dá vontade de jogar o jogo. rsrsrs

    Por coincidência, estou jogando atualmente o Ghouls ‘n Ghost do PSP, que é legal e de dificuldade baixa/mediana. Depois acho que vou aproveitar o embalo e tentar me aventurar nesse, que já estava na minha lista mas acho que vou deixar ele furar a fila. rssrsrs

    Ainda lembro que, quando comprei meu mega drive, no início de 1991, levei junto Truxton e Revenge of Shinobi. Lembro que fiquei em dúvida entre o Shinobi e o Ghouls ‘n Ghosts, mas a vendedora me disse que esse era parecido com o jogo que já vinha com o console, Altered Beast. Aí, já que minha mãe só deixou eu levar dois jogos, acabei (FELIZMENTE!!!) optando pelo jogaço Shinobi.

    Sabat, por falar em Shinobi, consegui um Shinobi Legions em japonês; vou tá te enviando essa semana. Eu mando o rastreamento pelos Correios assim que me passarem, ok?

    Valeu Sabat! Mais um excelente post!

    • sergio trajano

      Sabat, acabei de receber por email o rastreamento: ra251460752br.

      Grande abraço e boa jogatina. ^^

      • OPAAAAAAA que beleza ^^ só na contagem regressiva aqui ^^

    • Opa Sergio, tudo beleza? ^^

      Rapaz, o GnG do PSP é mamão com açúcar heim, se for jogar o de MEGA ou SNES, se prepare por que a vaca vai pro brejo de jatinho kkkk Mas uma coisa eu lhe digo: é sempre bom PARAR de furar a fila XD eu faço muito isso, e atrapalha horrores viu!

      Rapaz, estou só no aguardo XD Ainda não joguei nada no saturn pq a minha TV de tubo ta com a imagem almofadada (uma zica na placa que deixa a imagem curva) e estou esperando chegar o cabo AV do bichinho, por que veio nele um cabo de ligar na ANTENA e a imagem fica horrível!

      Regularizando essas duas coisas, começo a jogatina XD

      E e é que agradeço por todo o apoio Sergio, muito mesmo cara!!! É uma recompensa e tanto pra um trabalho tão árduo e não remunerado kkkk

  • Ivo

    Essa jogo é o HELL. Não terminei nenhum versão e não acredito que tenha que terminar 2 vezes para ver o final?! Jezuiiiiiiiiiiissssssssss! Mas está ae um desafio p/ realmente tentar fazer. O final vale a pena pelo menos Sabat? Não é aquelas letrinhas descendo né? Gostei do Review, show´s de bola! Agora a pergunta… alguém terminou ele sem gastar + de 1 ficha? Me lembro da lenda do cara da minha rua que chegou no final de FINAL FIGHT com 1 ficha! Lendas….

    • sapo1900

      eu faco final no final fight 1 do arcade com um credito e bem facil mas ate hj so faco com o cody por ser mais facil executar o combo apelador e o jogo tem umas manhas bem da hora tipo o jeito que mata o sodon pula da a joelhada gruda da dois soco e arremessa o caboco pra continua na mesma faucatrua o chefe que era mais foda era o maldito abigail mais dae um vicio da rua mostro que com a espada ele e um bosta o guardinha que gospe o chicle e so voadora a maioria dos beat-up e so decora e ter a jogabilidade toda na mente

      • Ivo

        Vc é Ninja então cara! Porque realmente não conheci ninguém chegasse no final daquele jogo na raça e com uma ficha. Eu me lembro desse “combo” de você socar e ficavar para trás e para frente super rápido. Você matava os inimigos com apenas um golpe em sequência.

