RetroReview Especial de 3º Aniversário # 5 – Streets of Rage 2 (Mega Drive)


Streets of Rage 2 Review Retroplayers

Quando a Sega lançou o primeiro Streets of Rage (Bare Knuckle no Japão), provavelmente não tinha ideia do estrondoso sucesso que o game poderia alcançar. Ou talvez não, talvez eles sabiam exatamente o que estavam fazendo, tendo em vista que nos anos 90, games de pancadaria estavam em alta e são considerados até hoje como uma das maiores heranças que nós retro-aventureiros já recebemos das gerações passadas, seja dos arcades ou consoles. Com o sucesso estabelecido, a continuação do clássico tinha de vir e veio, muito melhor que seu antecessor. Aproveitemos então, esse especial de 3º aniversário do Retroplayers, para revivermos belos momentos de muita, mais muita porrada na cambada de Mr. X.

O final dos anos 80 até meados dos anos 90 ficou marcado como a época de ouro dos arcades. Nas casas de fliperamas da cidade, era possível vermos de tudo. Eram títulos de ação de um lado, shmups engolindo fichas de outro e, por que não falar dos fervorosos fighting games como Street Fighter por exemplo, que veio a se tornar um dos maiores sucessos de todos os tempos. Mas havia alí também outro tipo de game que despertava grande interesse de uma imensa parcela de jogadores. Estou falando obviamente dos beat’em ups, os famosos games de pancadaria em que uma ou mais pessoas uniam forças para aniquilar toda a corja de bandidos que infestavam uma cidade qualquer. Dentre os destaques da época, podemos citar o game das Tartarugas Ninja, Double Dragon, Altered Beast, Golden Axe ou o monte de títulos criados pela Capcom. Um deles em especial, um tal Final Fight, foi sem sombra de dúvidas, um dos games mais jogados, e é até hoje citado em comparativos, envolvendo a franquia de briga de rua mais famosa já lançada pela Sega.
Qualquer um dos clássicos ditos acima pode ter sido a fonte de inspiração para o surgimento de Axel, Blaze e Cia. Se é verdade ou não, estamos aqui para falarmos de um título “caseiro”, oriundo dos estúdios da Sega e lançado inicialmente para o console Mega Drive. Estamos aqui para falarmos de Streets of Rage 2Sendo assim, esqueçamos as comparações e prossigamos com este que é merecidamente um dos melhores titulos do console.

Outra arte do game. Axel Van Damme??

Antes de entrarmos nos méritos do game, gostaria de compartilhar com vocês que, Streets of Rage 2 é um dos meus games favoritos, figurando facilmente entre os 15 melhores que tive o privilégio de jogar. Foi o primeiro cartucho de 16 megas que meu console experimentou e tivemos de fazer uma boa economia financeira para colocarmos as mãos nessa maravilha. Jogávamos ao extremo, eu e meus irmãos e amigos e com o console plugado no velho aparelho de som da sala. Foi algo inesquecível. Ainda nos dias de hoje o jogo com certa frequência e carrego comigo sua trilha sonora armazenada no celular.
Assim como eu, acredito que muitos só foram ver as belas pernas de Blaze pela primeira vez, a partir deste título. Mas foi no ano anterior que nasceu esta que é considerada uma das mais importantes franquias beat’em ups da geração 16 bits, e porque não dizer, de todos os tempos. Se você é retro-gamer ou já passou dos 25, duvido que tenha chegado até aqui sem ao menos ter ouvido falar dela. A série Streets of Rage é certamente um dos melhores trabalhos que a empresa de Sonic já desenvolveu como softhouse (alguém aí ainda usa este termo?).

Pra você que não sabe, Axel StoneBlaze Fielding e Adan Hanter, eram policiais antes de brigarem nas ruas do primeiro game. Intencionados a acabar com a criminalidade, o trio deixa a corporação para fazer justiça com as próprias mãos. Literalmente nas mãos e pés de nossos heróis, o vilão Mr. X e seus seguidores foram banidos da cidade, que retornou à paz e prosperidade. Com o fim dos criminosos, Adan retorna à polícia e foi morar numa casa da periferia com seu irmão mais novo, Skate. Axel passou a trabalhar como guarda costas, enquanto nossa gata, Blaze, ganhava a vida como professora de dança.

.
A estória de Streets of Rage 2 ocorre um ano após os eventos do primeiro título. Nossos amigos estavam reunidos num costumeiro ponto de encontro da cidade, comemorando justamente o primeiro ano sem o sindicato do crime. Alí se divertiram até o fim da noite e se despediram, combinando se reencontrarem no próximo ano.
No dia seguinte, prestes a sair do hotel onde havia se hospedado, Axel recebe um telefonema desesperado de Skate, informando que, ao chegar da escola, encontrou tudo revirado, que Adan havia sumido e que a polícia não sabia dar informações. Axel e Blaze partiram para o local onde encontraram sinais de luta, que culminou no sequestro de Adan. Mr. X havia retornado à cidade, desta vez, muito mais furioso que outrora, trazendo consigo criminosos muito mais perigosos. A cidade entrava novamente num caos total. Para piorar a situação, desta vez nossos heróis, não podiam contar com apoio da polícia, pois o domínio de Mr. X havia chegado lá também. Dispostos a resgatar Adan e acabar novamente com toda a sujeira do crime, Axel e Blaze partem novamente para as ruas, desta vez, com o apoio dos amigos Skate e Max.

