No Tempo em que eu tinha Tempo


Quando foi que o tempo começou a correr tão rápido, hein!? Sério, o que aconteceu com o tempo de sobra que tínhamos quando crianças? Tem algo errado e acho que a culpa é dos milhares de carros andando no mesmo sentido durante os engarrafamentos de verão. “Acho” não, eu tenho certeza! Pense comigo: para um carro sair do lugar ele precisa “empurrar a terra” e assim iniciar seu movimento. Acredito que ao empurrarem o asfalto, todos os carros em sincronia, conseguiram acelerar a rotação da Terra, pois são muitos carros enfileirados forçando seus pneus usando somente a 1° marcha e o risco de isto acontecer é muito grande. Sem contar os caminhões! Como não previram isso antes!? Agora temos um dia de 24 horas que já não é mais o suficiente e, como prova disso, meu relógio continua atrasando a cada ano depois da temporada de verão. Sinceramente um dia de 24 horas na minha infância demorava um dia inteiro pra passar, enquanto hoje ele já começa atrasado e quando eu penso em “aproveitar o meu dia” já está na hora de deitar para dormir. O pior é que, enquanto eu recebo o titulo de “Tio” de jovens que nem são meus sobrinhos, os meus sobrinhos já nem me chamam mais de Tio. Na verdade eles não me chamam é pra mais nada! Eu era tão influente, tão engraçado (deixa eu me valorizar aqui), fazia mágicas enquanto sacrificava minhas costas que hoje fazem magia negra comigo quando eu tento levantar do chão em que sentei pra brincar sozinho. Isso é até normal, menos a parte da dor nas costas de acordo com meu médico, mas o que eu sinto falta mesmo é do tempo que eu tinha tempo e do tempo em que o tempo valia o tempo certo.

É tempo de Pensar

Quanto custa a sua hora? Não, eu não vou te pagar o tempo que você gasta lendo esse artigo. Vamos deixar isso bem claro, ok? Certo. Continuando: Quanto custa a sua hora? Esse valor é muito significativo e pode muito bem ser medido em R$. Pelo menos é assim que as empresas fazem com nossos salários, normalmente pagando por hora ou por qualquer outro tipo de período como dia, semana ou mês. Você recebe pelo tempo da sua vida gasto com a empresa, porém, mesmo que você tenha dinheiro suficiente para comprar seu tempo de volta, você nunca mais recuperará esse tempo negociado. Isso às vezes me deixa perturbado, pois sei que essas horas farão falta no futuro. Infelizmente precisamos trabalhar e isso é culpa do capitalismo. É sempre bom colocar a culpa no capitalismo. É um jeito fácil de encontrar um culpado, sempre funciona e me ajuda a dormir melhor à noite. Já pensou que droga seria se eu tivesse que admitir que a culpa por não ter tido tempo pra nada é só minha, do meu orgulho, do meu desejo de ter tudo do bom e do melhor!? É melhor botar a culpa no capitalismo mesmo. Agora que você relembrou a sua maldição de estar alugando horas para sua empresa, vamos deixar a culpa com o capitalismo e pensar um pouco mais sobre a qualidade do seu tempo gasto.

O tempo só vale a pena quando ele é gasto, mesmo que seja dormindo. Alias muito do seu tempo de vida você passa dormindo, apesar de ser uma necessidade do corpo, evite dormir demais. Evite mesmo, pois as mentes mais criativas do mundo passavam muito pouco tempo dormindo. Não que você se tornará uma mente brilhante se dormir pouco, mesmo assim passe menos tempo dormindo para ter mais tempo acordado. É acordado que você fará seu tempo gasto valer a pena. Quanto tempo você gasta pensando no que vai fazer no final de semana? Quanto tempo você gasta inventando desculpas para erros que pensa ter cometido, mas que ainda não foram descobertos? Perdemos muito tempo divagando em coisas sem sentido. Por isso eu dou muito valor ao improviso. O improviso deveria custar muito caro, pois ele valoriza o tempo de uma forma muito além da lógica. É improvisando que você se livra daquele seu amigo chato que quer novamente falar de como o cachorro dele “é genial e nem se parece com um cachorro”. Você não gastou tempo criando uma rota de fuga pra se livrar dessa mala sem alça. É o improviso valorizando seu tempo! E quanto mais você improvisa, mais você se torna apto a continuar improvisando com maestria. Então meu conselho é: Improvise sempre que possível e evite ser escritor, pois um escritor gasta 4 horas para escrever um texto que você gasta apenas 7 minutos para ler. (e assim eu diminuo a concorrência e serão menos escritores no mundo, afinal eu tenho que me valorizar).

Tempo gasto jogando

Agora que eu te convenci a não ser um escritor e não corro mais o risco de ser substituído no Retroplayers, vamos falar do tempo gasto jogando. Será que realmente compensa gastarmos nossas valiosas horas em frente ao Vídeo Game? Se você está aqui lendo esse artigo eu posso presumir que sua resposta é sim! (sei que você não respondeu nada, mas eu gosto de pensar que meus artigos são totalmente interativos…) Acredito que além de ser uma válvula de escape, uma saída do tempo estressante que passamos trabalhando, jogar Vídeo Games pode ser considerado uma atividade saudável. Talvez não tão saudável quanto ir à academia, mas certamente muito saudável para o seu bem estar mental. Quando você ficar velho, seu corpo vai enferrujar, mas sua mente pode continuar afiada por muito mais tempo, pelos menos é essa a desculpa que eu uso para manter a barriga saliente e continuar jogando.