        • Ivo, se tem que ver o Celso terminar TMNT Arcade com 1 ficha na MÁQUINA la no TH kkk

          • TH

            É impressionante mesmo! kkkkkkk

      • O Final Fight, assim como TMNT e Double Dragon, tem “esquema” pra avançar né XD um é cotovelada, outro é 2 soquinho vira 2 soquinho vira, o outro é uma bagaçada desce outra bagaçada sobe kkkk ai é só pegar os esquemas de onde vem os inimigos e como matar os chefes pq SEMPRE tem uma manha!!! ahuahuhau Mesmo assim, B’n Up é um estilo de jogo bem desgraçado! alguns são difíceis demais, principalmente esses de arcade… FINAL FIGHT pqp, mesmo com esquema de soquinho aquele jogo requer um treino MONSTRUOSO pro cara ficar bom!! XD

        • sapo1900

          sem duvida sabat final fight e dungeons e dragons foram os jogos que mais fizera eu furta vale transporte da minha velha pra aprende a fecha ja alien vs predador e cadilac dinossauro foram mais faceis ja tartarugas ninjas e simpsoms nunca tive opurtunidade de joga no arcade mais lembro que jogo mais foda do arcade que joguei foi um da capcom de nave 19xx acho que era isso esse nunca tive o gosto de fecha com um credito

          • AAAAAA 19XX, Capcom, continuação da franquia 1942 xD joguei MUITO esse jogo, chegava na quinta fase e depois ficava impossível!!!

    • Opa mano, entonce, são finais PADRÃO, nem bons nem ruins, pelo menos o de Mega né!! Uma imagem aqui, uma letrinha ali, créditos, THE END.

      E eu conheço duas pessoas que terminam esse jogo, tanto no Mega quanto no Arcade, com 1 ficha, uma delas é o Celso da Comu do Mega. Ele postou um video aqui nos coments XD dá uma olhada mano!

  • Meu limite de dificuldade é zerar mega man x 3 sem sabre, posso dizer que eu nunca vou tocar neste jogo.

    • e eu vou te dizer que a dificuldade não é lá muito diferente disso…. se fosse sem continues infinitos, ae sim a coisa iria ferver XD

  • Kanonclint

    Guardo uma recordação especial deste game, ao lado de Strider e Super Monaco GP, Ghols ‘ n Ghosts formou a trinca de jogos que veio junto do meu recem adquirido Mega Drive , lá no comecinho de 1991.
    Nem preciso dizer que é o mais difícil dos três e demorei um bocado de tempo para termina-lo. Estava acostumado com a versão do Master, que por sinal é muito boa também, e possui alguns elementos diferentes como varias cores para a armadura de Arthur, e uma arma diferente que conseguia na segunda jogada. A versão do Mega tinha uma jogabilidade muito melhor, e um desafio muito maior também.

    Adoro a versão do Mega, mas a que mais me marcou foi a de Master mesmo. A versão do Snes é sensacional , pra mim a versão definitiva desse clássico Alias fica a dica: que tal um especial da franquia com todos as versões hein ??? XD É trampo pra caramba kkkkkkk, mas fica a sugestão.

    • Opa Kanon, ja temos review das versões Mega e Nes, só falta arcade, SNES, Master e Pc Engine kk Elas vão aparecer, só não sei quando né XD A de Master eu tenho, vou jogar assim que concertar minha TV de tubo ^^

  • ganon,o destruidor

    PUTZ A CAPCOM PLANEJOU FAZER UM JOGO DIFICIL E
    CONSEGUIU REALIZAR ESSA TAREFA MULTIPLICADA POR 4 KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

    ESSES DIAS EU RESOLVI TENTAR FINALIZAR O GHOST `N GOBLINS.EU JÁ PLANEJAVA A UM TEMPO JOGAR ESSE JOGO MAIS ACABEI ENROLANDO DEMAIS ,ENTAO
    QUANDO MEU PS2 VOLTOU DO CONCERTO(DEVE SER O QUE O 7 CONCERTO QUE ELE VAI FAZER…..),EU RESOLVI PARAR DE ENROLAR E JOGAR O JOGO .ATE AQUELE PONTO EU ESTAVA DECIDIDO A JOGAR A VERSAO DE NES DO JOGO(QUE EU ACHO MAIS DIFICIL QUE A DO
    ARCADE ,PELAS LIMATACOES DO CONSOLE,DESCONSIDERANDO OBVIAMENTE O ASPECTO DAS FICHAS ) ,MAIS ACABEI MUDANDO DE IDEIA ,JÁ QUE EU ESTAVA LA COM UMA COLETANEA DE JOGOS DA CAPCOM(O ÚNICO JOGO ORIGINAL DE PS2 QUE EU TENHO ALIAS),E ESSA POSSUIA O JOGO DE ARCADE ,OBVIAMENTE COM CONTINUES,COISA QUE EU NÃO SEI SE TINHA NOS ARCADES ,MAS,QUE NÃO CONSIDERO APELACAO POIS SOMENTE A TORNA IGUAL A VERSAO DE NES .ATE ENTAO APESAR DE O JOGO SER MUITO BOM ESTOU ACHANDO ELE BEM DIFICIL,QUANDO JOGO DEVO JOGAR EM MEDIA UMA HORA E JÁ ESTOU A SETE DIAS JOGANDO ,NOS QUAIS SO FUI ATE O CHEFE DA QUARTA FASE .PARECE QUE VAI SER UM DESAFIO E TANTO MAIS NÃO VOU DESISTIR TAO FACIL .