Em 1991 havia muita coisa boa para se jogar nos arcades. Mas Streets of Rage era ótimo e ponto! Era também um título exclusivo e por isso, muito paparicado pelos donos de Mega Drive/Genesis. Um dos motivos de seu sucesso foi sustentado por sua excelente trilha sonora, composta por Yuzo Koshiro, um dos maiores gênios da game music e um dos maiores aliados que a Sega já teve, não só com a série Streets of Rage, mas também com outros sucessos da empresa. Isso por si só é assunto pra matéria especial, algo que nosso amigo Senpai poderá nos contar melhor num futuro próximo, aqui nas páginas do Retroplayers.

 Uma voadora bem dada na fuça!

A parte sonora sempre foi destaque na série. Mas apesar do belo trabalho realizado por Yuzo Koshiro, muita coisa ainda podia ser melhorada e para a nossa alegria, foi o que de fato aconteceu. Havia potência de sobra escondida no hardware do Mega e muito talento oculto por parte do time desenvolvedor. Os produtores conseguiram melhorar tudo o que tinham direito, lançando em 1992, o melhor game da série segundo a maioria dos jogadores. Tivemos o privilégio de por as mãos num cartucho recheado com belos gráficos, cenários mais ricos e detalhados, jogabilidade aprimorada e precisa, sprites (personagens) maiores e melhor desenhados, uma grande variedade de golpes e inimigos, um game mais longo, além de novamente, o reconhecido talento de Koshiro. Quem jogou o primeiro título, sabe exatamente quão agradável foi a sensação de ter plugado o cartucho de Streets of Rage 2 pela primeira vez em seu console. Tudo ficou melhor nesta continuação.

Que românico!Como não poderia faltar, o modo 2 players simultâneo está presente. Se jogando sozinho já é gostoso arrebentar com os inimigos, melhor ainda é contar com a ajuda de outro jogador. Nada como chamar os amigos e desfrutar o bom e velho multi-player não é mesmo? Há quem diga que em dupla as coisas se tornam muito mais fáceis, principalmente no modo de dificuldade Mania, adrenalina pura.
Streets of Rage 2 trás ainda o modo Battle (versus). Não é o preferido de muitos mas, se houver o interesse em disputar algumas partidas contra seu próprio companheiro, não tem problema algum. Nesse modo você poderá mostrar pra seus amigos que tu sabe bater mais que todo mundo. Escolha seu personagem favorito, o cenário e parta para o mano a mano. Aquí, vale os mesmos golpes presentes nos outros modos, mas é possível desabilitar os especiais na tela de seleção de personagem.

Todo beat’em up que se preze, permite ao jogador desferir alguns socos, chutes e uma voadora bem dada na cara de um mané qualquer, além de um golpe de escape (especial). Isso é de praxe na maioria deles, mas Streets of Rage 2 extrapolou. Fora o seu sucessor, Streets of Rage 3 (o preferido do Sabat), não existiu outro “briga de rua” que possibilitasse tamanha variedade de golpes. Utilizando apenas os três botões do controle, combinados com o direcional, é possível executar golpes para várias situações. Na hora do “vamo ver”, não vai faltar inspiração para acabar com os inimigos.

Bandido tem que tomar até espadada, se for preciso. Já sei pra onde você está olhando....

 Não é cafuné não, hem? Dividindo as tarefas...

Em meio aos belos cenários, você poderá também fazer uso de pedaços de cano, facas e katanas, além de poder arremessar os próprios inimigos nos demais imbecis que surgirem na sua frente. Se você não sabe ou não se lembra da receita para arrebentar alguns ossos, dê uma olhada na lista abaixo e use a criatividade. Os comandos a seguir valem para qualquer personagem, mas o efeito dos golpes pode variar:

  • Ataque repetidamente: Combo padrão.
  • Pulo parado + ataque: Ataque de pulo.
  • Pulo + baixo + ataque: Ataque de queda (ideal para entrar com um combo em seguida).
  • Pulo pra frente ou trás + ataque: A clássica voadora.
  • Frente, frente + ataque: ótimo para derrubar tudo pela frente.
  • Segure ataque por dois segundos e libere: Parte final do combo padrão.
  • Ataque+pulo simultaneamente: Bate em quem vem de trás /arremessa objetos.
  • Botão Especial: Golpe de fuga. Use quando estiver cercado (consome energia).
  • Frente+ Especial: Ataque nervoso (consome energia).
  • Agarre de frente + frente + ataque: Combo de agarrão (para Skate o efeito é o mesmo, com ou sem direção).
  • Agarre de frente + ataque sem por direção: Desfere umas pancadas bem dadas.
  • Agarre de costas + ataque: arremessa o inimigo no chão (Skate desfere alguns crocs no coco).
  • Agarre de frente + trás + ataque: arremessa o inimigo para trás (ótimo para fazer um strike). Skate não arremessa, mas derruba com combo duplo.
OBS: Com o inimigo preso em suas mãos, o botão de pulo faz saltar por cima deste. Esse comando não vale para Max, mas em compensação, pressione o ataque logo após o pulo para lançar o meliante no chão ou fazê-lo sentar no seu colo (golpe tipo pilão).
 .

