RetroEspecial: Você “NES”cessita lembrar dele?!


Estou de volta, pessoal do Retroplayers! E desta vez eu vou falar de algo que com certeza “mexe” com você que adora games e videogames antigos. Vou dar algumas dicas: ele é considerado por muitos como um videogame cult, divisor de águas, o melhor de todos os tempos, o verdadeiro cálice sagrado dos colecionadores e amantes de videogames antigos. Você já deve saber do que estou falando, não?! Sim, Nintendo 8 Bits, mais conhecido como Nes ou Nintendinho (como vou chamar ele carinhosamente no texto) aqui no Brasil. Agora você vai me perguntar, mas por que você resolveu falar sobre o Nintendinho? Minha história com ele é repleta de partes boas e outras ruins, mas que resultaram em um final feliz. Então resolvi compartilhar com todos vocês essa história e ainda vou relatar mais detalhes curiosos sobre esse console aqui em nosso RetroEspecial – Você “NES”cessita lembrar dele?!. Então se segure na cadeira e compartilhe comigo esse momento do nosso saudoso Nintendinho.

O meu primeiro contato com o Nintendinho não foi dos melhores e explico o motivo. Muitos visitantes aqui do Retroplayers devem ter irmãos mais velhos, certo? E com certeza eles devem ter tido videogames antes de você, certo? E com certeza eles não deixavam você jogar, certo? Esse foi o meu caso. Em um belo dia, meus pais receberam em casa um vendedor que trazia tranqueiras do Paraguai (você deve ter recebido também). Era uma época em que produtos do Paraguai estavam na moda em lojas, camelôs, e também tinha os amigos-camelôs, parentes-camelôs e cia. Eles viajavam para o Paraguai, traziam de tudo e saíam vendendo por preços abaixo da média por aqui. Esse vendedor que apareceu em casa trouxe um Nintendinho novinho em folha. Eu ainda não tinha contato muito frequente com videogames, só jogava Atari de vez em quando. Para minha infelicidade (senão eu o teria até hoje) o meu irmão mais velho pediu o Nintendinho de presente para meus pais e acabou ganhando, ou seja, era só dele!

Quando meu irmão o ligou pela primeira vez, meus olhos brilharam. Ele logo colocou um joguinho de pistola que até hoje não consigo lembrar o nome. Consistia em discos que eram arremessados e você tinha que atirar neles, era um jogo super divertido. O auge foi quando ele descobriu uma locadora de games (Eletrônica Locadora era o nome dela!) perto de casa e alugou Tartarugas Ninjas 2 (eu adorava o desenho das Tartarugas, mas não sabia que existia o jogo), me lembro disso como fosse hoje. Era um jogo de dois jogadores e lá estava eu pronto para ficar ao lado dele e jogar, mas a história começa a ficar triste nesse momento, pessoal. Meu irmão não me deixou jogar porque ele tinha alugado o jogo com um amigo (aquele amigo-mala que não saía do lado dele). Fiquei três horas sentado do lado deles e ninguém largava o controle para me deixar jogar.

Acabei desistindo e esperei eles desligarem o console para tentar jogar quando não estivessem por perto. No dia seguinte, bem de manhã eu acordei antes do meu irmão e liguei o Nintendinho para jogar. Foi um deleite para meus olhos, comecei a detonar Tartarugas Ninjas 2 quando de repente… ele acordou e falou que seu amigo estava chegando e iriam jogar. Foi assim por bastante tempo, pessoal, foram raras as chances que tive a oportunidade de jogar Nintendinho e sempre quando estava pronto para jogar aparecia ele e seu amigo-mala. Depois de um tempo (ainda sem conseguir jogar direito) ele resolveu vendê-lo para comprar uma prancha de surf, porque ele adorava surfar e isso já demonstrava que não ficaria muito tempo interessado em games.

Antes que digam que meu irmão foi um vilão (estilo Bison do Street Fighter), nesse tempo em que ele tentou vender o console (período de quase seis meses), ele deixou o Nintendinho ao meu total dispor para jogar (mas se eu quebrasse iria apanhar, claro!). Até que ele conseguiu vender e assim comprar a tal prancha (ele é o Bison mesmo!). Nesse período acabei jogando bastante, conheci Bart Vs Space Mutants, Double Dragon, Mario Bros… era jogo que não acabava mais!

Mas existiu um jogo que ficou marcado na minha mente e que fez com que eu nunca me esquecesse do Nintendinho (mesmo tendo um Master System só meu). Tente adivinhar qual é esse jogo. Aqui vão algumas dicas: é um dos jogos mais difíceis de todos os tempos; os protagonistas são irmãos (que coisa, né…irmãos!); tem uma música de abertura memorável; os personagens são fortes e descem a porrada geral; não são humanos e nem tartarugas; tem uma vilã totalmente insana. Já descobriram?

Claro que vocês já descobriram. Estou falando de Battletoads! Foi esse jogo que ficou na minha memória por ser impossível de terminar e ser o assunto de várias conversas de amigos que diziam tê-lo terminado. Dizer que fechou Battletoads era como dizer que você era o maioral da turma, o ídolo das garotas do colégio, o aluno mais inteligente da sala, o atacante goleador do seu time de futebol escolar… Enfim, um verdadeiro mestre ninja dos consoles. E eu ouvi tanto isso naquela época que por várias vezes cheguei a acreditar que alguém tinha realmente terminado esse jogo, mas depois de alugá-lo umas vinte vezes e nunca conseguir fechá-lo, tive a certeza de que tudo era mentira e ninguém jamais teria terminado, a não ser o pessoal das revistas especializadas.

Resumindo, eu não consegui fechar Battletoads e teria tentado mais, mas como já disse anteriormente, o meu irmão vendeu o Nintendinho. Muitos e muitos anos se passaram… até eu conhecer alguns malucos de um site chamado Retroplayers (esse aqui mesmo!). Para quem não sabe, conheci o Retroplayers através do Battletoads, quando esses malucos aqui resolveram fazer um vídeo detonando o jogo de cabo a rabo. E admito que analisei o vídeo várias vezes para saber se existia algum truque de photoshop, videomaker, ilusão de ótica, mas no fim cheguei à conclusão de que realmente eles fecharam esse jogo. Preciso dizer que fiquei revoltado?! Como alguém teria fechado esse jogo sem truques, dicas e cia? Como alguém poderia estar rindo e se divertindo fechando Battletoads como eles? Prometi para mim mesmo que iria comprar um Nintendinho e fechar Battletoads sem ajuda de Save State ou Emuladores. Brincadeiras à parte, depois desse vídeo eu entrei em contato com o Sabat e estou aqui escrevendo sempre para o site. Apesar de ainda ter raiva deles por esse vídeo… brincadeira! Aproveitando, quem quiser conferir esse SuperReview de Battletoads é só clicar aqui e no vídeo logo abaixo.