    GHOULS `N GHOSTS EU NUNCA CHEGEI A JOGAR MUITO ,SOMENTE O INICIO ,NAQUELA MESMA COLECAO DA CAPCOM QUE TENHO,PARECE SER MUITO BOM ,APESAR
    DE DIFICIL , E SE EU CONSEGUIR TERMINAR O GHOUST `N GOBLINS DEVO ME AVENTURAR NELE EM SEGUIDA .

    EU NÃO SABIA DESSA DA ARMADURA DE OURO .O QUE ACONTECE DEPOIS SE GANHA UM ARCO E FLECHA DOURADO E TEM QUE SALVAR ATENA KKKKKKKKKKKKKK

    PS:EU NUNCA TINHA VISTO A CAPA DA VERSAO DE MEGA DO JOGO ELA E MUITO BEM FEITA

    • ganon,o destruidor

      so mais uma coisa o jogo original tb tinha que terminar 2 vezes ,ou tinha que terminar sem continues

      • 2 vezes, sempre ^^

    • Fala Ganon, beleza? ^^

      Rapaz, a versão NES é mais difícil sim por que ela é mais “bugada”! As limitações do console somadas à falta de experiência dos programadores da época não deixaram aquele port ser digamos, as mil maravilhas né XD perde muito em jogabilidade, é muito travado e a colisão é terrível huhauhua por isso é tão difícil ^^

      E não tem Athena não mano ahuhauhuaa nem pégasus sagitarius ahUHAUhua RI PACAS AhuahHA

      Essa capinha do mega é uma das mais legais da história cara!! Essa arte é fenomenal ^^

  • Eu consegui terminar tambem o do Mega Drive no emulador mas com uma artimanha, toda hora apertava F5 e caso morresse apertava F8 e voltava! hiauhaiuha F5 salva e F8 volta onde salvou virei sem perder uma Vida se quer! XD kkkkkkkkkkkk

    • eu não abuso de save states, George. eles devem ser usado com sabedoria e poucas vezes. tipo, quendo você tem que sair e não quer perder o progresso.

      • Também acho, mas este jogo é extremo! se não fosse assim com certeza não teria o terminado.

        • Termina sim maninho ^^ com insistência e tempo pra falar bastante palavrão, termina sim ^^

      • Eu procuro não usar nem assim ^^ só uso mesmo em RPGs no lugar do save do jogo, e no caso de jogos muitos desgraçados e que eu ja acostumei totalmente a passar certas fazes iniciais, ai eu uso pra poupar tempo!

    • Então vc não terminou nada seu apelão kkkkk vc só viu como era ali mais pra frente depois da equina kkkkk

  • Rafael

    Puxa! Que coincidência incrível! Estava fazendo uma jornada “Ghost’n Goblins” na semana passada por ter fechado com Arthur em UMVC 3, e justamente me aparece este retroreview! Maravilha! Bom, a princípio eu detestava os games da série por sua dificuldade absurda, e diante deste fator sempre desistia de jogar. Até mesmo durante minha infância e adolescência com o SNES eu alugava este game “Super Ghost’n Goblins” como aquela “fita gancho” de sexta feira para realmente alugar aquele jogo que tinha intenção de fechar. Ghost’n Goblins sempre foi um jogo que eu sabia que tinha seu valor, mas nunca jogava. Além de gostar de Arthur em UMVC3, joguei o Ultimate Ghost’n Goblins para PSP e me surpreendi de tão divertido (claro que joguei no NOVICE, e mesmo assim, o game te obriga a conseguir 22 anéis que ainda não encontrei para abrir o último portão, impondo dificuldades)! Mesmo assim gostei muito! Por conta de ter visto o game com uma nova roupagem, voltei para os emuladores mais animado com o game. E realmente, a série é muito legal! Com certeza merece continuações!