Assim como o nosso amigo Ivo, eu também adoro essa parte de curiosidades, e Streets of Rage 2 tem algumas bem interessantes. Acompanhe:

  • A capinha europeia do cartucho exibe algarismo romano ao invés de simplesmente o nº 2;
  • Apenas na versão japonesa, Mx. X aparece com charuto/cigarro nas mãos antes de partir pra  briga;
  • Na versão Japa, Blaze mostra a cor da calcinha durante a voadora (diliça!);
  • Na versão beta da Rom, o especial >>+ataque de Axel libera um golpe tipo Shoryuken;
  • Skate é irmão de Adan do primeiro Streets of Rage e sua inspiração veio do game Dj Boy, um beat’em up arcade publicado  pela Sega, que você pode jogar no emulador Mame. Há também uma versão para o Mega. Na versão japonesa de Streets of Rage 2, Skate chama-se Sammy Skate Hunter e nas demais versões chama-se, Eddie Skate Hunter;
  • Max é amigo de Axel e foi chamado para ajudar na treta. Na versão americana e japonesa do game, seu sobrenome é Thunder, enquanto na européia, Hatchett;
  • Existem versões de Streets of Rage 2 para Master System e Game Gear, lançadas algum tempo após a versão de Mega. Nelas não existe o personagem Max.
  • Abadede, um dos chefes de fase, foi inspirado em Warrior, um famoso lutador de luta livre dos anos 80.
  • Devido ao sucesso, o game foi colocado nos arcades, mas não passava de um Mega Drive “escondido” no gabinete. O game era mais difícil que a versão convencional e as vidas extras foram todas substituídas por dinheiro.
  • A trilha sonora da série foi inspirada em músicas eletrônicas, techno e house, ritmos muito populares nos anos 90, chegando a ser lançada em CD, em versão remasterizada. Algumas das faixas são muito semelhantes a de artistas reais. Veja o vídeo abaixo e comprove:

.

Como vocês puderam ver, Black Box dominou no quesito inspiração, não é mesmo? Particularmente sou muito fan deste tipo de música e portanto, muito suspeito em falar. O fato é que, indiferente do estilo musical adotado, o resultado alcançado por Koshiro é indiscutivelmente sensacional.

Bem, o que não falta é motivos pra você jogar Streets of Rage 2. Com toda a certeza, este é um dos melhores games do gênero já lançado em um console de video-game. Uma pena que este tipo de jogo tenha caído em desuso. Seu sucessor, Streets of Rage 3 trouxe algumas melhorias significativas com relação a este, mas a maioria dos retro-aventureiros afirma que o segundo título da série é quem merece maior atenção. Na dúvida, jogue todos.
Obrigado por nos acompanhar em mais esse especial. Agora, que tal dar umas boas risadas? Vamos desfrutar de alguns momentos hilários com esse vídeo feitos por fans. Vê se não vai sair por aí fazendo o mesmo. Os caras são extremamente profissionais:

Até o próximo RetroReview pessoal.

Fim


Sobre Jeff

O Jeff é veterano que começou a jogar games com um Bit System. Ele ama jogos 2D. Criterioso e saudosista, adora os jogos de Nintendinho. Atualmente sua plataforma principal é um PCgamer, Mas jogar é com ele, não importa se num console da Sega, Sony e assim vai!
Adicionar a favoritos link permanente.
  • Ivo

    Esse jogo é fantástico. Leitura na hora do almoço obrigatória. Logo volto e comento =)

    • Vou ficar esperando Ivo.

  • Mateus LW

    Este é meu favorito de toda a franquia. Ficou um ótimo review, e sobre as influências musicais para o jogo, alguém poderia me confirmar se o tema Dreamer, que é uma mistura de Eletrônica e Lambada, foi influência da música Chorando Se Foi do grupo brasileiro Kaoma? Que por sinal fez sucesso no japão (e no mundo) no início dos anos 90.

    • E aí Matheus, tudo bem?
      Cara, eu não sei dizer se Dreamer foi de fato inspirado em Kaoma. Mas eu não acredito nisso não, já que não vejo tanta semelhança assim. Se descobrir, fala pra gente, ok?
      Abraço e obrigado pela participação!

      • Mateus LW

        Pois é, dei uma pesquisada mas não encontrei, provavelmente é não mesmo. As influências dele é bem mais forte com estilo Detroit Tecno e Chicago House. Acho que me equivoquei.

  • Ivo

    Grande Post Jeff. Adorei principalmente a parte da história do SOR que não conhecia. Essa arte que colocou de capa na matéria é fantástica, adoro essas coisas. Não vou mentir, SOR foi um dos jogos que tive que pegar MegaDrive p/ jogar em casa. Me lembro de tentar terminar o 1 no último nível, mas morria em uns gordões que jogavam fogo pela boca e andavam rápido. O SOR2 foi que mais joguei e o que mais gosto, só não gosto do 3 porque eu “pirava” no vilão Mr.X Hahahahaha! Você jogou aquele SOR remake? É muito bom, vou começar a jogar ele agora (comprei um HD externa e agora todos emuladores eu passo p/ TV pelo Notebook). Grande Retroreview Jeff. Parabéns.
    Ps: Essa parte de curiosidade é boa ~ adoro ler essas coisas.
    Ps2: Adorei também esses logos que dividem a matéria. Ficaram sensacionais.

    • Ivo, maninho: Os logos foi uma ideia minha em parceria com o Sabat, mas a inspiração veio do seu post de
      Top Gear, meu caro. Valeu!
      Cara, o SoR Remake é tudo de bom que a série tem num único fã game de responsa. Jogue e jogue mesmo! Há vários caminhos e bifurcações, finais diversos e uma das coisas que mais gostei, a volta de Adan que ficou destruidor nesta versão. O numero de personagens desbloqueáveis é impressionante.
      Pois é, gente gorda dá um trabalho em Streets of Rage, não é mesmo?
      Adoro curiosidades gamísticas, adoro Streets of Rage 2 e tudo nele. Ainda vou jogar melhor o SoR 3. Nunca o joguei pra valer e nunca vi todos os seus finais, que vergonha! Rsrsrsrs!.
      Obrigado pelo seu comentário Ivo. Grato pelos elogios!
      Abraço!!

