RetroReview: After Burner (Master System)


Desde criança eu sempre tive três paixões: video games, dinossauros e aviões. E em relação ao último citado, sempre fui maravilhado por belos caças americanos como o F-14, F-15, B-2, F-22, e o clássico soviético Mig-29. Desde que tenho meu primeiro computador, em meados do final da década de 90, eu sempre fui adepto dos simuladores de caças que eram vendidos aos montes em lojas de games e até em bancas de jornal. Mas os jogos de avião para mim começaram bem antes, lá no final da década de 80 e início de 90, com um jogo estilo arcade que me fascina até hoje, After Burner.

After Burner foi lançado em 1987 em formato de arcade. Era uma máquina tão estilosa que eu ainda sonho em um dia poder jogá-la, com manche e assento que se moviam conforme suas manobras. Logo após o grande sucesso que o jogo obteve nos fliperamas mundiais, o jogo acabou sendo portado para os consoles caseiros da época, e dentre eles, estava o Master System.

O nome do jogo se baseia na palavra afterburner , que significa pós combustão, e é uma técnica utilizada por pilotos para decolar de pistas e espaços pequenos, como porta aviões (que é o caso do jogo) já em alta velocidade. A bordo de um caça F-14, o objetivo do jogo é bastante simples: destrua tudo que aparecer a sua frente. O jogo não possui uma história, você começa o game em porta-aviões chamado SEGA Enterprise, e depois de um lindo “GET READY!” narrado, sua missão começa, e através de 18 estágios, você terá que enfrentar aviões, helicópteros e caças que chegam a tentar até mesmo ataques kamikazes contra você.

A jogabilidade é bem interessante. Numa perspectiva bem diferente dos shmups clássicos, o jogador tem uma visão traseira que cria uma tridimensionalidade que para mim era algo bem inovador para o Master.

Nota do Sabat, o invasor: o nome desse estilo de jogo é On Rail Shooter, uma subdivisão dos Shmups que engloba os games de tiro aéreo que possuem visão de trás da nave ou de dentro do cockpit, onde invariavelmente nos dirigimos para o fundo da tela. Maiores informações sobre o estilo estão presentes no Retro Especial Chuva de Tiros no Mega Drive!

O problema que se cria é que o controle básico do Master não ajuda muito, e eis que esse escritor só conseguiu chegar ao final do jogo com o controle manche que a Tec Toy lançou a parte.

A dificuldade do jogo também chama a atenção. Você tem três vidas, e para perdê-las, basta levar um tiro para cada uma delas! Sim amigos retroaventureiros, apenas um tiro e você é abatido. Tenho para mim uma teoria de que a dificuldade é por conta do jogo ser original dos arcades, ou seja, ele é feito para comer fichas e mais fichas, e no port para o console mantiveram a dificuldade. Divagações a parte, é um jogo complicado e que te ajuda muito pouco a chegar no final, mas como eu mesmo já provei, terminar After Burner não é algo impossível.

Graficamente este não é um jogo top de linha, principalmente se levarmos em conta que seu lançamento no Master System se deu bem longe do fim do ciclo de vida do console, mas mesmo assim é legal. O F-14 que pilotamos é bem feito, os inimigos tem uma boa variedade, e cada um possui uma nitidez bem interessante desde quando estão longe, no horizonte até quando estão praticamente em cima de nós. O que me incomoda é o hud do jogo (as informações que são mostradas na tela) que é muito básico, com um navegador muito simplesinho no canto alto direito da tela que não te ajuda em nada. Ele também não te mostra quantas vidas ainda restam ou sua pontuação atual, e para verificar isso, é preciso passar de fase.

Por falar nas fases do jogo, elas possuem dificuldade crescente e são compostas de cenários bem variados, desde o oceano até os campos de neve. Depois de alguns estágios você é reabastecido em pleno ar, e no meio do jogo existe um reabastecimento em terra.

Um dos pontos que mais me agrada em After Burner é a trilha sonora, mesmo apesar das músicas durarem ininterruptamente até a próxima faixa estourar na caixa de som. Um ponto em que me agradou muito e me fez lembrar de quando era pequeno e jogava muito esse jogo é a fala do início do jogo, o famoso “get ready!”. A qualidade daquele som para o 8 bits da SEGA é muito bom!

After Burner é um clássico dos arcades. Sua versão de Master System é difícil, requer habilidade mas não é o tipo de jogo que vai te fazer lançar o controle contra a parede mais próxima. Com gráficos simples e músicas contagiantes que interagem muito bem com a ação do jogo, o título mostra que podem-se passar 10, 15 ou 20 anos que esse jogo não envelhecerá, ele consegue fazer você ficar vidrado na televisão. E quanto ao final desse jogo? Bom, sobre isso não irei falar nada! Que vocês retroaventureiros desbravem esse jogo por conta própria e sintam a sensação de dever cumprido no final.