    • Opa velho, beleza? XD

      Rapaz, ainda assim, mesmo impondo certas dificuldades, a versão PSP é 400 vezes mais fácil que qualquer GnG 16bits pra baixo cara kkkkkkkkkkkkkkkkk é apelão o negócio, mas sem dúvida, como vc mesmo disse, é divertido demais jogar os games dessa franquia ^^
      Só fico com medo de continuações por que vc sabe né… o povo adora cagar qualquer coisa e por pra nós jogar… Acho que uma versão HD porém IDÊNTICA EM TUDO (jogabilidade, dificuldade, etc) de cada jogo da série antiga cairia muito bem para uma coletânea XD ^^

      • Rafael

        Pois é SABAT! Os games da série são mesmo impossíveis. Fiquei sabendo até que depois do lançamento da série para PSP, fizeram uma atualização do mesmo game muito mais difícil. Ainda assim, nem se compara com os clássicos. E eu gostei justamente do Ultimate Ghost’n Goblins por manter boa parte da mecânica original.
        Sempre acompanho o RETROPLAYERS, e seus textos são muito bons! Parabéns pelo trabalho! Vou comentar mais vezes!

        • Opa Rafael, comente sempre meu amigo ^^ é a melhor recompensa que nós podemos querer XD

    • TH

      Caramba, finalmente alguém que tb joga com o Arthur em UmvC3!!! kkkkkkk

      Eu jogo com ele mano. Ele é bem ruim se vc comprar com os players tops, mas eu não resisto de jogar com ele, e acabou virando meu personagem principal, irrito muito meus amigos aqui com ele, kkkkkkkkkkk

      Mas no on-line é dose conseguir ganhar dos viciados usando ele… Mas escolho assim mesmo, só para poder ouvir a música dele quando ele chega, kkkkkkkk.

      E ver ele correndo em um game de luta como se estivesse em um jogo de plataforma é hilário. Tipo ele fica de costas quando anda para trás, é muito engraçado!

      O do PSP eu joguei e tenho original e lacrado, rs. Mas nunca joguei a sério… Estava em um período corrido, mas com certeza logo eu jogo esse excelente game!

      Abraços Rafael!

  • celsoaffini

    O que posso dizer para você Sabat… Perfeita sua matéria que fala e com muito eloquência de um dos meus jogos prefereidos e já que não viu meu v´deio, confiram ai pois, vi muitos dizerem que não conseguem salvar o jogo até hoje.

    Então aprendam alguns segredos com o Defenestrando jogos: https://www.youtube.com/watch?v=FINj1sD6j3Y

    • Fala Celsão, viciado do inferno XD

      Ja presenciei esse fulano terminar isso ai com 1 crédito kkkkk Vou assistir sim cara, pra já XD só não o fiz ainda pq o tempo ta corrido, mal editei o fast dessa quinta ainda…. ta feio!!!

      Valeu mano,

      E PESSOAL, ACESSEM O VIDEO PRA VER A PROEZA xD

      • Ivo

        Assisti o vídeo! Muito maneiro cara! Cara é fera mesmo no jogo! E jogo na humildade! Show´s mesmo!

  • Eu nunca joguei Ghouls ‘n Ghosts.
    Mas quando eu li esse texto eu lembrei do estresse que eu passei quando terminei Ninja Gaiden 1 do NES.
    Esse foi o unico da série que eu terminei.
    PQP como eu passei raiva com Ninja Gaiden, fiquei uma madrugada inteira pra terminar essa desgraça !!!!

