RetroReview: Donkey Kong Country 3 – SNES

 

Macacos me mordam! Chegou a hora do Retro Review de mais um clássico de Super Nintendo: Donkey Kong Country 3 – Dixie Kong’s Double Trouble! Um game que fechou a trilogia dos macacos mais famosos do mundo gamer.

Tudo começou com Donkey Kong Country em 1994, que deixou todos de queixos caídos ao apresentar gráficos pré-renderizados, trilha sonora espetacular, jogabilidade perfeita, fases criativas e muita diversão. E continuou em 1996 com o lançamento de Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong Quest, que conseguiu melhorar o que já era bom no primeiro e adicionou novos desafios, músicas, exploração, mundos secretos e tudo mais que fez a alegria dos proprietários de Super Nintendo. Mas você deve estar se perguntando… Por que resolveu falar do DKC3? Se o DKC1 e DKC2 são os mais conhecidos para a grande maioria dos gamers? Lhes respondo logo abaixo, caros leitores.

É bem possível que você também tenha passado por isso, um amigo ou conhecido que te disse: “Esse jogo é uma porcaria! Nem jogue!” E por isso acabou deixando de jogá-lo! Foi exatamente o que aconteceu comigo com DKC3. Meu ciclo de vida com SNES estava acabando e já queria comprar algum console da nova geração (confira minha história com o 3DO aqui!). Eu não era um garoto com uma situação financeira boa, e para conseguir qualquer console novo precisaria vender o antigo e rezar para meu pai colaborar com o restante do dinheiro. Por isso, antes de comprar um novo console eu ainda queria jogar algo legal no SNES e me despedir dele com as devidas alegrias. Nesse período foi lançado DKC3, o que para mim parecia ser algo épico, afinal DKC 1 e 2 foram espetaculares. Mas quando fui alugar esse game… ouvi a frase do meu amigo: “- Esse jogo é uma porcaria!!”.

Amigo Chato!E foi exatamente o que fiz, fiquei sem alugar e acabei não jogando na época. Muitos anos se passaram, para falar a verdade foram quase vinte anos. E eis que um dia, em um dos meus passeios pelo MercadoLivre, encontrei uma oferta maluca de DKC1 por um “preço de banana” e acabei comprando. Resolvi detonar esse game com os 101% dessa vez (sim, eu não fechei o game na primeira vez que o joguei anos atrás, porque era impossível passar todas as fases em um sábado e domingo apenas o alugando!), e foi muito bom fazer tudo e descobrir cada segredo do game. Depois disso, resolvi logo comprar DKC2 e detoná-lo com seus 102%, com todas as moedas DKs, final secreto e tudo mais. Foi outra alegria que somente games assim conseguem nos trazer. Bom, cheguei ao DKC3 que ganhei de presente, totalmente completinho, com caixa e manual. Lindo! Aquele comentário ainda ficava pairando na minha cabeça mesmo vinte anos depois, mas deixei isso de lado e resolvi seguir em frente. Comecei a jogar e tive uma mistura de raiva e alegria. Raiva por ter acreditado naquele comentário de que o jogo é uma porcaria e alegria por estar curtindo um jogo muito legal. Sim, ele tem seus “poréns”, mas isso vou comentar mais à frente. Agora venha comigo que vou te apresentar ou reapresentar DKC3 de SNES.

Logo após a derrota do King K. Rool em DKC2, Kong e Diddy decidiram comemorar a vitória com uma viagem de barco, com direito a bananas, pesca e diversão. Mas o tempo passa e eles não retornam para casa, ficando todos preocupados com o sumiço desses dois malucos. E é nesse momento que acontece algo na ilha Donkey Kong. Um robô misterioso chamado “Kaos” surge e coloca medo em todos… Mas quem está por trás disso? Ninguém menos que K. Rool novamente, afirmando que sequestrou Kong e Diddy, e vai tentar dominar a ilha mais uma vez. E agora? Quem será que vai salvar todos se Donkey Kong e Diddy Kong foram sequestrados? Entra em cena novamente a famosa Dixie Kong e o seu primo e novo personagem Kiddy Kong, que é um bebezão, mas tem muita força e agilidade. Juntos eles partem para o Norte, rumo ao “Arquipélago Kremisfério Norte” onde se encontra o robô Kaos e o famigerado K. Rool, para assim resgatar Donkey Kong e Diddy e salvar a todos.

Cartucho Japonês Retroplayers

Em DKC3 você sairá da ilha Donkey Kong em direção ao “Arquipélago Kremisfério Norte”. Enquanto em DKC1 o game era mais concentrado em selvas e cavernas e no DKC2 pirataria era o tema da maioria das fases, em DKC3 ficamos mais focados em indústrias, ficção e regiões típicas do hemisfério norte. Fora da ilha Donkey Kong nessa aventura, teremos muitas novidades! Uma delas é que logo no começo você vai encontrar o Funky Kong (aquele que te oferecia um avião nas primeiras versões), que irá te entregar um bote para navegar pelo mapa e, a cada dois mundos completados, você ganha um item que lhe permite evoluir o bote para uma espécie de lancha. Essas reformas no bote são essenciais, pois há partes nos mundos que só podem ser acessadas se esse meio de transporte for melhorado.