Sempre tentei comprar um Nintendinho, mas todos aqui sabem como é difícil consegui-lo nos dias de hoje, seja pelo preço, seja pela dificuldade de encontrá-lo à venda, funcionando e em bom estado. É um dos itens mais difíceis de conseguir entre os colecionadores de consoles. Você irá encontrar várias versões paralelas, mas o original (NES) é o mais difícil de encontrar e quando você encontra, o preço é absurdo. Fiquei muito tempo atrás dele, mas eis que surge uma alma maravilhosa e me presenteia um Nintendinho de aniversário (há duas semanas). Nem preciso dizer que eu quase tive um treco quando abri a caixa. Tudo bem pessoal, eu tenho meus 31 anos, mas ainda dou sorrisos iguais aos que dava com dez anos de idade quando vejo videogames, afinal é uma das minhas paixões.

E como diria René Descartes (se tiver oportunidade leia algo dele):

Os homens que se emocionam com as paixões

são capazes de ter mais doçura na vida.”

Um agradecimento eterno para essa pessoa. E pode ter certeza que minha missão em fechar Battletoads vai ser dedicada a você (sem ciúmes, hein pessoal do Retroplayers). E vou fechar esse jogo e caso não consiga, vou fazer um vídeo bebendo um copo de suco de tomate horrível que comprei na liberdade outro dia (é uma das coisas mais horríveis que já bebi!). Então é essa a minha história com o Nintendinho, mas o texto ainda não acabou. Resolvi falar da própria história dele também, afinal ele é um dos grandes responsáveis pela revitalização da indústria de videogames como irei descrever abaixo. Ps: E o primeiro que vier falando que fechou Battletoads naquela época eu vou descer o taco de baseball em cima.

Para quem não sabe, no ano de 1984 os videogames entraram em uma crise gigantesca. As empresas passaram por vários problemas financeiros, os jogos não atraíam mais consumidores, o Atari já não era novidade, empresas de jogos começaram a falir e os computadores estavam dominando o mercado e isso tudo quase colocou um fim nos videogames.

Naquela época, apenas duas empresas ainda investiam no mercado de videogames. A INTV, que é a dona dos direitos da Intellivision e uma empresa japonesa até então “desconhecida” chamada Nintendo. Inicialmente a Nintendo produzia baralhos de jogos, mini games e cia. No início dos anos 80 ela entrou no mercado de videogames lançando o Famicon (o Nes Japonês). O impacto foi devastador. No Japão foram vendidos nada menos que 2,5 milhões de consoles até 1984. Jogos como Mario Bros esgotavam nas lojas rapidamente e tudo começou a mudar no mercado de videogames. Ciente do sucesso no Japão e ignorando o mercado fraco de videogames na época, em 1985 a Nintendo resolveu lançar seu videogame nos Estados Unidos.

Muitos acham que o Nintedinho foi lançado facilmente nos Estados Unidos, mas foi o contrário. Com a queda no mercado, todos os americanos e varejistas estavam com receio de comprar videogames, mas a Nintendo estava ciente disso e resolveu utilizar uma tática alternativa. Primeiramente ela mudou o nome do videogame de Famicom para Nintendo Entertainment System. E resolveu anunciá-lo como um aparelho doméstico, estilo videocassete ou computador (percebeu a semelhança de tática no mercado igual ao WII e WIIU?). E ainda assim ela se colocou disposta a recolher todos os Nintendinhos caso não fossem vendidos, ganhando assim um voto de confiança dos varejistas desconfiados.

Em fevereiro de 86 o console foi lançado e o sucesso foi estrondoso. O impacto no mercado foi imediato, alavancando todo o seguimento envolvendo videogames. Junto com grandes clássicos como Mario e Zelda, ela estabeleceu o domínio mundial no ramo e abriu as portas novamente para as produtoras começaram a produzir jogos.

No total, a Nintendo lançou o console em quatro pacotes distintos, o Deluxe Set, o Control Deck, o Action Set e o  Power Set, mas  de início, só os dois primeiros estavam disponíveis. O Deluxe custava U$ 199.99, e vinha com com aquele robozinho chamado ROB, dois controles, a pistola LightGun, Gyromite (joguinho para o ROB) e um cartucho que vinha Duck Hunt e Super Mario Bros. O Control Deck era versão era mais barata e vinha em duas configurações:  uma de U$99.99 que vinha com dois controles e o jogo do bigode, e outra de U$89.99 que não vinha com jogo nenhum. A versão que meu irmão ganhou foi a Action Set, que originalmente foi lançada em 1988, custava U$149.99 e vinha com 2 controles, um jogo de tiro + Mario, e a pistola.  Se alguém ai comprou essa versão que vinha com o robozinho, não deixe de comentar, pois era raridade!

A popularidade da Nintendo se estabeleceu por todo o planeta e claro, para alegria de todos brasileiros apaixonados por games, no Brasil também, onde pudemos ter contato com o videogame em locadoras, lojas, revistas, TV, reportagens etc. E assim iniciou-se a nova era dos videogames no Brasil. O Nintendinho vendeu mais de 62 milhões de unidades e mais de 500 milhões de jogos pelo mundo, tornando-se um dos videogames mais vendidos da história.

Já na década de 1990 a Nintendo começou a sentir-se ameaçada pelo lançamento dos consoles de 16 Bits como TurboGrafx-16 e o Sega Genesis. O Nintendinho já sofria devido à idade e novas tecnologias aparecendo no mercado. Com isso, em 1991 a Nintendo anunciava seu sucessor que iria se chamar Super Famicon (Super Nintendo nos EUA ou SNES). Como um último suspiro a Nintendo lançou o NES 2. Era uma versão menor e mais barata, mas não fez muito sucesso por causa do lançamento do SNES. A diferença de preço era de apenas $10. Então, entre escolher um videogame novo de 16 bits e um antigo de 8 bits por apenas $10 de diferença, é óbvio que você iria escolher o novo.