    O Ninja Gaiden 2 que é o mais hardcore da série eu cheguei até a 2° tranformação do último boss,e nem tentei o 3 mesmo sabendo que é o mais fácil da trilogia.

    E parabéns pelo review Sabat.
    Até vou tentar esse jogo, mesmo sabendo que irei passar a mesma raiva que passei com Ninja Gaiden kkk

    • Fala mano!!!
      Rapaz, NG1 é pauleira!!!!! Preciso pegar pra jogar novamente pq na época eu joguei e cheguei na segunda transformação do ultimo boss e não terminei. Preciso continuar isso!!!

      E po, tenta sim o GnG cara, é mó barato xingar como se não houvesse amanhã!!! ehuheheuhue

  • Taííííí!

    Um ótimo game, pelo qual tenho um carinho muito grande. Até hoje eu não sei explicar como consegui terminar esse game no console. Acho que o fato dos continues infinitos ajudou bastante. Mas nem por isso o negócio é fácil, de forma alguma. Meus irmãos queriam desistir, mas eu fui até o fim. Bateu saudade agora Sabat.
    Ótima recordação e ótimo texto!

    • NÉ?

      O troço tem continues infinitos, até generosos demais quando nos permitem continuar de cretos pontos no meio das fases, MAS QUEM DISSE QUE ISSO DEIXA O JOGO FÁCIL???? Ainda assim ele é do nível dos jogos mais pauleiras do console e isso jogando no PRATICE!!!

      XD

  • Esses dias terminei o Ghous’n Ghost do Master system, que também é muito bom. O do Mega ainda não tentei terminar. A imagem da caixa é muito massa!

    • Eu tenho o do Master, ainda não tive como jogá-lo mas jogarei com certeza ^^ E essa capa do mega é maravilhosa não é? Eu tinha um pôster disso XD Infelizmente se perdeu… Se eu tivesse ele ainda faria um quadro com certeza!

      • Essa capa do Mega é muito linda. Estava justamente pensando em pegar essa imagem e fazer um poster dela (hehe), mesmo com a resolução baixa. E pode jogar o do Master, não vai se arrepender. O Master sempre me surpreendeu por ser poderoso graficamente para um 8 bits.

  • gostei Sabat, como sempre passando aquela sensação que nos dá vontade de sair jogando a parada. abração

    • Valeu Thiago, agradeço pela preferência de sempre meu amigo ^^

  • Raul

    O jogo inteiro ser complicado é um fato; mas nada nessa série me causou mais pesadelos que aquele capetinha vermelho (perdoem-me, não me lembro do nome dele), que nunca descobri um método 100% eficaz pra vencê-lo. Ótimo post como sempre.
    Obrigado 0/

    • FireBrand, éum FDP sempre cara… e tem partes no jogo que a gente enfrenta 2 ou 3 de uma vez……….

  • Hely Junqueira

    Ficou ótimo o review Sabat XD

    Já joguei nos emuladores um pouco esse jogo e o do Snes também, não fui muito longe em nenhum dos 2: segunda fase que cheguei em ambos….depois fui experimentar outro game…maldita sobra de opções graças a porrada de jogos disponíveis…..

    Eu terminei a versão do Master jogando no próprio console há muitos anos atrás…mas pelo que ouvi falar é o mais fácil de todos disparado……..

    Agora essa arte da capa do Ghouls and Ghosts(que é animal) me traz uma recordação nostálgica e ao mesmo tempo um pouco triste:

    Lembro que na época(1991-1992) eu frequentava uma locadora numa cidade vizinha a minha pois na minha não tinha nem locadora e nem fliperama, eu tinha um Supergame compátivel com Atari e eu morria de vontade de ter um Master System….só que na época um Master era equivalente a 4 salários e o Mega era 10 salários(este nem em sonho)….aí eu ficava viajando vendo as capinhas na locadora e ficava sonhando em poder jogar essas maravilhas em meu próprio console…já que eu alugava a cabine por tempo para poder jogar ou mesmo assistia outros moleques jogar……um dia dei de cara com o poster desse game(a arte era igual a capinha do jogo do Mega) enquadrado e pendurado na locadora(se não me engano era da revista Supergame) e tinha um moleque jogando o game no Master System….imagina a minha frustração de não ter o console =C mas como sempre digo: tempos dificeis mas muito bons também…..=D