Mapa DKC3No Kremisfério Norte o jogador também vai encontrar os irmãos ursos. Existe um urso em cada parte do mundo, com os quais é possível trocar itens ou até mesmo comprá-los. Esses itens possibilitam o acesso a locais secretos no jogo e a descoberta de segredos que ajudam a salvar os “Pássaros bananas” e a “Mãe Pássaro Banana”, que estão secretamente escondidos por todo o jogo. Tudo isso possibilita fazer o final verdadeiro do jogo (existem três finais diferentes).

As moedas DK agora têm uma maior utilidade, pois recuperando todas elas você poderá conseguir com Funky Kong o último veículo, um tipo de “barco helicóptero” que irá te ajudar a alcançar áreas que sem esse meio de transporte são inacessíveis. As pequenas moedas de ouro do DKC2 agora são moedas de prata, que serão utilizadas para fazer algumas compras nas cabanas dos ursos e finalmente encontrar os barris bônus que estão escondidos em todas as fases (continuam no mesmo esquema de DKC2).  Caso você não os encontre, não chegará aos 100% e não verá o final verdadeiro também.

DixieSprite65.gif Dixie Kong – Dixie está de volta e desta vez não vai deixar barato terem sequestrado seu namorado Diddy.

KiddySprite65.png  Kiddy Kong – É o novo personagem e primo da Dixie, que vai ajudá-la nessa aventura. Com muita força e agilidade, é capaz fazer o K. Rool pensar duas vezes antes de atacar sua ilha.

Amigos:

BananaQueen65.png Rainha-Pássaro-Banana – A Rainha-Pássaro-Banana é um imenso Pássaro-Banana, toda colorida e é mãe dos Pássaros-Bananas. Em sua tática de dominação da ilha, K. Rool aprisionou-a em uma barreira com uma chave de cristal em sua nuvem. Os Pássaros-Bananas, filhos da rainha, também foram aprisionados e escondidos pelo vilão K. Rool para que eles não libertassem sua mãe. A missão do jogador é encontrá-los e reuni-los, libertando também a Rainha-Pássaro-Banana em seguida. Juntos eles irão se vingar de K. Rool derrotando-o, e isso levará ao final verdadeiro do game.

CrankyDKC365.png Crankly Kong – O velhinho Cranky Kong está de volta. Você irá desafiá-lo na barraca de joguinhos do Swanky Kong e, se ganhar dele, prepare-se para ouvir muita reclamação.

DiddyKongDKC365.pngDiddy Kong – Nosso amável Diddy Kong não está presente para se jogar com ele nessa versão. Ele foi sequestrado pelo K. Rool e está sendo usado dentro do robô “Kaos”.

DonkeyKongDKC365.png Donkey Kong – Assim como Diddy Kong, Donkey Kong está fora da aventura. Ele é outro que foi sequestrado e está sendo utilizado pelo terrível K. Rool.

FunkyDKC365.png  Funky Kong – Funky Kong é o amigo que vai te ajudar com os veículos nesse jogo. Você vai ter que achar certas partes dos veículos pelo mapa e entregar a ele para que possa montá-los.

SwankyDKC365.png Swanky Kong – Swanky é o cara da barraquinha de jogos. Se você vencer os desafios dele irá ganhar moedas e bananas, mas se perder… pode ir passando o dinheiro para ele.

WrinklyDKC365.pngWrinkly Kong – A vovó esperta Wrinkly Kong vai te ajudar sempre a salvar o game. Ele também toma conta dos Pássaros-Bananas e joga N64 enquanto você se aventura.

ElephantThingDonkeyKongCountryThreeDixieDoubleTrouble.png  Ellie  – Ellie é sua nova amiga, que vai substituir seu clássico amigo Rambi nesse jogo. Ellie não é tão forte como Rambi, mas ela pode sugar barris e atirá-los em direção aos inimigos. Também pode aspirar água de lagos e cachoeiras e atirar nos inimigos. Mas tem um grande ponto fraco: ela tem pavor de ratos e toda vez que os vê sai correndo.

EnguardeDKC.PNG Enguarde – Enguarde está de volta e novamente sendo capaz de derrotar os inimigos com seu nariz-espada.

Nibbla65.png Nibbla – Apesar de parecer ser um inimigo ele tem algumas características muito parecidas com as de um amigo. Na fase “Fish Food Frenzy’, Nibbla irá te acompanhar como um amigo e você deverá sempre alimentá-lo, servindo como banquete os seus inimigos. Caso contrário, ele irá te atacar e te devorar, então seja rápido e não o deixe com fome.