  • Kanon Clint

    Cara, na minha opinião SOR2 é o melhor beat’n up de todos os tempos, ao lado de Alien Vs Predador da Capcom para a placa CPS2.
    O que mais me chamou a atenção desde o inicio é a evolução abismal que o game teve em comparação com o primeiro episódio.
    E é ai que SOR, se difere daquele que é considerado seu maior “rival” Final Fight.
    SOR2 me traz uma lembrança muito legal “em termos” , pois foi por causa dele que matei aula pela primeira vez na minha vida hehe.
    A locadora ficava à umas duas quadras da escola, era normal depois da aula a gente dar uma passada durante a semana lá, para já ir planejando os jogos que iriamos pegar na sexta, e ficar o fim de semana inteiro jogando. E foi ai que vimos SOR2( cartucho original japonês …..meu coração deu aquela acelerada, mas claro o cartucho tava alugado.
    O jogo tinha de de ser devolvido na quinta, e eu deduzi, que a pessoa entregaria o game somente à tarde. Além disso, dificilmente alguém alugaria o jogo na quinta à tarde, uma que, alugando 2 jogos na sexta se devolvia na segunda. E era isso que sempre fazia, alugava 2 jogos na sexta, e só devolvia segunda.
    Existia uma outra escola que ficava na frente da locadora, era uma escola particular, de freiras inclusive.
    Eu sabia que não conseguiria chegar a tempo na sexta, e foi ai que decidi cabular aula, tamanha a vontade de jogar o game. Fiquei jogando nos fliperamas até dar hora da locadora abrir, e ai me dirigi até lá.
    E lá estava o danado prontinho para ser alugado, fiquei feliz por tres motivos:
    1-Era de fato um jogasso
    2-Eu me diverti como nunca
    3-Tudo que eu havia arquitetado, deu certo

    Há….o jogo que acompanho SOR2, foi El Viento, outro jogasso XD

    • Olá Kanon, tudo bem amigo?
      Gosto de seus comentários. São extremamente nostálgicos. É sempre bom relembrar dos tempos de locadora, não é mesmo? Eu não aluguei este título. Eu e meus irmãos ainda éramos moleques e guardávamos todo o dinheiro que ganhávamos só para comprá-lo e o fizemos assim que o cartucho apareceu por essas bandas. Que tempos aqueles…
      Cara, acho que todo mundo já fez alguma maluquisse por causa de um bom game não é mesmo. Eu não sou exceção, rsrsrs!
      E os Beat,em ups da Capcom são os melhores. A Capcom é uma empresa que se destacou nos arcades com um monte de títulos ótimos e Final Fight é sem dúvida um deles. Mas confesso que foi o título que menos vezes joguei, em comparação com os demais.

  • um dos melhores briga de rua já feito. e foi o primeiro Street of Rage que zerei e com alguém me ajudando…bons tempos de locadoras ou não. embora tinha o Axel e a Blaze, não tem o Adam….(imperdoavel!!!) colocando aquele irmão dele que ninguém jogava…eu ia com o Max, com a força brutal dele tornava o game mais fácil. muito mais fácil eu diria. mesmo lento como uma placa tectônica, só o agarrão dele que aperta a cabeça do inimigo, derrota muitos meliantes sem sequer suar e em chefes é uma maravilha. pena que o tiraram de Street of Rage 3, para colocarem aquele Zan…que é tão interessante quento um pacote de Dorittos vazio.

    e Skate….ele servia pra alguma coisa???

    Streets of Rage 2 é a prova de que um beat’em up pode ser tão melhorado de uma versão para outra quanto qualquer outro estilo de jogo. Que pena que a maioria das produtoras nunca sacou essa sacada e o gênero acabou caindo no ostracismo.

    E que pena maior ainda que a Sega não possui mais as bolas do passado e não lança QUASE mais nada que preste hoje em dia.

    • ah, e gostei da foto do inicio do post….Blaze é sempre….estou sem fôlego com a foto dela. e os outros ignoro. hehehehe

      • Agradeça a mim por estar essa foto no início do post kkk A foto que o Jeff iria colocar… deus me livre kkk

      • Leandro, foi uma briga pra entrar essa imagem…rsrsrsrs

    • Comentários sempre hilários kkkkkkkkk!!!
      Streets of Rage é um exemplo de competência Leandro.
      Falando de Skate, jogar usando ele e sem um companheiro é realmente muito difícil. É divertido jogar com o muleke. Mas ele é fraco, tem de ser muito bom pra terminar o game com ele.E verdade seja dita, o Adan faz uma falta tremenda mesmo!
      Valeu pela participação Leandro!!

  • eddie66683

    isso era foda te um super nintendo e sabewr que era exclusivo do mega Jeff, e realmente esse é um dos melhores briga de rua do genero e do mega drive também.

    • Eddie, esse é o tipo de game que invejava os nintendistas, não é mesmo?

      • eddie66683

        esse e o aladin do mega eram dor de cotovelo para os nintendistas, eu também lembro do Beyond of oasis que eu via as matérias na game power e parecia ser um jogão.

  • eddie66683

    aahhhhhhhhhhhhh esqueci , que eu saiba o street of rage 3 é bom, a versão japonesa, a americana é capada.

    A Sega sempre teve umas coisas estranhas com seus jogos lançados em outros países, como o street of rage 3 ser bem inferior que o 3 japonês, Golden Axe 3 se não me engano saiu só no japão e vários jogos bons de Saturno não saiu no ocidente apenas ficou com os japas.

    • Cara, sempre vejo falarem isso, mas não reparei muitos detalhes. Quais são as diferenças principais entre as versões?