    Mas só fui ter oportunidade de jogar na febre dos emuladores que a gente queria mais ter um monte de roms do que propriamente jogar………aí não joguei o game com afinco….mas agora dei um jeito nisso:

    Tenho as capas(covers) de todos as roms e isos que possuo: aí eu fico vendo elas de uma a uma no PC, aí eu escolho uns 4 ou 5 games para poder jogar o mês inteiro e fico só neles….tipo como a gente fazia quando alugava um pacotão de games na locadora……e como uso o Wii pra emular na TV Tubão, a sensação de estar jogando no próprio console fica muito próxima da original ….só aquela atmosfera mágica que é diferente…..mas isso não podemos recriar , não é mesmo?^^

    • Fala Hely “Comentárioenorme” Junqueira XD kkkkkkkk

      Rapaz, a versão de Master não é a mais fácil: este título vai para o jogo de PSP, esse sim é mamão com açúcar ^^ A do Master é a segunda XD

      E mano, eu tinha esse pôster heim kkkk e perdi…. não tenho idéia de onde foi parar!! Se eu tivesse tido mais cuidado com minhas coisas mano… pqp, eu teria uma cacetada de tranqueiras da época hoje guardadas de recordação e para mostrar pro pessoal… como me arrependo, pqp!

    • TH

      Hely, para mim tb, essa capinha é sinônimo de locadora e revistas de video game. Muito nostálgica!!!!

  • Eu jogava muito bem o de master, e achava que seria moleza terminar qualquer outro hehehehehehe

    Reconheço que é um clássico, mas da raiva só de pensar quantas vezes eu vou morrer pra tentar terminalo hehehehe
    quem sabe um dia…

    • tenta, conte as mortes, e me conte pra gente rir de vc um pouco maninho XD hauhuaha

  • Essa série toda em 16 bits realmente vale cada jogada

    • Vale sim Pedro, com certeza!! Por isso que eu ainda vou jogar todos os outros jogos ^^

  • Marcos Fenix

    Esse jogo valeu a madrugada que passei acordado zerando, mesmo tendo tomado varias surras, ainda tenho o maior carinho e respeito por esse game.

    • Eu também Marcos, só que no meu caso, foi uma tarde kkk

      • Marcos Fenix

        Melhor parte e a surpresa quando a gente percebe que tem que zerar de novo kkkkk Lembro da sensação até hoje kkkkk Mal acreditei, mas tomei coragem e encarei de novo.

  • JC

    Excelente texto, Sabat, deu a maior vontade de jogar e vou fazer isso agora, apesar de saber que vou apanhar que nem um condenado, hehe…
    Ótima lembrança a da capa, até hoje uma mais bonitas!

    • Essa capa é uma das mais maneiras que eu ja vi na vida XD MUITO bonita mesmo!!!!

  • CODY

    Fala Sabat;
    Mto legal o post, mais o joguinho dificil do cão, me lembro de ter jogado todas as versões para todos os consoles, apesar de não ser fã do jogo e o único que eu terminei foi o do master, claro depois de mto xingamento e controles voando. Gostei de ver novamente o desenho da capa do jogo, na época que ainda se fazia o desenho a mão e com o passar do tempo esse desenho ainda é atual, me fez lembrar do jogo dark souls;

    • Opa Cody XD

      Bons tempos de capinhas desenhadas á mão não é? Hoje pegam uma imagem in-game, botam uma legenda e PUFF: ta pronta a capinha…

  • elcioch

    eu tinha esse game no mega! joguei muuuito e ate tinha as manhas! mas o tempo passou o mega se foi! e agora eu pego o emulador de arcade! que felicidade jogar esse game na versão original! mas eu jurava! como eu tinha as manhas do mega a versão arcade tiro de letra! O… @#$%#!
    apanhei feio ja na primeira fase! a não, ja fui apelando pro cheat!
    é como digo sempre! pra que sofrer? usa um cheat e jogue com a cabeça mais fria! kk
    li os comentarios de outros aqui e me fez lembrar do ninja gaiden! jogaço maldito! foi fooooda! terminar
    assim como o megaman do nes tenho ate trauma, e olha que tava usando genie!
    imagine jogar na seguencia os jogos da serie então! é insano!