ParrotmanthingDonkeyKongCountryThree.png Parry – É seu novo amigo, mas não é possível jogar com ele. Parry ficará te acompanhando durante as fases para ajudar a pegar itens inacessíveis, e por muitas vezes – se chegar com ele até o final da fase – você será recompensado de algum modo (até barris-bônus você pode ganhar).

 Quawks Sprite.png Quawks – Quawks é um pássaro roxo que consegue carregar barris e soltá-los nos inimigos. Ele aparece somente em duas fases: Low-G Labirinto e Buzzer Barrage.

Squawkssprite65.png Squawks – Nosso amigo Squawks está de volta e jogando os clássicos ovos na cabeça de nossos inimigos.

Squittersprite65.png Squitter – Outro velho amigo dos nossos macacos está de volta. Squitter continua criando plataformas com suas teias para alcançar áreas inacessíveis e também irá atirá-las nos inimigos.

Essa foi uma parte que deixou bem a desejar em DKC3. A trilha sonora não ficou épica, mas vou comentar mais sobre isso logo abaixo na parte dos “poréns” do jogo. Já os efeitos sonoros continuam bons. Sons como os dos inimigos quando são atingidos, dos macacos, ao coletar bananas, ao coletar moedas e até o choro da Dixie e Kiddy quando são acertados pelos inimigos são tranquilos de ouvir (e você vai ouvir muito isso!). Mas a trilha sonora é outra história.

 CD do Donkey Kong Country 3 Lista de Música do CD de DKC3

barra6

Em DKC3 existe, sem dúvida, detalhes que o fazem inferior às suas versões anteriores, mas isso não quer dizer que ele é um jogo ruim e mereça o comentário de que é “uma porcaria”. Pelo contrário, é um ótimo jogo. Mas vamos a esses detalhes:

– Faltou uma trilha sonora épica no game. Apesar de ser novamente David Wise a trabalhar nela, faltou aquela música marcante no game. Como no caso de DKC1 com Aquatic Ambience ou em DKC2 com Stickerbrush Symphony. Talvez ele não estava muito inspirado nesse game e acabamos não tendo uma trilha épica.

– A Dixie e o Kiddy são personagens muito legais, mas não possuem o carisma do Diddy e do Donkey Kong. Até entendo o Donkey Kong não ter aparecido em DKC2, por ter sido sequestrado e assim não interagir na história, mas no DKC3 acredito que seria melhor se ele tivesse voltado. Muitas pessoas sentiram isso enquanto jogava esse terceiro jogo.

– Outro motivo para o “hype” de DKC3 ter caído bastante é que ele foi lançado dois meses depois do lançamento do N64. Naquele momento, todos estavam encantados com o N64 e games como Super Mario 64PilotWings e Wave Race. Apesar de muitos ainda terem o SNES, o impacto não foi expressivo. E você? Já tinha migrado para o N64 ou ainda estava com o SNES nessa época?

– E por último foi o fator dificuldade. Comparado às outras versões, essa é bem fácil. A dificuldade em certas fases chega a ser “very easy” e isso acaba deixando aquele gamer mais exigente frustrado, ainda mais quem jogou DKC1 e DKC2.

Fotos do DKC3

barra7

Se aquele meu amigo tivesse chegado e falado: – Esse game não é bom como o Donkey Kong Country 1 e 2 eu até entenderia, mas falar que ele é uma porcaria… é digno de merecer uma “BANANA”. Donkey Kong Country 3: Dixie Kong’s Double Trouble é um ótimo jogo. Vale a pena ser jogado! Cheio de aventura, diversão, jogabilidade e tudo que o SNES merecia para sua despedida. Ele tem alguns “poréns”como falei, mas nada que mereça ser classificado como “PORCARIA” ou um game “RUIM”. Se pudesse voltar no tempo e xingar aquele meu amigo, faria com certeza e jamais teria dado ouvidos a ele: “Manééééé!”. Obs.: Lembrando que ele foi lançado para Wii U há algum tempo, então você tem a oportunidade de relembrar dele nessa versão também.

Ant1 de 4Prox

DKC3 foi lançado no Brasil pela Playtronic e inclusive com comercial passando na TV. Confira!

Ant1 de 4Prox

Sobre Ivoornelas

"Amante de Mario Kart, retrogamer assumido, contador de histórias gamers e sonha ter uma lojinha de Games e Retrogames."
Adicionar a favoritos link permanente.
  • Mario

    Concordo em gênero, número e grau!!!
    Um ótimo e subestimado game!
    Trilha sonora realmente foi mediana!
    Dificuldade realmente mais ou menos, para os viciados em DKC1 e 2! Acho que sofri mais no 2!
    Tb tive o cartucho original, comprado a R$105,00 na locadora Rosa & Vídeo!
    Abraços!