      • denisshadow

        Pelo o que me lembro, as maiores mudanças era nas cores das roupas em relação ao SoR 1 e 2. Blaze de roupa cinza, Axel de camisa amarela e calça preta, e removeram um vilão a la YMCA.

        • eddie66683

          é a mudança da cor era a mais evidente mais teve mais mudanças, por conclusão minha prefiro a versão japa lembro que eu apenas tinha jogada a americana e achei muito abaixo se comparado com as versões anteriores, más depois um colego me falou para jogar a japonesa que é melhor, e realmente preferi a japonesa.

          pra mim o Street of rage 3 ou bare knukles 3 sofre do mesmo mal do sonic 3, são bons mais a simplicidade da segunda versão continuou superior.

      • eddie66683

        .Na fase do trator te perseguindo no Streets of
        Rage 3 o trator vem com tudo e tem que dar uma sequência completa de
        golpes praticamente para o mesmo recuar, no Bare Knuckles III basta um
        soquinho.

        .No SoR 3 na tela de opções só tem Easy, Normal e
        Hard, já na versão japa tem Easy, Normal, Hard e Very Hard, porém o
        normal da versão americana é praticamente o Hard da versão japa.

        .Tem
        uma diferença interessante, no BK III quando um inimigo morre o sprite
        do mesmo fica piscando até sumir da tela, no SoR 3 o sprite não pisca e
        logo depois some da tela.

        .No game americano (SoR 3) se
        você escolher a dificuldade Easy, não é possível finalizar o game por
        completo, só se chega até o Mr. X e para ali, na versão japa (BK III) é
        possível finalizar o game todo na dificuldade Easy.

        .Se não me engano a história do game é diferente também.

        • Guest

          Outra diferença,na versão japonesa o motorista do barco da primeira fase é um sub-chefe.

  • Sirlon Hayate

    não tem mais o que dizer .. ”PORRADA PRA TODO LADO” !
    bons tempos, um cartucho desse era OURO ! Altas jogatinas !

    • E bota ouro nisso Sirlon. Nem lembro quantos “dinheiros” eu gastei, mas não foi pouco!!!

  • DACTAR

    Jeff ótimo texto,esse game é maravilhoso!Em uma época onde eu era um gamer-ilha cercado
    de Nintendo por todos os lados,um vizinho,amigo meu,ganhou um Mega Drive e
    nele joguei Streets of Rage 2 pela primeira vez.O legal era jogar “de dois” mesmo,o single player também vale a pena,claro,enfim tem cartucho que a gente aluga entrega e pronto,mas esse era cartucho para comprar/jogar e guardar.

    Esse lance da cor da calcinha da Blaze e do cigarro do Mr.X infelizmente aconteceu com muitos jogos quando chegaram no mercado americano,são detalhes,mas eu acho lamentável essas modificações.

    • Pois é Dactar… Parece que a galera nipônica não ligava muito pra sensura e alguns detalhes. De qualquer forma, não estragou o que título tem de melhor, que é a sua diversão e qualidade!!!
      Obrigado pelo comentário!

  • SOF1 foi o primeiro jogo que eu zerei na minha vida,tinha 7 anos na época.SOF2 consegue ser o melhor da série e acho que não é exagero meu dizer que é um dos melhores jogos de beat’n up da história,
    Vc conseguiu destacar tudo de bom que o jogo tinha nesse texto,ótimo trabalho Jeff.

    • Obrigado pelo comentário Vinícius. Eu sou um dos admiradores deste game. E parabéns pela façanha. Terminar SOR com 07 anos de idade, tem que jogar muito…

  • Felipe

    Nossa cara só tenho uma coisa a dizer esse jogo é fera XD não tenho 25 tenho 13 mas desde sempre joguei ele no meu mega(que nao esta mais neste mundo,oremos),tipo foi simplesmente o jogo mais fera que joguei,atras logico do meu querido sonic,que jogo até hj naquela sanduichera que a tectoy lançou chamando de mega drive,que tem alguns jogos bons do tido kid chamaleon,Sonic(óbvio),golden axe(todos) e o alex kidd,enfim só jogando esses jogos agora e emuladores mesmo XD ótimo review abrass

    • E aí Felipe, como andas?
      Que legal saber que um garoto de 13 anos gosta de games retrô. Feliz em saber disso. Que seu Mega descance em paz.rsrssrs!!!
      Apareça sempre!!

      • Felipe

        Games antigos são os melhores na minha opinião XD

  • ganon,o destruidor

    e realmente uma pena que esse tipo de jogo tenha sido esquecido, lembro que eu tinha um jogo dese tipo ai genrico para snes em que dava pra usar peixes pra lutar ,era legal matar os chefoes com peixes,SIMTAM O PODER DO MEU SUSHI.

    • kkkkkkkkkkkk!!
      Ganon, eu lembro desse game e dei risadas, só não lembro o nome dele agora.
      Vamos torcer para que ainda surjam bons games nesse estilo. Está fazendo falta mesmo.
      Recomendo jogar o Streets of Rage Remake, quebra um gahlão manolo!!

      • Luis Fernando Ribeiro dos Sant

        Undercover cops.

        • Jeff

          Mano o que bem tem é o link do SoRR. Pesquise no Google!!!

          • ganon,o destruidor

            desculpa ai cara ,perguntei antes de olhar ,como diz um ditado meu “antes de fazer veja se alguem nao fez antes´´,obs:por que eu coloquei aspas se o ditado era meu ?no mais valeu otima materia jeff!!!!!!

          • Sem crise!