E assim o ciclo do Nintendinho tinha acabado.

Outro fator que ajudou muito o Nintendinho foi seus jogos. Se você pensar bem, irá perceber que grandes franquias que duram até hoje começaram ou se popularizaram pelo Nintendinho: Super Mario, Zelda, Ninja Gaiden, Final Fantasy, Castlevania, Metal gear e cia. O Nintendinho possui uma biblioteca enorme de jogos (e também uma biblioteca gigante de jogos piratas).

A Nintendo mantinha uma política rígida em relação ao Nintendinho (algo que não ocorre muito hoje). Um exemplo disso era que as produtoras de jogos só poderiam lançar algo com a sua aprovação, e caso ela não gostasse o jogo não era lançado ou, como na maioria das vezes, era modificado de acordo com o gosto dela. Outra política típica da Nintendo era a restrição de produtoras (elas só poderiam produzir jogos para a Nintendo exclusivamente) e também proibir que elas ultrapassassem um número limite de lançamentos por ano, número este que variava de acordo com o tamanho da produtora (prática que logo foi burlada com a criação de sub-produtoras). Mas mesmo com toda essa política rígida a Nintendo não conseguiu escapar dos famigerados jogos piratas. Existiam milhares de jogos piratas para Nintendinho e os clássicos “multicards“, que nada mais eram que um cartucho com vários jogos embutidos (alguns até com mais de vinte jogos – eu ganhei esse cartucho de um amigo esses dias). Sem dúvida o Nintendinho foi um dos videogames mais pirateados de todos os tempos. E vale lembrar que além dos jogos, existiam os consoles paralelos que funcionavam como o Nintendinho. Alguns deles são muito famosos aqui no Brasil, como o Phantom System e o Dynavision.

Existem vários Nintendinhos “alternativos“. Geralmente eles nasciam onde a Nintendo não tinha lançado oficialmente seu videogame. Eu não quero entrar na questão do que é certo ou errado (não autorização da Nintendo). E se vocês conhecem outras versões, postem à vontade para darmos boas risadas aqui no Retroplayers.

Phantom System: Esse foi um dos mais vendidos no Brasil. Tinha até comercial de TV (no You Tube você consegue achar)! E tem uma bela história sobre ele que o Sabat nos contou aqui no Retroplayers.

Turbo Game e Top Game: Esses foram lançado pela CCE (Comprou Coisa Errada para os íntimos), e a diferença entre elas era o controle com ou sem turbo (dãã)! Eu o classifico assim: Phantom System era uma cópia do Nintendinho e esses dois eram uma cópia do Phantom System. Então, resumindo, eles são a cópia da cópia (os fãs dele vão me explodir em breve).

Dendy: Correção – Dica do nosso amigo leitor Rodrigo Lampert. Na verdade o Dendy é uma versão Russa do Nes. Resumindo, “MADE IN RUSSIAN” e por isso mais vendida na EUROPA.  Esse é o Nintendo “MADE IN CHINA”. É a versão chinesa comercializada pelo mundo, uma das mais vendidas na Europa.

Dynavision: Dynavision teve umas duzentas versões, mas foi o primeiro Nintendinho “alternativo” a ser lançado no Brasil. Eu me lembro dele naquele programa de videogames do Gugu (duvido que alguém se lembre disso!).

PolyStation: Mesmo que não conheça tanto de consoles antigos, você deve conhecer os famigerados PolyStations. As maiores enganações de consoles de todos os tempos. Eles possuem carcaças de consoles atuais, mas por dentro são os clássicos Nintendinhos.

BitSystem: Esse foi dica do nosso amigo leitor Cody. Uma versão muito parecida com o Nes original.

GenieCon: Outra dica do nosso amigo leitor Cody. Uma versão que possuía um “Eject” estilo Super Nintendo.

Novos Consoles – Dicas do grande Jeff

Top System: Parece um Phantom System do lado branco da força. Controles parecem com os de PC Engine.

Hi-Top Game (Da Milmar): A primeira versão usava controles de manche e o Select e Start ficava no console. Já a versão seguinte trazia o controle tipo pad, que em minha opinião eram horríveis de tão duro.

Super Charger: A primeira versão usava controles de manche e o Select e Start ficava no console. Já a versão seguinte trazia o controle tipo pad, que em minha opinião eram horríveis de tão duro.

Dynavision II: Versão japonesa.

Dynavision III: Versão Dual.

Quem não se lembra do controle do Nintendinho? Um clássico e que muitos compram hoje em dia para deixar de enfeite em sua casa. Esse controle com botões A, B, Select, Start e com um direcional em cruz foi o grande precursor dos controles. As características dele são utilizadas até hoje.

A lista de acessórios do console é E N O R M E , não dá para descrever de jeito nenhum de tanta coisa, e exemplificar tudo daria um TÓPICO INTEIRO a parte, então vamos só de:

Pistola Light Gun: Essa pistola vinha com o Nintendinho, e todo clone do console tinha a sua pistola igualmente clonada, onde a mais famosa delas é sem dúvida a linda Laser Gun, do Phantom System. Um dos maiores e mais clássicos  jogos de pistola é o famoso Duck Hunt, agora imagine você com seus dez anos de idade com uma pistola laser em mãos atirando na TV pra acertar alvos que iam de patos a gangsters… Vai dizer que você não “pirava” com esse acessório?

Game Genie: Esse responsável pela roubalheira infinita nos games surgiu no Nintendinho, e a produtora desse acessório não-oficial se chama Codemasters. Ela foi até processada pela Nintendo, mas a Nintendo perdeu na Justiça o processo e o acessório foi comercializado livremente, inclusive em vários outros sistemas.

 Power Pad: Tapede de exercício. Seria o vovô do Kinect, você dançava em cima dele e os comandos saiam direto no console.

U-Force3D: Um controles estilo manche de nave. Muito estranho não?

Power Glove: Essa apareceu em várias revistas como Ação Games, GamePower, SuperGame. Essa uma luva que possuía o controle de Nes embutido.

A Nintendo não perdeu tempo em licenciar vários produtos e outras coisas com o sucesso do Nintendinho. Foram desenhos, copos, lápis, lancheiras e toda tranqueira que você pode imaginar. E nessa mesma época foi lançada sua revista oficial intitulada Nintendo Power. O seu preço baixo, as dicas, os previews, brindes e informações exclusivas foram as características que a tornou bastante popular. Para quem não ficou sabendo, no final do ano passado, após 24 anos de publicação, a Nintendo Power acabou tendo seu fim decretado. Foi uma notícia bem ruim para todos os amantes de games da América do Norte.