Vídeo Games nos ajudam a pensar diferente, enquanto desenvolvemos habilidades essenciais para o dia a dia. Concentração, resolução de problemas, persistência, interpretação de texto, um inglês básico e improviso. Olha o improviso aqui de novo! São muitas as vantagens quando gastamos saudavelmente nosso tempo jogando Vídeo Game. Selecionar esse tempo gasto é tão importante quanto o tipo de jogo a ser jogado. Na medida certa o tempo gasto jogando pode ser o mais proveitoso do seu dia. Jogue regularmente para manter a mente ativa, para manter os reflexos afiados e para manter a barriguinha saliente.

Valor da sua hora + Vídeo Game = Locadora de Vídeo Game

Eu não consegui evitar, precisava falar das locadoras. Eu gastei muitas horas em locadoras, seja jogando ou escolhendo jogos para alugar, eram os locais mais indicados para se obter conhecimento sobre Vídeo Games. No tempo em que eu tinha tempo eu não tinha muito dinheiro. Na verdade eu não tinha nenhum dinheiro e tudo o que eu gastava vinha de uma fonte inesgotável de dinheiro, estilo caixa forte do Tio Patinhas: a carteira do meu pai. Meu pai não era rico, mas criança não consegue entender isso. Eu só via dinheiro saindo daquela carteira e pra mim era ali que nascia o dinheiro. Gastava minhas horas de vida, gastava o dinheiro do meu pai, gastava meus dedos, gastava meus neurônios. Tive meu primeiro contato com o poderoso Mega Drive em uma locadora de Vídeo Games. Foi ali também que passei uma das situações mais vergonhosas da minha infância que contarei agora:

Eu tinha dinheiro, eu tinha o mundo em minhas mãos, uma criança poderosa e decidida entrando em uma locadora com uma moeda brincando entre os dedos. Ele me encarava, claramente me desafiando, esse Mega Drive era orgulhoso e poderoso. Enquanto eu esperava para jogar, um primo meu estava se divertindo jogando Road Rash 2. Era a coisa mais linda que eu já tinha visto na vida. Ele lutava para se manter no meio da pista enquanto trocava socos e pontapés com os outros motoqueiros. Sensacional! Mesmo assim não me convenceu a jogá-lo. Foi outro jogo, exposto na prateleira que saltou diante dos meus olhos. Street of Rage 2 seria meu primeiro jogo no Mega Drive e também seria meu primeiro contato com esse estilo de game. Assim que o tempo do meu primo terminou e ele parou de jogar, eu me apossei da cadeira com um sorriso maroto escapando em meu rosto. Estava chegando a hora de por as mãos naquela maravilha tecnológica, era um salto comparado ao Nes ou ao Master System. Como era novidade na locadora, muita gente ficava em volta observando e fazendo comentários positivos sobre os jogos jogados. Assim que o jogo iniciou, eu mentalmente me isolei, fiquei sozinho na locadora, era só eu e ele. Escolhi meu personagem, Skate, e escutando uma música incrivelmente inesquecível, eu iniciei minha aventura. Era soco pra todo lado e muitas mortes seguidas. Apertando loucamente o botão “A” embalado pela trilha sonora eu ouvia os gritos do Skate que pra mim eram um alto e claro: óh ih ih! Mesmo batendo muito eu sempre morria, nem mesmo os cascudos ajudavam muito. Estava me frustrando a cada golpe e cheguei a pensar que o tal do Skate era um fracote que não aguentava um soco. Foi nesse momento, após alguns continues, que o dono da locadora encostou para falar comigo. Ele me deu um conselho ao pé do ouvido que marcou para sempre minha vida gamer. Ele disse:

“Olha, não aperta muito o botão “A” pois ele gasta muita energia.

Comékié!? Meu mundo caiu! Mesmo meu pai, que tinha uma fonte inesgotável de dinheiro, não ficaria nada feliz em ter que pagar toda a energia que eu havia gasto até ali! Em minha cabeça de criança, a energia não poderia ser outra se não a energia elétrica da locadora. Caramba! Eu travei. Meus dedos suaram e eu apertava cuidadosamente o botão “B” rezando para meu tempo acabar logo enquanto eu evitava com todas as minhas forças apertar o botão “A”.

corkscrew kicks

Por isso que eu digo que o tempo mudou de duração. Eram apenas 30min de jogo que eu tinha deixado pago, mas eles não passavam. Era 30min mesmo! Não os 30min de hoje que passam rapidinho. Que sufoco!

Hoje em dia eu não tenho mais esse problema com locadoras, hoje eu sei que meu pai não é e não era rico, sei que a energia nem sempre é elétrica e sei também que tudo é relativo, inclusive o fator tempo. São coisas que só os games poderiam me apresentar. Meu tempo gasto até aqui tem uma ótima qualidade, a vida é muito boa se soubermos separar as prioridades e, principalmente, reservando tempo para nos divertirmos. Tudo está passando muito rápido, chega a ser assustador e temo que a cada temporada de verão a situação piore. Malditos engarrafamentos!

E você? Como você gasta seu tempo livre? Compartilhe conosco sua experiência de vida e conte-nos uma situação engraçada com games que você tenha vivido. Até mais! Já estou atrasado de novo.

Comentem!


Sobre Visio

Um dia você acorda e se assusta com o reflexo no espelho. Percebe que o tempo e a força da gravidade diariamente trabalharam com tanta força e gravidade que talvez não haja mais tempo. Foi assim que a vida passou e enquanto ela passava, estando ocupada demais em me manter vivo, eu simplesmente vivia. Foi vivendo que escolhi gastar muitas horas jogando. Jogando eu refleti sobre a vida e, enfim, me tornei o que sou: Vivo
Adicionar a favoritos link permanente.