        • ganon,o destruidor

          cara e esse mesmo ,valeu ai cara esse jogo era demais foi um dos meu primeiros contatos com games de luta ,quando tava escrito esse nome demorei pra me tocar agora vou joga lo novamente valeu (e eu nem tinha perguntado se le mentes eu ia perguntar depois).

      • ganon,o destruidor

        nossa e incrivel ter saido um remake desse game poucos remkes sao concluidos ,se tem o link dele .
        e nossa eu achei que eu era o unico que tinha jogado o jogo do nsushi legal ver que alguem conhece o game qu eue achei que so eu conhecia e no mais valeu otimo post.

  • Luis Fernando Ribeiro dos Sant

    SOR2, o melhor da série.
    Dizem que o Fighting Force era pra ser uma continuação do SOR3, mas foi cancelado e então resolveram mudar a história e os personagens pra aproveitar o que já tinha sido feito, falando nisso seria bem legal que tivesse um review do Fighting Force aqui, alguém se dispõe? lembro que quando jogava numa casa de jogos(um cômodo com três PS1 e um SNES) o Fighting Force, tinha um outro beat up pro PS1 que eu gostaria muito de saber o nome, as únicas coisas que eu me lembro dele é que só era possível jogar no multiplayer com duplas pré-determinadas, e a que eu me lembro era de um cara que ficava com as mãos no bolso e batia só com os pés e sua parceira que era uma menina que usava uma vassoura como arma, alguém sabe que jogo é esse?
    Ótimo texto Jeff, mas no SOR2 não tem tacos de beisebol, mas eu te perdôo se vc me responder que jogo é aquele que eu perguntei! XD

    • Luiz, Luiz…Legal ter lembrado do Fighting Force. Eu sempre achei que esse boato fosse verdade, mas ainda bem que não levou o mesmo nome de SOR. Apesar de ser um game interessante, estava muito aquém em detalhes, para um game de PSX. A falta de títulos nesse estilo foi o que deu um UP em Fighting Force e gerou muita expectativa.
      Obrigado pela observação sobre os tacos de baseball.
      Sobe o game citado, não consegui achar resposta, mas é provável que algum visitante do site tenha um bom palpite.

    • renatagamer

      Oi, Luis tudo bem?
      Acho que achei o jogo que você mencionou . Veja se é esse : Crisis Beat.

      http://www.youtube.com/watch?v=ACokNejbewg

      espero ter ajudado.

      • Luis Fernando Ribeiro dos Sant

        Ajudou sim! já faz uns dez anos que eu procuro saber o nome desse jogo, e provavelmente nunca teria encontrado se não fosse por vc, eu nem tenho como agradecer!
        Da próxima vez que eu quiser saber um nome de um jogo, já sei com quem falar, com a Renatagamer, VALEU!

    • eddie66683

      Acho que o nome é Crisis Beat do ps one que se passava em um cruzeiro o e o cara com a mão no bolso parecia um garçon e tinha um cara de jaqueta marrom e calça jeans que parecia o maluco do Shenmue

    • Istemthebronx

      Fighting Force é um jogaço de beat’em up do PS1, assim como Nightmare Creatures, Crisis Beat, Panzer Bandit e Nekketsu Oyako (só saiu no Japão)!! Todos jogaços do estilo para o PSX

  • Sabe, antigamente eu era um defensor de Final Fight e dizia que era o melhor Beat’n Up dos 16-bits…até jogar Streets of Rage 2. O primeiro jogo já era bom mas nada especial além da trilha sonora, mas este segundo jogo ficou fantástico, com vários golpes e sequências e uma trilha sonora ainda mais caprichada, e gráficos que não perdem em nada para a concorrência. Esse é o jogo de pancadaria definitivo para os 16-bits!
    E parabéns pelo excelente review, ficou show de bola! Abraços

    • Somos dois Adinan. Eu nunca idolatrei Final Fight. Mas não podemos negar suas referências. A jogabilidade de SoR2 é invejável e definitivamente, ainda não tivemos um concorrente com o mesmo carisma.
      Obrigado pelos comentários e volte sempre!

  • Istemthebronx

    Ainda sou um defensor da série Final Fight. Contudo, deixar de curtir o Streets of Rage 2 é impossível. Curto demás jogar esse jogaço aqui no meu Megão!! Bom rewiew!!

    • Jeff

      Cara, você acredita que eu nunca terminei o Final Fight nem mesmo nos emuladores?
      Pois é, o game é bom, mas não consigo gostar dele como os outros beat’em up da Capcom.
      Obrigado pelo seu comentário Istem!!!

      • Istemthebronx

        Acredito sim cara. Os outros beat’em ups da Capcom são muito bons, não curto muito King of Dragons, mesmo sendo um bom jogo.

  • E no final das contas, vc acabou colocando esses vídeos toscos kkkkkkkkkk eu queria trombar qualquer hora alguém fazendo isso mano na rua mano ahuHAUhah

    SoR2 é MUITO bom, espetacular, mas pra mim o 3 é o supra sumo da jogabilidade em um Beat ‘em Up, e é o meu predileto, apesar da trilha sonora não ser tão brilhante quanto nos 2 primeiros games… mas inda assim é MUITO BOA!!

    • Pois é Boss, no início os vídeos são chatos mas depois fica profissa, cara. Eu ri demais com esses malucos.
      Vou jogar mais vezes SoR3 e dar meu veredito depois!
      Abraço!

  • aki é rock

    Esse jogo é demais viu

    • Demais, Demais, Demais!!!!