    • Ivo

      Fala Mario! Valeu por comentar =)
      Sem dúvida é um ótimo e subestimado game! E sem dúvida eu sofri mais no 2 e ainda naquela fase que você joga com o Squawks e tem o vento sempre tentando te jogar para os espinhos.

      Você pagou R$ 105,00 no cartucho na época? Pagou barato hein! Era época de lançamento? Pagou mais barato que hoje! Que nego vendo a quase R$ 200,00.

    • Eric M. Souza

      Minha opinião é que o 2 é o mais difícil por ter dois macacos ágeis e pequenos, e pela Dixie planar. Assim, as fases podiam ir ao extremo de pedir momentos de grande agilidade para o Diddy e de pequenos voos para a Dixie. É o jogo de plataforma perfeito, sem dúvidas. O 3 poderia ser melhor com uma trilha sonora digna, a volta do Donkey ao lado da Dixie e um pouquinho mais de dificuldade. Creio que o som é infantil a pedido da própria Rare, a impressão é que o jogo todo é infantilizado.

  • Leandro alves

    pior que esse é o estigma que DKC3 carrega, “o pior jogo da série”. (esse título daria ao DKC 1…sinceramente) sendo que na época lançado, o pessoal estava de olho no N64 e o SNES já estava nos seus ultimos (o que na minha opinião e de muitos…o SNES ainda tinha fôlego pra mais 3 ou 4 anos) por isso talvez que quando fora lançado, não fora tão aclamado. esse DKC trouxe exploração do continente, onde se pode começar daonde quissese, veículos para explorar a ilha, uma mini quest para se achar os passaros banana entre outras novidades. a critica estava de má vontade com esse game, é o que penso.

    • Ivo

      Fala Leandro! Belezinha meu velho?

      Ele sempre vai carregar esses estigma de o pior jogo da série! Espero que esse REVIEW amenize isso! E tudo que disse e você disse aqui também é verdade! Todos já estavam olhando o N64 e já deixavam de lado o Super Nintendo, não pela capacidade e sim pela “euforia” de um novo console.

      Eu também acredito que ele tinha mais uns 2 ou 3 anos de vida pela frente e vou ser sincero com você…. ainda jogo Super Nintendo e isso a mais de 20 anos depois e tem muita coisa que não vi na época e estou jogando… e se fosse lançado hoje seria um grande jogo e ainda mais com essa série de games indies e retros sendo lançado hoje.

      Série que você achou Kiddy Kong carismático? Eu não curti ele não! Vou ser bem sincero com você! Mas bom saber disso… eles poderiam inovar colocando 3 personagens para jogar né?! Seria muito maneiro! Afinal, deve ter mais gente que curte o Kiddy que nem você.

      Eu achei DKC3 muito mais fácil que os demais! Os DKC 1 e DKC 2 tinha algo que era nivelado, você começa a jogar fases fáceis, vai passando e entra nas mais ou menos difíceis e logo depois as difíceis. Gosto muito de jogo assim! Ele vai te obrigando a progredir em habilidade com o tempo que joga.

      E joga DKC1 em locadora era triste mesmo e o mesmo para quem tinha o cartucho pirata e não podia salvar o progresso! Era MUITO TRISTE!

      Mas valeu pelo seu comentário Leandro! Grande Abraço e continue visitando o site e comentando!

  • Caramba o cara dizer que o jogo é uma porcaria é muita sacanagem, pode não ser tão bom quanto o DK2, mas certamente é um grande jogo. Pra mim a maior mancada foi não trazer o Donkey Kong, nada justifica colocar o bebezão no lugar, em compensação o game trouxe vários novos elementos e diversidade na jogabilidade e apesar de não ser tão desafiador, tem algumas fases que podem ser bem cabeludas também.
    Na época ganhei o cartucho e tenho ele guardadinho até hoje, assim como também tenho DK2, pena não estarem completos, na minha ignorância juvenil manual e caixa só serviam pra ir direto para lixeira 🙁

    • Ivo

      João do Caminhão! Sempre bom ver teus comentário aqui cara! E desde que não que não escrevia para o site… via seus comentários! Valeu mesmo! Pessoas como você que ainda fazem a gente escrever por aqui!

      Eu também fiquei com essa impressão de não ter trazido de volta do Donkey Kong deixou o jogo meio sem aquele “ar” de ser um jogo maneiro. E essa impressão fez as pessoas não perceberem essas inovações que vieram com o game e assim joga-lo… além do fator n64 que estava chegando.

      Foi uma grande época….. saudades dela!

      Legal saber que você tem ainda o DKC 2 e DKC3. Nem fala em jogar coisas fora! Na minha época juvenil…. também joguei um monte de coisas foras que me arrependendo até hoje!

      Se tiver oportunidade! Joga o DKC2 cara! Mesmo você ter jogado ele no passado… quando você jogar agora! Vai se surpreender como esse jogo tem tanta coisa boa e não lembrávamos mais de como era.

  • Rokuman Senpai

    Parabéns pelo Review, IVO!