Até antes do lançamento do Nintendinho, o som nos jogos a grosso modo eram apenas bips, barulhos e derivados. O Nintendinho estabeleceu uma nova forma de música em videogames. Surgiram então as famosas “trilhas sonoras“. Músicas clássicas foram criadas e até hoje são lembradas e homenageadas com orquestras e shows (se você não conhece a música do Mario, você é de outro planeta ou viveu congelado esse tempo todo!). O Nintendinho também possuía uma saída de áudio separada que permitia que os jogadores o ligassem a um sistema de som para ouvir suas músicas. O sucesso das músicas foi tão grande que começaram a ser comercializados álbuns com a trilha sonora dos games.

O Nintendinho possui uma história rica no mundo. Foi sem dúvida um videogame “divisor de águas”. Aqui no Retroplayers a galera é super fã dele. É só você buscar em nossa biblioteca RetroReview ou ali na lista de jogos desbravados na lateral direita do site que irá encontrar uma montanha de jogos clássicos de Nintendinho que relatamos. Então, se você curte, tem mais histórias, curiosidades e ama esse videogame… não deixe de comentar aqui nesse RetroEspecial. Alias, você está convidado a comentar mais curiosidades, informações, correções e várias outras coisas que viu do Nes, afinal existem muito mais coisas por trás deste querido console. Grande abraço pessoal.

Obs: 1) Até o final dessa matéria eu não encontrei um Battletoads de Nes para vender por menos de 100 reais. 2) Acabei de ser informado que a Nintendo não irá fazer conferência na próxima E3. Eu adoro a Nintendo, mas como já conversei aqui e com várias pessoas, acredito que ela não seja mais a mesma, tendo perdido sua essência. Mas isso é assunto para outro Especial. 3) Desafio está lançado, senão fechar Battletoads de Nes essa vez (me arruma o jogo!) eu vou beber aquele suco de tomate que comprei e postar aqui na Internet.

Update – Um agradecimento todo especial para Cris pelo ajuda no texto. Ela sempre me ajuda e acabei esquecendo de agradecer ela aqui no texto. Muito Obrigado de coração. Só não vai fazer eu tomar o suco de tomate de castigo >.<

Fim


Sobre Ivoornelas - Ex Membro

"Amante de Mario Kart, retrogamer assumido, contador de histórias gamers e sonha ter uma lojinha de Games e Retrogames."
Adicionar a favoritos link permanente.
  • edu

    Parabéns pelo post cara, relembrei grandes momentos (ainda mais porque eu era o tal irmão mais velho daqui de casa hehehe). Vo aproveitar pra citar também uma dessas cópias do NES que eu tive, um tal de Prosystem-8 que tinha até uma trava de slow motion!! Eu me sentia o Neo de Matrix (se bem que nem existia Matrix ainda ^_^) e gatilho L e R. É isso ai, abraço

    • Ivo

      Fala Edu, feliz por você ter lembrado bons momentos, essa é a intenção do RetroEspecial. Essa cópia eu não conhecia (muito legal mesmo isso!), conhecia esse controle PRO, que aparecia em milhões de revistas na época. Trava slow-motion? Sabe que pensei? Isso me ajudaria muito a fechar Battletoads e principalmente na fase na “motinha”. Mas não vou utilizar artifícios nesse caso. Aposta está feita e vou fechar esse jogo na raça. Obrigado pelos elogios e continue visitando o Retroplayers.

  • tantas lembranças com o meu antigo NES…

    snif, snif.snif…(assoando o nariz)

    o mundo era a Nintendo naqueles tempos, que influenciou tudo que nos conhecemos sobre jogos.

    uma das (muitas) melhores post do Retroplayers, é para aplaudir de pé.

    • Ivo

      Muito boas lembranças né Leandro. Obrigado pelos elogios e continue visitando a galera do Retroplayers. Ps: Ela realmente influenciou toda uma geração.

  • O LENDÁRIO Polystation.. já ouvi historias dessa farsa destruindo familias.. hahahahaha

    Quanto ao nintendinho, meu rimo tem um ainda completamente funcional, jogamos de vez em quando aquela zerada multiplayer de Mario 3 (o melhor Mario na minha opinião..rs), tbm tem por lá Ghost busters, ultimate stuntman e tetris.

    Queria achar alguns clássicos para comprar aqui em BH e jogar no caixotinho..rs..mesmo ja tendo jogado em emuladores, não tem o mesmo sentimento

    • Ivo

      O Polystation é demais né!? Eu vi ela muito nos camelos para vender. E o pior que tinha pessoas que compravam… O conselho que dou para comprar jogos de NES é pior Mercado Livre, sempre fique atento que aparece uns perdidões por preço de banana. E claro né?! Jogar na no emuladores não tem o mesmo sentimento, eu que diga. Obrigado pelo comentário Carlos! Continue visitando o site =)

      • GF

        Polystation jogava muito mas nunca tive,tem um amigo meu aqui da rua que comprou uma edição que falava que rodava Zelda Ocarina of Time e todos os jogos de N64 e PS1 (eu acho),fomos testar o videogame portanto quando ligamos ele,bateu a tristeza era o mesmo Polystation de antes só que agora com mais jogos (os novos eram os mesmos jogos,mas eram hackeados),e o pior é que ele continou comprando.

  • Chapolin Colorado

    “Simplesmente” o console mais importante da história. E o 2º melhor de todos os tempos.

    • Ivo

      Qual seria o primeiro Chapolin? Aposto que é o Super Nintendo. Acertei?

      • Chapolin Colorado

        Claro que é o SNES, Ivo. Que outro poderia ser melhor que o NES? Só o Super NES! hashuashush

        • William

          Em relação ao Snes ser o melhor, é questão de gosto. Gosto é igual a ku, cada um tem o seu. hahahahahaha

  • Rodrigo Lampert

    Gostei bastante. Só um adendo: o Dendy era o famiclone russo. Este modelo da foto era uma réplica do Sega Mega Drive, enquanto o modelo mais comum era uma versão em cinza do Famicom – igual ao SuperCharger lançado no Brasil.

    • Ivo

      Verdade Rodrigo, acabei pesquisando mais a fundo aqui e realmente ele é Russo. Já vou atualizar o tópico e claro colocar os agradecimentos para você. Obrigado.