  • Rummenigge

    Soberbaço! É impossível passar por aqui, ver minha biografia não autorizada sendo comentada e não comentar tmb. STREETS OF RAGES é, sem dúvidas, uma franquia história. É um jogo que não se jogava, se vivia. Espetacular! o 1 é meu predileto, apesar do 2 ser magnífico tmb! Viva ao RETROPLAYERS e a esse incrível game que tantas vidas marcou. Tmb guardo e escuto sempre a trilha sonora da série assim como muito. Ah, só não posso deixar de dizer. GENTE, JOGUEM O MAGNÍFICO-ESPETACULAR-SOBERBO STREETS OF RAGE REMAKE. SURREAL!

    • Rummenigge, agradeço seus comentários. Streets of Rage pra mim também é especial. É claro que a versão Remake é ótima. Tenho que jogar muito e vou jogar!!!
      Thanks maninho!!

  • Ai ficou muito bom assim como os outros reviews a minha franquia de beat up preferida do 16 e olha que tenho um super nes e final fight mais n adianta streets of rage é o melhor na minha opiniao sem falar na trilha sonora que amo parabens cara otima materia assim como todas as outras

    • Roll, quem tinha SNES sempre ficava esperando algo do tipo no seu console e só quem tinha um Mega podia desfrutar. Final Fight também é bão, mas não namoro ele não. Casei com SoR
      Obrigado pelo seu comentário Roll.

  • Nossa, nossa, nossa!
    Eu me empolguei muito com o video que vc colocou com as inspirações do Yuzo Koshiro! Impressionante mesmo como principalmente o segundo jogo teve influências FORTES de músicas da época. E como ele gostava de Black Box, hein? hahaha!
    Jeff, seu review como sempre foi ótimo! Estou na lista dos que consideram o SoR2 o melhor da série, pra mim é o melhor beat’em up de console que já existiu e o que possui a melhor trilha sonora entre todos os jogos do gênero de todas as épocas e plataformas. E por isso mesmo eu fico com a pulga atrás da orelha com uma coisa que foi a única coisa que me deixou triste no post: a nota. Como é que Zelda ganha um 100% e Streets of Rage 2 não? É por essas e outras que eu sou contra notas, mesmo concordando que cada um tem sua opinião. Só não acho muito justo, mas enfim. Nem sei se a culpa é sua, mas não posso deixar de mostrar meu descontentamento com isso.
    E eu não ia ver os videos do Movie, mas… cliquei, comecei e não aguentei, fui até o final, hilário! Muito bom! hahaha! Belo achado! Ele chutando os cones, o cara atirando a garrafa nele de cima da ponte, o Axel batendo em todo mundo correndo… que cômico! huahuahuahua!

    • Caduco, obrigado pelo comentário brô!
      Esse lance de nota é um pouco complicado. Procuramos tirar uma média de todas as opiniões e de diversas fontes, levando em conta a experiência que tivemos e temos. Eu confesso que queria ter dado um 97%. Pode reclamar com o Boss Sabat, é culpa dele também!!!
      Mas o consenso fez cair um pouco a nota.Eu curto muito a trilha sonora desse clássico e de resto ele é quase perfeito. Mas tem gente que não gosta do gênero musical e essa opinião tem de ser levada em conta também, passando a valer os demais itens da avaliação.E sobre os vídeos, eu quase me caguei de rir kkkkkkkkkk e os momentos que eu mais ri foi justamente os que você citou!Abração!

  • Este jogo com certeza todos que tiveram o Mega drive jogaram, na epoca eu tinha um Atari , quando um colega me levou para jogar este game na casa dele, e foi arrasador , nunca parei de falar mais do game , até eu comprar o meu Mega , dai mano era casa cheia todo final de semana, sempre formando duplas para detonar os capangas do Mr X.
    Gostei muito da Analise, era merecida essa homenagem a este grande Game do nosso saudoso Mega Drive.

    • E aí Kako, cê tá legal?
      Esse é obrigatório pra quem tem Mega, não é mesmo?
      E como era bom hem, quando agente se reunia com a galera no final de semana pra jogar e jogar e jogar e jogar!!!
      Obrigado pela participação Kako!!

      • Época boa mano, parece que a garotada hoje não se diverte mais como nos divertíamos no passado, eu tenho saudade das discussões na escola e locadora, das revistas de games, ae Jeff tenho uma pergunta pra você , como não tenho condições de comprar mais cartuchos pro meu mega que galera ta sapecando nos preços kkkk, me tornei adepto do emulador, do Kega fusion especificamente , a emulação e bem semelhante a do console , o que você pensa a respeito dos emuladores , na minha opinião o que mais incomoda e o controle, o pad e mesmo usado no Playstation ,por que o pad do mega e espetacular e da uma resposta fantástica nos games.
        Falo mano um abraço!

        • Kaco, eu não jogo em consoles há muito tempo e me dou muito bem com os emuladores. O Kega Fusion é o melhor emulador para Sega e gosto muito dele. É o que uso sempre.
          Não tenho problemas como controles Kaco. Uso um controle de Xbox360 em todos os emuladores e acho muito bom. Dica: Evite usar os direcionais analógicos. Eles falham ou não respondem nas diagonais.
          Se tiver interesse, tem muitos controles na net que são USB e são os mesmos modelos originais dos consoles, se prestam eu não sei dizer. Ou se conseguir controles originais, compre adaptadores específicos de cada controle, ficam muito bom.
          Valeu!!

  • lucas cantino

    caceta ,esse video das influencias do yuzo matou a pau ,sem comentarios ,voces são unicos mesmo !!!!

    • E aí Lucas, Curtiu?
      Eu também curti pakas, amiguinho!

  • TH

    Esse game é muito bom!