    • aHUAHhauAHUhauHUA Esse jogos malditos até com Genie davam trabalho XD lembro que quando eu era mulecão, um amigo descolou um game genie e nós logo tacamos códigos pra jogar Punch-Out e mesmo assim, quem disse que a gente conseguiu bater no Tyson???? IMPOSSÍVEL!!!! xD

  • diogo.j15

    ( MakaiMura, “Aldeia do inferno”)

    • diogo.j15

      no dai makaimura o maximo q consegui foi chegar ao quarto mestre com uma ficha apenas, mas nunca consigo matar o miseravel, kkkk

      • Depois que eu terminei duas vezes pra ver o final, eu joguei novamente e começoiu a ficar bem mais fácil XD fui até mais ou menos ai sem usar continues! O negócio é prática XD

  • EulerVicente

    Ótimo texto Sabat! Eu nunca tive a oportunidade (ou coragem) de jogar esse jogo, mas ele sempre me pareceu sensacional. Lembro que o MSX tinha um jogo chamado “Demonia” que lembrava bastante o G&G, e sim… ele era difícil para caramba também!

    Eu estou jogando agora o Rayman Origens para PS3 e acho difícil horrores esse jogo. Sofri pra diabo pra terminar ele! Imagine o G&G?

    Preciso te elogiar por continuar mantendo viva a chama dos retrogames Sabat! Seu blog continua firme e forte, e cada vez melhor! Parabéns!!!

    • Opa Euler, beleza? ^^
      Rapaz, eu lembro que li a respeito desse DEMONIA de MSX a um tempão atrás num especial que fizemos entre blogs, e se não me engano foi no RETROWEEN XD ele é um negócio meio chupado de GnG né XD até o demoninho vermelho tem kkk

      Olha, eu tenho o Raiman Origins aqui pra Wii e pra PC, mas quem disse que eu joguei? O tempo ta curto demais, ando trabalhando muito, acordando cedo, dormindo tarde.. Quem mandou casar né? kkkkkkkkkkkkk

      Mas fique tranquilo maninho, o Retroplayers pode até passar por maus bocados, mas não existe a menor possibilidade de acabar ^^ Aqui tem café no bule kkkk

  • Sirlon Hayate

    Esse tal game Ghosts’n Goblins é puro hardcore. Um dos games mais difíceis pra mim. A Versão do Mega Drive trazia para sua casa, o prazer e certa semelhança a versão do arcade!
    Gostoso mesmo é o desafio!
    Sabat sempre com uma matéria de estralar os dedos e jogar ^^

    • É dificil pra dedéu mano!!! E ele era MUITO fiel ao arcade tirando as questões gráficas XD

  • Albatross .

    Grande, Sabat!
    Puta merda… que joguinho dos infernos. Pra joga-lo é preciso estar ligado o “masoquista mode”.
    Mas vou te dizer, brother. O primeirão da série, o Ghost’n Goblins só é foda pq os controles do game são muiiiito travados.
    Puta merda… se desviar dos inimigos e dos golpes é um parto. Não fosse por isso e a filha da putisse sem fim de vc ter que voltar o game novamente pra poder termina-lo de verdade, o game seria mais digerível e menos estressante.
    Mas é um troço muito louco… eu jogo sabendo que vou me foder todo, mas mesmo assim continuo tentando.
    Quem sabe G’nG não foi a inspiração para o nervoso Demon Souls?
    Flw, brother. Abração

    • Fala Albatross, beleza? XD Tem mais coisas que deixam o primeiro da série no TOPO da dificuldade fora os controles mano XD Os desgraçados dos programadores colocaram umas passagens muito desgraçadas com armadilhas satânicas pra fazerem a gente trocar de arma totalmente a contra gosto! Tipo aquela escadinha depois dos ogros laranjas na 2ª fase onde cai uma TOCHA no chão se a gente atirar no pássaro e não dá pra passar sem pegar ela!! FILHADAPUTAGEM TOTAL!!!