    Cara, não acredito que você caiu na onda do “amigo” mesmo depois de ter se aventurado nos DKC’s 1 e 2… Que coisa Heim? Eu teria que ver com meus próprios olhos na época mesmo para acreditar em tamanha mentira.

    Sobre os poréns, estou totalmente de acordo contigo… A trilha sonora poderia ser melhor e eu também pensava em jogar com o Donkey no 3 (muito legal você ter comentado isso XD). E sobre a dificuldade, é muito fácil mesmo… Até a fase que inverte os controles, que acho a mais difícil, dá pra passar com pouca paciência XD

    Enorme abraço e parabéns novamente, parceiro!

    • Ivo

      Senpai! Feliz em te ver comentando aqui! Valeu muitooo pelo seu comentário!
      Não jogar esse game foi a mais pura ingenuidade de um pré adolescente daquela época! Mas ainda bem que me redimi e joguei ele todinho!

      Te garanto que se tivesse o Donkey Kong nesse game a história seria totalmente diferente. Quem sabe não saia algum Hack com isso? Seria maneiro!

      Verdade! A fase que inverte os controles! Tinha até me esquecido de comentar isso! No começo achei que seria impossível, mas foi bem fácil mesmo!

      Abração Senpai e queremos reviews seus em breve!

  • Muito bom o texto, Ivo! Como sempre, né? Só melhora a cada post! Achei bem completo!
    Com todo respeito, mas o seu amigo que falou que DKC3 é “uma porcaria” deve ser maluco, no mínimo… kkkkkkkkk
    Eu mesmo achava DKC bem esquisito na época, não me acostumava aos gráficos pré-renderizados e o caramba. Mas isso sempre foi paranóia minha e hj eu enxergo como besteira de seguista. Fora que é um grande pecado gamístico meu nunca ter jogado a franquia pra valer. Disso vc já sabia, né? hehehe
    Fica uma dúvida, já que o 3 é o “menos melhor” da série. Compensa começar pelo 3 e depois 1 e 2? Aí seria a sequência do “menos melhor” para o melhor, que todos dizem ser o 2. Tática louca essa? kkkk
    Ah, e tem a possibilidade de jogar no Wii U quem tem bala na agulha pra comprar coisas em dólar… até agora tô esperando cair pra 2 dolares (ou 68 reais) pra conseguir pegar e jogar no console… huahuahuauhahuauha
    Zueiras a parte, preciso jogar a trilogia e os jogos seguintes com certeza (menos o 64, credo).
    É isso, chega de tagarelar! Fui!

    • Ivo

      Fala Cadu! Obrigado pelo elogio! E ainda mais vindo de você!

      Sobre o meu “amigo” na época! Faz anos que não vejo a pessoa! Era aqueles “amigos” de locadora sabe?! Daquela galerinha que viva lá dentro e trocava assuntos sobre jogos e tudo mais. Mas com certeza ele era MALUCO e CHAPADO!

      Eu sei sim! E como sei que você não jogou DKC! Super pecado gamístico!
      Alias, você me levantou uma teoria aqui! Que tinha SNES jogava sempre algo de Mega, mas quem tinha Mega não jogava muito SNES não. Pelo menos as pessoas que conhecia aqui! É o mesmo caso aê?

      Se você for jogar a trilogia! EU aconselho você jogar nessa ordem!
      Muito legal seria! E não é tática louca não! Tem gente que faz isso nos 6 filmes do Star Wars não segue a ordem 4,5,6 e depois 1,2,3. Faz uma ordem 6,5,4 e depois 3,2,1 ou até outras ordens.

      Espera o dólar baixar! (Missão Impossível) e pegue sim! Vale cada centavo!
      E uma sinceridade para você >.< nunca joguei o 64 hahahahaha!)

      Abraços Cadu e valeu por comentar!

  • Adriel Muniz

    Embora eu já tivesse tido contato com os dois primeiros games da série por meio de locadoras ou amigos, DK 3 foi o primeiro DK que pude chamar de meu. Joguei por incontáveis vezes, fiz 105%, etc. Um jogo que joguei com vontade e me rendeu ótimas horas de diversão! O game realmente não é do nível do 1 e 2, porém, é muito subestimado.

    • Ivo

      Fala Adriel! Valeu por comentar!
      Muita gente conseguiu realmente teve seu próprio DKC na 3 mesmo! Me lembro que era absurdamente caro comprar o 1 e 2 e o 3 ficou acessível na época e muita gente acabou comprando. Não me lembro bem o porquê disso! Talvez a economia do país tinha melhorado….

      Eu não fiz 105% e muita gente disse que assim não fechei o jogo de verdade, mas na verdade o 105% é um código se você ver bem, né?! Mas vou fazer em breve! Só para deixar registrado isso!

      É um game subestimado mesmo! Mas quem tiver a oportunidade de se redimir sobre isso! Vale cada momento jogar ele hoje em dia.