Fim


Adicionar a favoritos link permanente.
  • pense num jogo difícil, não zerei até hoje.

  • Se você terminou esse jogo Trooper PARABÉNS!!!!!
    Pois essa é uma frustração que Eu vou levar pra cova hehehehehe
    E o do Mega Drive você terminou? esse Eu cheguei perto

  • Guest

    Era difícil na época – continua sendo difícil até hj.

  • Esse jogo continua bonito até hoje!

  • Esse jogo era daqueles que dava orgulho de ter um Master System! Tudo bem que a animação não fluia muito bem, mas ouvir a voz Get Ready, a trilha sonora e o desafio compensavam. No som FM então a trilha sonora fica ainda melhor!
    Abraços

  • edu

    joguei muito no center norte este jogo, com o mnche e o assento que se movia, ms nunc consegui ir muito pr frente nesse jogo, no maximo conseguia fazer um reabastecimento. no master joguei pouco, acho que deve ser por trauma do fliperama mesmo,

  • O QUE? VC JÁ TERMINOU AFTER BURNER?

    Estou impressionado… de verdade!

    Esse jogo é impossível, interminável, inacreditavelmente difícil… eu já passei muito nervoso com ele, me atrapalho o tempo todo.

    Lembro que tinha uma dica meio maluca que não sei quantas fases do jogo vc conseguia passar só ficando num canto da tela, mas não lembro como isso funcionava.

    E o engraçado é que ele me lembra muito Space Harrier, até pelo “Get Ready!”. Mais engraçado ainda é o segundo jogo ser um dos meus favoritos e o After Burner me afastar um pouco de rejogá-lo. Mas ainda vou encarar este desafio, vou colocar na interminável lista de jogos a terminar (quase paradoxal)! huahuauhauh

    Belo post, Trooper.
    PS: “Nota do Sabat, o invasor”

    Fiquei rindo igual idiota disso… kkkkkkkkkkkkkk

    • Essa de ficar num canto da tela se não me engano era pro Thunder Blade Caduco.
      Um macete que tinha pro After Burner era aquele de continue infinito, onde tu tinha que apertar o botão de pause 100 vezes na tela de apresentação, que por sinal Eu nunca consegui fazer funcionar hehehehe

      • Hmmm… acho que era isso mesmo, o macete era do Thunder Blade! Acabei me enganando, valeu pela correção! 🙂
        O truque do After Burner eu também nunca consegui, não me lembrava dele também! hehehe!

  • A versão de Master deste clássico é uma das melhores. Acho que nem mesmo a de Mega ficou tão interessante. Mas, em todo caso, eita jogo difícil. Não tinha precisão com ele, era ruim de controlar…Eu era ruim nesse game. Ainda sou!

  • Retro_Trooper

    Pois é amiguinhos. Consegui terminar o jogo no console, mas como eu disse, só consegui a façanha com esse controle de asa que postei na matéria. Mas o controle melhor que esse é o manche, fica muito melhor pilotar. Posso dizer que tive que reiniciar diversas vezes com o game over, e a pior situação foi quando o game over veio no estágio 18.

    Para quem não sabe, existe outra tela no meio do jogo, em que o avião pousa numa base militar e depois decola de novo. Quanto ao final dele, bem, tentem descobrir. XD

  • Rapaz, ler este texto me fez querer jogar este game de novo. Na verdade eu tenho o 2, relançado para o Saturn na série “Sega Ages”. Pois bem, tirei meu Saturn da caixa, liguei na TV e fui à guerra. Eu não lembrava da dificuldade do game, só lembrava que queria jogar o controle na parede – coisa que eu quase fiz muitas vezes…

    Bem, foram 3 noites na frente da TV até terminar o game, uma proeza para mim, que sou acostumado a fugir de games que me estressam. Eu não sei se o game é mais fácil do que o primeiro, mas sei que foi muito irritante morrer dezenas de vezes seguidas levando um único tiro, caindo, levantando voo e levando outro tiro sem fazer nada. Mas como diz o carinha lá dos filmes, “missão dada é missão cumprida!”

    Mas sabe quando vou jogar este game novamente? NUNCA!!!!

  • Esse Jogo era muito bom, eu alugava ele quase toda semana em uma locadora de games q tinha perto da minha casa, Passei tardes inteiras jogando esse jogo, mas nunca consegui zerar.

  • florencio

     After Burner Tem uma máquina desta no Carrefour Vila Rio de Janeiro em Guarulhos ,SP.Sempre que vou no mercado entro lá e me divirto..e olha tenho 58 anos é muito legal

  • Daniel Master

    Dificil pra mim eh o choplifter.. O rtype tambem eh de respeito..

  • Daniel Master

    Estes dias eu estava no mercado livre e comprei uns produtos e uma fita do alien3 do master system. Quando cheguei em casa e fui ligar a fita… After Burner! Aquele som eh muito nostalgico.. Joguei ainda semana passada.. mas morri logo.. Vou me puxar na proxima