  • Aki é rock meu irmão

    Esse post esta demais cara eu me lembro de quando tinha o Turbo Game meu irmão comprou de um amigo nosso bons tempos e veio com o jogo de luta livre.Espero que zere o Battletoads e post ai pra gente o final dele beleza.

  • Sirlon Hayate

    Nes foi escola pra muitos, sei que, como muitos, comecei no Atari também.. mas convenhamos.. jogos de verdade mesmo foram no Nintendo 8 bits!!
    Nintendo Entertainment System. O Video-Game!! Sem mais

    • Ivo

      Eu tenho a mesma opinião que a sua. Eu comecei no Atari (como falei no texto) mas realmente vi o que era videogames no NES. Acho que com muitos foi assim. Continue visitando o site =) Abraços.

  • Ótimo texto, é sempre bom ler alguma coisa sobre o amado nintendinho.

    • Ivo

      Valeu Isack! Sempre mesmo é bom ler sobre o Nintendinho =0

  • Paulo

    Muito bom o texto. Lembrei também de muitas coisas boas!!
    Até mesmo que consegui terminar o Battletoads!!! o/ Claro que tive que comprar o cartucho e perder minha vida nisso, haha!
    Eu, como fã do Turbo Game da CCE, vou lhe explodir! (brincadeira).
    Um colega meu tinha o Top Game, aquele vermelho da foto. Tinha uns controles estranhos, aceitava somente cartuchos japoneses e vinha com um adaptador para os americanos. Eu tive o Top Game azul, que tinha duas entradas para os dois padrões e vinha com controles excelentes, semelhantes aos originais do NES. Depois saiu o Turbo Game, idêntico, mas os controles pareciam com os controles do Mega Drive, mas eram invertidos!
    Bons tempos!

    • Ivo

      Valeu pelo elogio Paulo. Você conseguiu? Hahahahaha! Ou está igual aos contadores aqui do site? Brincadeira! E você fã do Turbo Game CCE? Temos já um ganhador aqui então *passa o troféu para você*. Se tiver foto do Top Game Azul, não deixe de postar. Grande Abraço Paulo e não deixe de visitar o site.

      • Paulo

        Ivo, infelizmente não tenho mais meu Top Game, mas encontrei uma foto. A única diferença dele para o Turbo Game era nos controles.

  • Kanonclint

    Essa do irmão mais velho foi osso hein ? No meu caso tive fácil hehe , sou o mais velho de três irmãos XD .
    Eu gostei muito do post Ivo, e acho que esse tipo de historia que a gente mais se identifica.
    Bom, infelizmente eu nunca tive um NES, e nenhum de seus clones também. Mas isso não me impediu de aproveitar o que de melhor tinha na biblioteca do console, já que meu primo era proprietário de um Phantom System ( o melhor clone do Nes na opinião). Eu fui de Master System na geração 8bits, e apesar de acha-lo um console fantástico era fácil perceber que o Nes possuía uma quantidade de grandes títulos bem maior. Nessa época eu e meu primo eramos muito próximos , e ai trocávamos constantemente de console, e foi por ai que eu tive um contato bastante recompensador com os grandes games do Nes. Não cheguei a terminar o Battletoads kkkkkk, mas consegui chegar ate a fase da água e se não me engano não estava muito longe do fim não viu ?? heheh.

    • Ivo

      Fala Kanonclint, tudo bom? Então você é o mais velho? Aposto que não deixava seus irmãos mais velhos jogarem…. certeza! =) Eu tenho que admitir que fui geração Master System também. Comparado ao NES eu joguei infinitamente mais Master System. E verdade que disse… o Nes tinha muito mais jogos. Eu sofria com pouca opção de Master System na época e me lembro disso. E sobre Battleotoads, vai ter que fechar hein! Agora vou obrigar todo fundo a fechar! Hahahhahaa! Bom, obrigado pelo comentário Kanoclint e não deixe de visitar mais vezes o site. Grande Abraço.

  • CODY

    Ótimo texto Ivo. O nes foi um marco, porque tirando os jogos para pc, foi o primeiro aparelho a nos apresentar histórias dentro dos jogos e uma imersão maior do que na época do atari, que a história era só contada no manual, o resto era pelo nossa imaginação. O battletoads eu fui longe, mais não terminei, só vi as ultimas fases em revistas da época, o do supernes tbm.
    Eu não tive o nes original, mas tive o corajoso top game vg 9000, corajoso eu explico porque: por se tratar da marca cce (começou comprando errado) até que durou bastante, ainda tinha duas entradas de cartucho, uma para 60 pinos (japones) e outra de 72 pinos (americano), tinha uma tampa de deslizar para ter acesso a outra entrada e o problema era quando o cartucho não estava inserido, umas das duas entradas ficava aberta, pegando todo o tipo de poeira, além de eu ter de assoprar o cartucho, tinha de assoprar o aparelho tbm, kkkkk;
    Época de ouro em que emprestavamos fitas para os amigos, trocavamos e iamos em locadoras tentar pegar algo bom ou lançamentos, hoje como tenho um x360, compro meus jogos pela net e os emuladores tbm são todos baixados, não tem mais o encanto de antigamente;
    Os clones de aparelhos e cartuchos, facilitava ao povão em ter o seu primeiro game, pelo preço reduzido e a concorrencia tbm, me lembro que tinha empresas que montavam os cartuchos no brasil e vendiam mesmo não sendo em caixinhas, vinha apenas um papelão com o desenho do jogo e o plastico em volta, faltou mencionar o bit system que era o que mais se parecia com o nes original apenas na carcaça, maldito o fio que saia da lateral do controle e atrapalhava a pegada;
    Ivo eu moro aki na liberdade, depois me passe o endereço do suco de tomate, vou comprar uma caixa e te mando pelo sedex, pois vc não vai terminar o battletoads, kkkkkkkk; Abração;

    • Ivo

      Fala Cody, tudo bom? Então você foi um felizardo com o CCE também? *entrega outro troféu*. Você me lembrou de algo… o de SNES eu não consegui fechar também! hahahahahaha! Que coisa! Eu também tenho um X360 e tenho que dizer que não tem mais encanto nenhum mesmo. No começo do X360 eu ainda tive toda aquela felicidade de comprar jogos e jogar na Internet, mas isso morreu mais rápido que imaginava. E lá estou eu de volta aos jogos Retro e comprando coisas no ML. Alias, estou indo jogar MegaManX já já! Bit System? Esse escapou das minhas pesquisar p/ o texto. Se tiver uma fotinha dele, coloque p/ vermos e já incorporo ele no texto com seu nome em destaque né =) Cara, o suco que tomei e comprei foi naquele supermercado do lado do shopping SOGO. É um latinha japonesa mesmo. Horrível! Horrívelllllllllllllll!! E vou fechar battletoads, vocês vão ver! Grande Abraço Cody e continue visitando o site.