      Grande Abraço Adriel e continue visitiando e comentando aqui no site.

  • Ivo, essa questão de dar ouvidos aos amigos na época era quase lei.A gente não tinha maturidade e deixava de lado mesmo um game se o colega detonasse ele.Isso já aconteceu comigo.Hoje sabemos que jogo é igual música, cada um sente a coisa de forma diferente, e o meu melhor RPG pode não ser o melhor para você, e por aí vai.
    Eu não sou daqueles que relativiza tudo, tem jogo bom e tem jogo ruim, sim, sob qualquer ótica e aspecto, mas aí dizer que o cara não vai curtir, é difícil.
    Por isso, na dúvida, eu falo como eu senti o jogo e sempre deixo aberta à experimentação do leitor para que ele, sozinho, possa decidir se tal jogo é bom ou não.

    Você acredita que nunca joguei o 3?E foi por preguiça mesmo,não por falta de tempo. 🙂
    Por isso gostei muito do seu texto sobre ele e acredito que esse ano ainda dou uma chance para DK3.

    • Ivo

      Perfeita sua definição ” que jogo é igual música, cada um sente a coisa de forma diferente ” e pouca gente entende isso.

      Eu até brinco aqui que o 3DO que tive foi uma bomba, mas ele tinha jogos que eram bons e muita gente discorda disso. .

      Escreve por essa ideia! De deixar aberto o leitor a experimentar esse game (se é bom ou não), relembrar essa época e matar a saudade.

      Jogue DKC3 e garanto que você vai ter uma boa diversão! Não é o melhor, mas sem dúvida é um game não pode passar batido para os fãs de Snes.

      • Boa ideia.
        E pode deixar, DK3 será jogado.É uma franquia incrível do SNES, não pode passar batido mesmo. 🙂
        Valeu Ivo!

  • Ricardo Roll Ricardo Senin

    O que eu realmente estranhei foi a falta de dificuldade,não é algo ruim,mas depois de jogar o 1 e o 2,eu já tava esperando pela mesma pegada no 3>mas como foi dito,nada que tire o mérito de ser um bom jogo,acho que o que mais me incomodou foi não poder jogar com o Dk.

    • Ivo

      De fato, não é um jogo ruim! Longe disso Ricardo! Mas realmente eu senti menos dificuldade em terminar esse game que os 1 e 2. Mas de fato ele tem seus méritos e não deve ser deixado de lado. Obrigado por comentar Ricardo e continue visitando o site e comentando! Grande Abraço.

  • rummenigge

    Muito gostoso ver uma matéria assim,com um tom mais intimista. Deus,quanta saudade dessa época. Bm,joguei o Dk3 assim que.foi lançado, na locadora da minha atual patroa(ê,coincidência) e discordo um pouco do depoimento dado na matéria. Dk3 é meu segundo preferido,sendo o 2 o melhor da trilogia e o 1 o menos querido(apesar de amado tmb). Acho a trilha do 3 incrível, apesar de não ter temas tão marcantes como os anteriores. Mesmo assim,possui músicas que combinam perfeitamente com a ambientação e que trazem saudade até hj.

    • Ivo

      Fico feliz que tenha gostado do review Rummenigge! São comentários assim que fazem a gente continuar escrever. Como disse no texto, deixe de lado esse game na época do lançamento e me arrependi, mas nada como voltar no tempo e jogar ele e ver como era bom. Você já é a segunda pessoa que vejo comentando que ele é melhor que primeiro e muito interessante saber disso. Quem sabe eu não lance um enquete para saber qual seria a ordem dos melhores DKC´s. Desconfiou que muita gente iria votar no 3, muito mais que imagino!

      Sua esposa era a dona da locadora? Hahahahaha! Que história inusitada! Muito legal isso! E garanto que conseguiu alugar umas fitas “grátis” por causa disso né?! Hahahahahaha!

      A trilha do 3 é legal, mas faltou “aquela” música inesquecível como aconteceu no 1 e 2… mas longe de ser ruim! E como você disse, ela combina muito com ambientação do jogo. Também tenho saudade dessa época!

      Grande abraço Rummenigge! Obrigado comentar e continue visitando o site!

  • Pingback: Review: Donkey Kong Country 3 – Tizil Games Tizil Games()

  • CODY

    Fala Ivo, legal o texto, bem completo e ilustrado. Eu gostei muito do DK 1 e os demais ja nao me passavem aquela sensação de novidade que tive em jogar o primeiro, principalmente por ter visto aquele grafico pela primeira vez. Sempre tem alguem que fala que algo nao presta e acabamos nos frustando anos mais tarde por nao ter seguido os nossos instintos ou gosto pessoal; Abraço;

    • Ivo

      Cody! Meu grande camarada! Sempre bom ver você comentando aqui! Obrigado pelos elogios! O DKC1 foi demais e fez meus olhos chorarem na época! Nunca esqueço daqueles gráficos para época! Mas vou te dizer que o DKC2 no qual não esperava nada me surpreendeu! Conseguiu tornar melhor o que já era bom!
      E como disse aqui o DKC3 é legalz! Mas não chega perto dos outros dois.