    Um grande ponto do Mega. Na minha opinião, muito melhor que o Final Fight. E o 2 para mim é o melhor.

    Ótimo texto Jeff!

    Não vi os vídeos ainda, mas promete ser engraçado, hauahuahuahuahaua

    • TH, tá na hora de dar umas rizadas. Curta os vídeos acima e vai ver que tosco, porém hilário.

  • Vou causar polêmica aqui, mas, até onde eu joguei o Streets of Rage 2, eu prefiro o 1º. Acho o 1º mais simpático no jogabilidade , principalmente com o especial do carro de polícia. Abraços e foi mal pela demora do comentário.

  • Eu sei que vou causar polêmica, mas, até onde eu joguei o Streets 2, eu prefiro o 1º. Acho o primeiro mais simpatico na jogabilidade e nos gráficos, querendo ser só um simples e bom Beat em Up (assim como Busca Implacável só quer ser um simples e bom filme de ação), sem ideias megalomaniacas e hype (problemas da maiorias das sequências). Abraços.

  • Eu sei que vou causar polêmica, mas, até onde eu joguei o Streets 2, eu prefiro o 1º. Acho o primeiro mais simpatico na jogabilidade e nos gráficos, querendo ser só um simples e bom Beat em Up (assim como Busca Implacável só quer ser um simples e bom filme de ação), sem ideias megalomaniacas e hype (problemas da maiorias das sequências). Abraços e foi mal pela demora do comentário.

    • Sem polêmicas, claro. O que vale é a diversão Maxwel.

  • Em 1o lugar, a primeira Artwork é incrível.
    Já a segunda… X_X

    Belo texto, Jeff. Recapitulando um dos assuntos das Retrofasts, esse foi um dos jogos que usei savestate indiscriminadamente, quando mais novo, não tinha lá muito contato e tempo com vídeogames (lê-se falta de grana). Então, início desse ano decidi, por meio do PS2 sair zerando games retrôs que não tive chance na época do jogo. Já que tempo não é algo que pode ser adquirido ou recuperado, usei essa função pacas.
    Não aproveitei tanto do jogo, acelerei e não pude aproveitar ao máximo o que a trilogia oferece nos quesitos gráficos/som, pq mesmo rapidamente, dá pra se divertir.
    Mas, pelo menos no Remake pude admirar o que não vi na série.
    Zerei algumas vezes, o fangame e deu pra assimilar a nostalgia, ação desenfreada e a simples e constante diversão.

    Cada, um dos 3 é um game admirável em si, sem muito blablabla, faz jus ao que é proposto.

    • Obrigado pelo elogio Daniel. Realmente a primeira art arrasou, mas essa do pseudo Van Damme…
      Não importa como e quando, só não pode deixar de jogar essa maravilha, não é?
      Valeu!

  • Femt

    Nossa Jeff que matéria bem feita meus parabéns, na verdade parabéns a toda a equipe do Retroplayers que realmente não deixam a peteca cair sempre com ótimas matérias, para equipe toda meus parabéns. Realmente uma matéria a altura do jogo realmente fantástica.

    • Valeu Leo. Obrigado pelo comentário!
      Agente faz o que pode.
      Apareça mais vezes.

  • Helcio Correa

    Cara… muito nostálgico. Uma Mega idéia da SEGA. Tenho meu Mega Drive 3 desde 1999 e continua intácto. Street of Rage, 2 e 3 tem músicas para inspirar mesmo quando joga! Grande Yuzo Koshiro! E por incrível que pareça, venceu a rival Final Fight na guerra dos jogos. SUPER legal os vídeos. Desde que tocou a primeira música fiquei acompanhando a música até o fim(quase pois os vídeos são bem engraçados). Tinha um momento que Axel estava com muita pressa. LOL! Pô acabar com inimígos só com um soco em cada um? HAHAHAAAAAAAAA! Muito legal. Bem maneiro este post! Parabéns, meu. É o brigatório mesmo para os fãs do Mega Drive. Não estava mentindo mesmo!

    Engraçado. É impressão meu ou a Blue Mary está vestida como Blaze Fielding?

    • Olá Helcio, como vai?
      Quero agradecer sua participação. Obrigado mesmo pelo comentário.
      Pra mim SOR sempre foi melhor que Final Fight, que também é um jogão, porém exageradamente dificil, coisa de arcade né? Mas gosto da franquia da Sega por diversos fatores e isso ninguém tira de mim.
      Quantos aos videos no final do post, eu ri demais. Bela e engraçada homenagem dos fans.
      Aparece mais vezes por aqui, ok?
      Abraço!

  • musculosa sexy

    esse “live action” de SOR é tão tosco que eu quase morri de tanto rir…

  • Louriberg França Costa

    Perfeito. Pancadaria da boa no Megão. Yuzo Koshiro detonando, como sempre, nas composições que entram para a coletânea de músicas preferidas de qualquer retrogamer que se preze. Jogo obrigatório pra que curte um bom game de porradaria. Eu prefiro o 1 e o 2 (apesar do 2 ser graficamente perfeito), mas o 3 também é muito bom (perde apenas nas músicas techno que introduziram, pois me parece que teve a colaboração de um outro compositor junto com o Yuzo Koshiro) mas vale a pena conferir…

    • Não tem como nos referirmos a beat’em up sem falar de Streets of Rage, não é meso Costa? Pra mim o 2 é soberbo, o terceiro só deixou a desejar no som mesmo. O primeiro é muito nostálgico também, com certeza. Agora, você já jogou Streets of Rage Remake?

      • Louriberg França Costa

        Infelizmente ainda não tive a honra de jogar o remake, mas pretendo fazer isso em breve…