      • CODY

        Mandando a foto, Ivo;

        • CODY

          Mas o meu sonho de consumo era o geniecom, vinha com o controle turbo, fone de ouvido que saia do controle, tinha um botão eject igual ao do snes para retirar o cartucho, game genie imbutido e falava que funcionava sem fio, vinha uma antena que subistituia o cabo av que ia para a tv, mas não sei se funcionava direito, como na época era criança e não trabalhava e meu pai não era mto fã que eu jogasse games, então acabei ficando apenas no desejo;

          • Ivo

            Valeu Cody, postei já no texto com o seu devido nome. Não conhecia nenhum dos dois =) Brigadão mesmo!

          • CODY

            Valeu Ivo, Abração;

          • Renato

            Eu tive Genicom, logo que saiu, vi num comercial de TV e fiquei alucinado pq era mais legal que o phantom, ganhei ele de presente no nata de 1992, funcionava perfeito com as antenas (inclusive na tv do vizinho por meio de interferencia hahah).

  • GF

    Nunca tive um NES mas o post tá muito bom,me deu até uma vontade de jogá-los acho que o jeito vai ser pegar um emulador pois os jogos pra ele estão bem caros.

    • Ivo

      Bora jogar GF! Entre na turma do “FECHAR BATTLETOADS” hahahahaha! Grande Abraço e continue visitando o site.

      • GF

        HAHAHA já estou na turma só que é pra zerar o Battletoads in Battlemaniacs empaquei na quarta fase (moto maldita!) mas vou entrar pra essa turma de fechar o Battletoads de NES.Com certeza continuarei visitando é um excelente site!

  • O que posso dizer do Nintendinho?

    Um verdadeiro ícone no mundo dos games, foi o meu 2º console (encarnado como Phanton System) depois do Atari, mas não é melhor que o Mega Drive – na minha humilde opinião.

    Sobre o programa do Gugu (Play TV), claro que me lembro!

    Tinha tão pouco tempo de duração, que uma mínima distração durante os intervalos corria o risco de perder toda a programação.

    Para quem não conhece, só existe este vídeo no You Tube:

    http://www.youtube.com/watch?v=ge9p6oxgNX8

    • Ivo

      Celio, demais esse vídeo cara! Hahahahahaha! Era esse mesmo o programa! >.< estou ficando velho! Era nos intervalos que aparecia vendendo o DYNAVISION. Eu tô rindo muito aqui vendo esse vídeo. Era com Alex Kidd Miracle World hahahhahaha! Muito bom mesmo! Brigadão por postar isso! Grande Abraço! E continue visitando o site.

  • Fernando Tadeu Fabri

    Salve Ivo!

    Parabéns aí pelo texto, li somente a sua história, pois sobre o NES / Famicom eu já estou meio que careca de saber xdddd

    Fiquei empolgado a ponto de escrever a minha história, já que o NES é o meu console favorito (hoje é o FAMICOM xddddd)

    Grande abraço!

    • Ivo

      Fala Fernando! Tudo bom? Poste ae depois sua história sobre ele! Fiquei curioso em saber! =) Obrigado pelo elogio. Grande Abraço Ivo.

      • Fernando Tadeu Fabri

        Oi Ivo!

        Vou postar em um texto XD

        Eu sou o Rokuman Senpai xdddd

        • Ivo

          Pow Senpai XDDDDD ae o pessoal fica me chamando de louko por não saber o nomes de vocês >.<

  • o lindo turtles 2 de nintendinho tinha uma fase exclusiva ne ? Aquela dos tigres que saiam da parede e enfrentava um samurai , o batletoads de arcade é tudo que se sonha : um batletoads terminavel , tive um game genie , mas vinha com um livro de jogos antigos , tinha de recorrer a um velho amigo e seu geniecon(que vinha com o game genie ) , que tinha novos codigos ,adorava essa história de ter varias empresas lançando uma versão diferente de nes , as músicas de double dragon 2 megaman e outros ,são um primor , tem até hoje gente que acha que musica de game é assim e mesmo se fosse , aqueles japas com seus sintetizadores acabam com muito tocador de banjo por aí ,quem curte musica ve ritimo ate em maquina de lavar

    agora uma pergunta : foi no nes que foi inventado um “fim” pra um jogo ? Pois a gente sabe que antes só importava a pontuação…

    • Ivo

      Fala Lucas. Valeu pelo comentário. =) As músicas dessa época são clássicas mesmo. Eu ouço até hoje. E sobre o jogo ter “fim” acho que começou no Atari mesmo. Existem jogos com finais (não travamentos por pontuação) e acho que SuperMan era um deles.
      Valeu Lucas! Grande Abraço.

  • Garanhão italiano

    Parabéns pelo post, merece ser aplaudido de pé.
    Nes (Nintendinho) é lembrar de uma infância ótima.obrigado Pai que Deus o tenha.

    • Ivo

      Obrigado “Garanhão” pelo comentário.
      Continue visitando o site. Grande Abraço.