      Sempre tem! E sempre vai ter! Vejo isso até hoje com jogos dos consoles das gerações atuais! Mas nem vou citar exemplos aqui! Mas desde desse exemplo do DKC3 eu sempre jogo antes de seguir qualquer opinião.

      Valeu Cody! Continue visitando o site e comentando! Grande Abraço.

  • Matheus Henrique Soares Lima

    DKC 3 foi o primeiro que joguei, lembro que ele era o motivo de eu ir na casa da minha tia e acabou substituindo Super Mario World no meu coração.

    Ao contrário de muitos, eu julgo o DKC 1 o pior da triologia, o que eu penso ser ótimo, pois indica que a série evoluiu com o passar do tempo. O maior defeito de DKC 1 é o fato dos chefes serem extremamente fáceis, tirando o último, onde tanto o chefe quanto a música é foda, digasse de passagem, a melhor música da série.

    Só zerei o DKC 1, o 2 eu parei pois esqueci que o estava jogando ( só jogava no final de semana, e já que o joguei na época dos emuladores havia uma grande disponibilidade de jogos, o que me fazia ir jogar os meus jogos favoritos, deve ser por isso que nunca zerei nenhum final fantasy, enquanto zerei Castlevania Soth 8 vezes, RE1 7 vezes e por ai vai, em resumo: o jogo se perdia naquele amontoado de rooms, e os nomes que me chamavam atenção eram os meus favoritos ) e o 3 por eu não conseguir acessar o mundo 5, o maldito helicoptero não voava direito.

    Não pretendo rejoga-los tão cedo, o principal motivo disso é que o mercado indie já me supre quando desejo um jogo de plataforma. Se serve de consolo para DKC isso não é só com ele, mas com a maioria dos jogos antigos.

    Lamento por admitir a minha falta de interesse em jogar os classicos, mas pelo menos eu leio sobre eles, mas ter animo para joga-los e ficar irritado com sessões de plataformas malditas ….. já tenho essa irritação no presente com bloodrayne betrayal e Aritana e a pena da hapia, meu único consolo é que não preciso voltar no inicio de um mundo ou perder muito pregresso ao perder um certo número de vidas. Até hoje não me recuperei da antepenultima e da penultima fase de Aritana, mas mesmo assim fiquei decepcionado quando os produtores não anunciaram nenhum produto novo na BGS.

    • Ivo

      Você tem razão em dizer que o DK1 na parte dos chefes é muito fácil! Sinto isso até hoje depois de jogar o 1 e 2, mas indiscutivelmente ele são os prediletos e melhores da galera! Mas respeito MUITO que adoro o 3 também porque é um excelente game.

      Isso e jogar games indies a galera realmente tem suprido a demanda que tanta faltava em jogos estilo retro, mas não deixe ele de lado não Matheus, vale a pena jogar alguns clássicos e ver como eles nos divertem tanto… OK eu sei que alguns tiram nossas paciências igualmente como era a anos atrás, mas ainda sim vale a pena rir e chorar um pouco com esses games.

      Legal você estar jogando Aritana e quem sabe não saí um review aqui =))
      Valeu por comentar Matheus e continue visitando o site! Grande Abraço.

  • Rodolfo Teixeira

    Parabén. Review bacana.
    Tecnicamente DCK3 é o melhor da série, mas o primeiro jogo sempre será o meu favorito.

    • Ivo

      Rodolfo, belezinha?! Mas é bem em cima disso mesmo que acontece… tecnicamente ele é melhor, mas sempre o 1 ou 2 é que são os prediletos da galera. Valeu por comentar e continue visitando o site! Grande Abraço!

      • Rodolfo Teixeira

        Cara, temos que dar crédito à Rare/Nintendo, para eles seria muito mais fácil ter lançado sequências onde os personagens jogáveis continuassem sendo o DK e o Diddy Kong…
        Foram corajosos e o sucesso da franquia é incontestável.

        • Ivo

          Sim Rodolfo, temos que dar o crédito a essa coragem delas, mas na opinião de todos ou da grande maioria se o Donkey Kong e o Diddy Kong tivessem voltados o sucesso seria maior ainda. Eles são indiscutivelmente os mais carismáticos da série!

  • Rodolfo Teixeira

    Ivo, dixie kong e kid kong aparecem em mais algum jogo? Os direitos sobre estes personagens são da Rare?