      E vai saber mano se não foi… mas eu ja instalei no pc DARK SOULS, que tb é da From Software, pra ver se é fodão assim XD

      E eu

  • Cadu

    Acredita que eu nunca joguei a versão do Mega, Sabat? Ou pelo menos não me lembro. A que eu joguei foi a do Master. E acredite, eu fiz o final nas duas vezes. Quando aluguei levei surra do jogo, daí num momento de ódio consegui encontrar pra trocar o jogo no tio que trocava jogos na Lapa, ahhh, bons tempos! hahaha… e assim que terminei o jogo, troquei de novo! Porcaria de jogo difícil… kkkkk
    Vc bem que lembrou de que o jogo quer te ferrar a cada passo, é bem isso mesmo. Aqueles magos fdps nos baús, que ódio! Outro dia tentei jogar alguma versão, não lembro qual (acho que do PSP) e fui meio naquele esquema vaca louca, sabe? Não passei da primeira fase! hahahahaha
    Pelo texto a versão de Mega é ainda melhor que a do Master, fiquei com essa sensação. Muito bom o review. Vou jogá-lo qualquer dia e ver se consigo chegar na terceira fase pelo menos! hehe

    • A versão de Master é um port da de Mega Cadu, feito pela própria sega XD saiu depois, mas a dificuldade é BEM MENOR que a do mega viu!! hauHAUha

  • TH

    Ótimo texto Sabat de um ótimo game!

    Esse foi o GnG que cheguei mais longe, eu não joguei o do Master. Mas é um dos poucos games do Master que quero ainda jogar.

    Esse jogo e em especial essa caixinha é sinônimo de locadora e revistas de video game. Estava sempre presente. É muito nostálgico tudo em volta desse game!!!

    É ver ele e voltar no tempo, e olha que eu nem tive Mega Drive, kkkkkkk. E dá uma vontade de jogar! O foda é que logo ele te tira do sério, kkkkkkkkk. Mas ainda vou terminar esse game sim!

    Lembrei tb da edição especial da Acção Games sobre games de terror e advinha quem era a grande estrela! rs

    • Opa mano, e ae XD

      Esse foi o único que eu terminei kkk o próximo será o de Master. E eu lembro dessa ação games sim ahuHAUhauHA Valeu mano XD

  • Marcio Severino

    Eu tive o Super Ghouls’n Ghosts do Super Nintendo, eu consegui terminar o game na época, mas confesso que foi um grande desafio. Parabens pelo post.

    • Todos eles são um desafio e tanto, e na versão do SNES tem o problema do slowdown pra atrapalhar mais ainda!! Mas é um jogão ^^

  • Joe

    A versão de SNES é sequência, não é port do Arcade. Jogo completamente diferente, tem pulo duplo, etc; é o 3º da série original. Mas a jogabilidade é pior…

    • O que realmente mata no jogo de snes é o frame rate, quase assassina o jogo!

  • Cipriano Marcelo

    Sem falar q se você jogasse em um mega drive Japonês,o game ficaria muito(mas muito) mais difícil!!!!

    • Essa eu não sabia, vou testar!

  • Louriberg França Costa

    Excelente…Dificílimo…Acho que foi o primeiro jogo de arcade que eu vi na vida, mas nunca tive coragem de jogá-lo na época dos fliperamas…O de Mega Drive é difícil também, mas muito mais terminável, apesar de ter que repetir as fases tudo de novo…Boatos dão conta de que houve um ou outro que conseguia chegar até o final utilizando poucas fichas, lá no bairro onde eu morava, mas nunca vi esses ninjas…Como diria o TH e a bruxa do 71: Maldito Capeta do Demônio…

    • Opa velho!! Olha, o de mega, tirando poucas diferenças , tem quase a mesma dificuldade do arcade. O que realmente ajuda é que temos continues infinitos né, aí dá pra ir aos trancos e barrancos pelas fazes kk Mas eu conheço gente que termina tanto no arcade como no mega sem usar continue… ninjas!!