  • Cadu

    Fala Ivo, grande post!
    Respeito a opinião de quem acha o videogame o melhor de todos os tempos, divisor de águas, salvador da indústria e tudo mais, mas eu não o considero nada cult! Pelo contrário, nos EUA e Japão ele era totalmente popular. Cult mesmo é o Master System, que só nós brasileiros e os europeus jogavam! hehehehe
    Mas tirando isso, eu tenho muito pra conhecer nele. Então EU e muitos brasileiros podemos sim chamá-lo de cult, pq não? 😀
    Contradições a parte, muito boa a idéia do especial. Pena que sua história tenha começado de forma tão triste, mas aposto que isso de certa forma só aumenta sua NEStalgia… hehehe!
    Gostei das analogias de quem termina Battletoads, mas com certeza quem terminava naquela época não era sucesso com garotas e não sabia jogar futebol… mas poderia com certeza ser um dos mais inteligentes da sala! huahuahua
    O video do TH terminando Battletoads eu nem comento, um dia eu vou ser bom no videogame igual a ele… kkkkk
    Bom, deixa eu já deixar o desafio: algum dia eu vou terminar Battletoads diretamente em um Nintendinho, sem save states e o caramba. Nesse dia eu vou tomar um copo de suco de tomate também, em sua homenagem! E um de coca em homenagem ao restante da equipe RP! hehehe
    Sobre os dados do NES, muito bacana. Eu não conhecia todas as versões do console, quando for tentar comprar um, vou consultar esse post pra ver qual a mais bacana! hehe… mas não será a do robozinho, mal consigo comprar um NES amarelado. Imagina uma versão rara?
    E eu lembro sim do programa de games do Gugu, onde a pessoa entrava dentro do Alex Kidd in Miracle World. Só não lembro se era Game TV ou TV Game o nome do programa, mas tem a possibilidade de não ser nenhum dos dois! huahuahuahuahuahua
    Muito bacana o texto, que legal que vc pode aproveitar o Master System E o NES, mesmo que este não tenha sido tanto. Deve ter mais histórias pra contar! hehe

    • Ivo

      Fala Cadu, valeu mesmo pelo seu comentário. Adorei. Eu acho ele “cult” porque se você olhar pela internet você irá perceber tanta coisa que a galera faz com ele. Guitarra, lençóis mesas gigantes em formato de controle, torradeira e até uma banheira no formato dele. Eu achei isso muito “cult” e não vejo isso em outros consoles. Por isso meu comentário.

      Hahahahaha! NEStalgia ficou ótimo! Adorei! Tem que fechar Battleoads sim. É tipo uma questão de honra para a galera aqui do Retroplayers. Eu já encontrei ele para venda no EBAY por um preço camarada. Mas meu Nes deu problema =/ que droga, mas vou arrumar ele.

      Mais abaixo o Celio colocou um vídeo do Youtube desse programa do GUGU. Se chama Play Game! Eu fiquei rindo pakas disso e vendo. Me lembrou também aquele jogo do HUGUINHO do telefone Hahahahaha!

      Grande Abraço Cadu!

      • Cadu

        Ah sim, isso com certeza de toda cultura que ele levantou fora dos games, tanto ele quanto Space Invaders e Pac-Man. Existem muito mais coisas relacionadas ao NES do que a qualquer outro console. E eu acho isso bacana demais! 😀
        PLAY GAME! Isso mesmo! Demais! Hugo também era foda… “subindo a montanha sem fazer manha”… kkkkkk
        Abraço

  • Sirlon Hayate

    Ótima matéria amigo Ivoornelas. Pra mim, o melhor video-game de todos os tempos, junto com o Super Nintendo!

    • Ivo

      Valeu pelo comentário e elogio Sirlon. Super Nintendo foi demais p/ mim tb! Continue visitando o site! Grande Abraço.

  • Lenneth Valkyrie

    Eu tenho um Nes (que alguém não queria mais e me deu em 2002). Quando ganhei, levei pra casa e mostrei para o meu pai, ficou muito empolgado também (comprar um videogame novo, NADA!). Não. eu não era criança em 2002, tinha 17 anos! O console de primeira, não funcionou.
    Meu pai levou para consertar em dois lugares diferentes e os técnicos diziam não ter jeito. Aí perguntavam para ele onde ele conseguiu o aparelho. Ele dizia que alguém deu e eles faziam aquela cara “Ah, logo vi ¬¬”.

    Bem, como meu pai sempre foi curioso ele pegou uma chave de fenda e começou a mexer lá dentro. Como o problema, com certeza foi alguma coisa dando mau-contato, o videogame pegou e por muitos anos foi o único que tive e juntamente com minha irmã mais velha (somos muito unidas!) fechamos Super Mario Bros 3 na raça! Não tinha como salvar, vc tinha que acordar cedo e jogar até de noite.

    Depois em 2009, comprei um playstation 1 e em 2010 o playstation 2 e parei por aí. Mas por algum motivo eu não gosto de me desfazer dos meus consoles! O psx e o nes estão guardados. O nes acho que não funciona e o psx, não tem como ligar aqui na sala, mas não quero vender.

    E agora através deste post maravilhoso eu descubro que o nes é um item raro de colecionador (além de um monte de informação que eu não sabia!).

    O único jogo legal que eu tenho é o Super Mario 3, o outro é Dick Tracy, um jogo ruim de doer!

    Na verdade eu estou me divertindo muito agora com um emulador de NES que baixei e estou conhecendo mais a fundo os jogos, pois na época que peguei não encontrei cartuchos. Estou amando Donkey Kong!

    Parabéns pelo post e não desista!

    • Ivo

      Lenneth! Obrigado pelo seu comentário! E guarde esse Nes direitinho sim, ele é muito raro e vale muito. Fiquei feliz em saber que você gostou das informações extras sobre o console. Muita gente teme ele, mas infelizmente não tem o conhecimento do que o NES representa na história dos videogames. Guarde eles direitinho, mesmo não funcionando. Grande Abraço e continue visitando site.

  • douglas

    eu tenho um nes original faz uns 15 dias que comprei, foi bem caro, quem quise eu posto uma foto ai. Comprei so pra te mesmo pq é bem legal.

    • Ivo

      Poste foto sim Douglas =) Aquele com o Mario lá em cima é o meu! Abração!

  • Emilly Pires

    Caramba! Me senti como se fosse uma garotinha de 8 anos ao ler sobre essas preciosidades. *-*

    Como era boa aquela época de ouro. Eu, sinceramente, prefiro mil vezes os clássicos do que esses “joguinhos” de hoje.

    Sempre fui taxada como a “machinha” da família/amigos/escola/etc, preferindo os controles de jogos do que uma boneca ou outra coisa qualquer. Mas e daí, não é mesmo?! Bom pra mim que ninguém mais gostava, assim não precisava dividir horários com ninguém, tinha o Nintendinho só pra mim. Õ/

    Eu jogava basicamente o mesmo jogo, manjava nele. Hoje não lembro qual o nome, vivo a procura dele, mas não é fácil.

    Era de um carinha que tinha que quebrar as paredinhas para vencer as fases, só que não era apenas quebrar as paredinhas, tinha que derrotar certos monstrinhos que apareciam, quebrar eles também. As vezes aparecia umas portas as quais nos levava de um ponto ao outro do jogo, era uma excelente forma de escapar de algum monstrinho em situações de apuros. rs

    ALGUÉM POR ACASO TEM NOÇÃO DE QUAL SEJA?