    • Ivo

      Então Rodolfo, os personagens Dixie, Kiddy, Donkey Kong, Diddy são da Nintendo, mas já os vilões com o K. Rool e sua turma são da Rare. Por isso esses vilões não voltaram em versões como do Wii e WiiU (Rare é da M$). Uma pena mesmo, porque eles eram muitos legais =)

      • E complementando, sim, Dixie participou de uma penca de jogos pós DKC3, tipo Diddy Kong Racing, DK Jungle Beat, DK Barrel Blast, e agora ela está em Donkey Kong Country Tropical Freeze ^^
        Fora que tem troféu dela em tudo que é smash bros kkk

        • Ivo

          Tava confirmando a informação aqui, mas o Sabat já trouxe em primeira mão para você Rodolfo =) Saudade de Diddy Kong Racing! Bem lembrado!

  • Cherry Pie

    Fala Ivo, tudo bem?
    Desculpe a demora em comentar. A vida estava simplesmente “virada do avesso”, mas graças a Deus consegui uma folguinha por esses dias e resolvi aproveitar o dia pra “pagar as minhas dívidas”…kkkkkkk
    Cara, falando em “coisas do avesso”, minha jornada com a franquia de games dos primatas da Nintendo começou de trás pra frente, pois esse foi o primeiro DK que joguei na vida…
    Não peguei essa fase de críticas desse jogo… Todo mundo que jogava sempre costumava elogiar bastante, pelo menos por aqui nas redondezas. Tenho que aproveitar pra dizer que adoro a Dixie!!
    Só fui jogar os outros títulos muito tempo depois, e confessando que estranhei um pouco, especialmente o DK 2…
    Esse jogo pra mim é nostálgico do começo ao fim. Me faz lembrar de muitos momentos bons que passei na casa de amigos, primos e vizinhos…
    A única coisa ruim é aquela velha história… Sempre quando se joga algo na casa dos outros nunca conseguimos aproveitar a experiência por completo… daí o porquê de eu ainda ser um tanto inexperiente e acabar morrendo bastantes vezes quando encaro uma jogatina solo, afinal, não tive SNES em casa. Minha vida gamística de infância e pré-adolescência sempre pendeu pro lado ouriço da força…rsrs
    Mas enfim, amo este game – mesmo me “embananando” com ele em alguns pontos.
    Seu post ficou ótimo! Parabéns! Curti muito mesmo, de verdade!!
    Valeu mais uma vez pela indicação do link e desculpe novamente por ter demorado tanto pra passar por aqui… (Ossos do ofício, sabe como é…)
    Grande abraço!!
    =D

    • Ivo

      Olá Cherry =) Obrigado pelo comentário! E não se preocupe, assim como você estou em uma correria também todos os dias.

      Eu comecei com DK1 foi algo mágico! Era o tipo de jogo que reunia todos em conversar, mistérios, jogatinas, dicas, locadoras e tudo mais. Poucas vezes vi isso em videogames, por isso ele tem tanto meu carinho e também me lembrar bons momentos da minha vida.

      Posso te dizer que o ruim também foi jogar nas casa dos amigos! Todos eles foram na casa dos amigos porque não tinha o jogo e muito menos dinheiro para compra-lo naquela época.

      Ahhh! Não sabia que você era do lado do ouriço! hahahaha XD Eu sempre foi para o lado da Nintendo!

      Obrigado por comentar Cherry e espero mais textos seus aqui no Retroplayers hein! Grande Abraço.

  • Jonathan De Oliveira Valefuogo

    Sempre amei a primeira trilogia de Donkey Kong… Lembro que joguei primeiro o Donkey Kong Country 2: Diddy’s Kong Quest após ter visto fotos de um “meio detonado” em um revista (que não consegui seguir por ser muito novo kkkk) e ficado curioso e encantado com as fase nas colmeias cheias de mel rsrsrs… Só depois fui me aventurar no Donkey Kong Country 1, mas não me arrependo, pois por mais incrível que ele fosse o DKC2 era fantástico, sensacional e muuuuuuito mais difícil também rsrs… Concordo com o artigo que DKC3 foi divertido mas bem mediano se comparado aos seus antecessores e faltou sim uma trilha que fosse marcante como foi Aquatic Ambience de DKC1 e Stickerbrush Symphony de DKC2… Apesar que na minha opinião Forest Interlude em DKC2 também é épica.

    Parabéns pelo excelente artigo… Abraços a equipe!!!

    • Ivo

      Jonathan, muito obriado pelo seu comentário! Engraçado que você me lembrou algo que tinha esquecido complemamente em minhas memórias, essa foto das COLMÉIAS cheia de MEL! Nossa! Eu me lembro que também via essa fotos e ficava imensamente curioso! E sem dúvida o DK2 e DK1 foram absolutos perto do DK3, não que ele seja ruim, mas faltou algumas coisas. Aproveitando que você comentou as músicas, fica aqui uns vídeos com essas músicas remixadas, mas MUITO LINDAS de ouvir quando tiver a oportunidade: https://www.youtube.com/watch?v=M94-s_pEiGo
      Grande abraço e obrigado novamente pelo comentário Jonathan!