    Sempre guardei meus cartuchos, eu era uma VICIADA das grandes, tinha uma coleção com mais de 500 cartuchos tudo numerado por ordem de compra, era a paixão da minha vida. <33' Infelizmente, quando eu estava na escola, minha mãe deu faxina em casa e jogou tudo fora. :'( Estavam todos em perfeitas condições e minha mãe fez uma crueldade daquela.

    Quando cheguei em casa e vi, quase morri. Chorei até. Saí de casa olhando nos cestos e latões de lixo atrás de encontrar, mas não tive sucesso. Perdi tudo, tudinho. D':

    Fiquei um mês emburrada com minha mãe. Porque pensa, você ter uma coleção maravilhosa de jogos e aí vai uma pessoa e desfaz dela sem mais nem menos sem a tua permissão, escondido de você… Ainda mais essa pessoa sendo sua mãe… É normal de se sentir péssimo com isso.

    Até hoje não a perdoei por causa disso, mas não posso ficar chorando pelo leite derramado.

    Hoje só tenho as lembranças, muitos jogos eu consegui recuperar com o passar dos tempos, tenho guardado em um DVD, muito bem protegido da mamãe. rsrs

    Mas, o que eu realmente procuro, não encontro. É de partir o coração, só que ainda irei encontrá-lo e me deliciar dias e noites jogando-o. Hehe'

    Me empolguei ao falar, é complicado falar pouco de uma paixão, podemos virar horas e horas que ainda não será o suficiente para que as pessoas saibam o quanto gostamos de algo, ainda mais esse algo sendo jogos do Nintendinho. S2

    • Ivo

      Olá Emily! Obrigado pelo seu super- comentário. Acredite, existe muito mais mulheres que jogam Retrogamer que você imagina e cada vez mais está crescendo o interesse por elas nos dias atuais.

      Realmente não consigo imaginar o jogo que você está falando, mas fica o AVISO PARA GALERA DO RETROPLAYERS se souber, avisar aqui qual seria o jogo.

      E não se preocupe em comentar “bastante” como você fez. Todos nós aqui adoramos comentários apaixonados como o seu.

      Minha mãe fez mais ou menos isso comigo, mas não foi com videogames e sim com outras coisas. E o pior que foi para uns garotos do meu prédio que não gostava… então imagina a minha cara na hora que vi. hahahahahaha XD

      Continue comentando sempre Emily! Galera sempre curte comentários femininos aqui no Retroplayers.

      Grande Abraço. E continue nos visitando.

      • Emilly Pires

        Boa tarde, Ivo! Nem precisa agradecer pelo
        comentário, foi de muito bom agrado que o escrevi.

        Claro,
        sei disso. Ainda não tive a oportunidade de conhecer uma para trocar idéias, um
        papo de “Women Players”, sabe… Só que encontrar UM que joga Retrogamer é bem
        mais fácil do que UMA. Não é mesmo?! Hehe’

        O personagem desse jogo que procuro se parece
        um pouco com o saudoso Super Mario Bros, antes até pensava que fosse algum jogo
        dele, mas aí depois de pesquisar por todos os jogos do Mario, descobri que não
        são os mesmos, só aparentemente.

        Ontem mesmo eu comprei um aparelho DVD porquanto
        vinha de brinde um CD/DVD com 250 Retrogamers, procurei super empolgada na
        esperança de encontrar “meu queridinho preferido”, só não foi uma completa
        decepção porque nesse CD/DVD reencontrei outros velhos queridinhos. O bom mesmo
        não veio. =/

        Isso é revoltante demais!!!!!!! Como pode um
        jogo ficar escondido de mim dessa forma? Como pode ter sumido? :’(

        Do fundo do meu coração, se alguém puder me
        falar qual o nome desse jogo, ou pelo menos me dar uma pista para que eu possa
        ir atrás, ficarei muito feliz e agradecida. J

        Então deve adorar esse comentário também,
        porque se tem uma coisa que eu não sei fazer, é falar pouco se tratando dos “joguinhos
        antigos”. rsrs

        Nossa, posso até imaginar. Eu não entendo
        essa capacidade monstruosa de nossas mães se desfazerem de algo que não dizem
        respeito a elas, ainda mais algo que faz a felicidade/alegria de seus filhos,
        só podem terem prazer com nossa dor, nosso sofrimento. KKKKKKKKKKK

        Quero é ver elas se desfazerem de suas roupas
        e seus sapatos caros dessa forma…

        Só que no seu caso, eu não pensaria duas
        vezes antes de voar na cara desses moleques e pegar o que era teu de volta. Rapaz…
        Poderia ser a mãe, pai, tio/tia, avó/avô, presidente, papa, os cambal que fosse,
        mas eu pegaria de volta, nem que apanhasse depois, mas apanharia/ficaria de
        castigo com meus joguinhos (ou outra coisa que é o teu caso) nas mãos.

        Os meus só não recuperei porque não achei,
        porque se tivesse encontrado, eu tinha pegado/tomado, o que fosse preciso para
        ter de volta.

        Enfim… Já era, não é mesmo?! rsrsrs

        Me adicione no Facebook, se for possível,
        assim fica mais fácil de nos comunicarmos. 😉

        –> https://www.facebook.com/emilly.pires.92?ref=tn_tnmn

        Obrigada!

        Um grande abraço para você também.

    • Ulisses Seventy Eight

      acho que o jogo que você procura é o lode runner.
      se não for continuo a busca.

      • Emilly Pires

        Boa tarde, Ulisses! 🙂

        Não é o Lode Runner não. Esse é bom também, mas o que eu procuro é outro.

        Mesmo assim obrigada pela atenção. ^-^

        Irei continuar a procura, caso encontre eu compartilharei aqui com você e com todos. 😉

        Me adiciona no Facebook, porque aí qualquer coisa nos falamos por lá.
        Ah, manda mensagem avisando que tu é daqui. HEHE’ 😉
        > https://www.facebook.com/emilly.pires.92?ref=tn_tnmn

    • Emilly,
      Me sensibilizei com seu comentário. Eu tenho todas as roms de NES em um DVD. Sempre que posso, jogo alguma coisa dele.

    • TH

      Nossa Emily, que crueldade…. Deve ter ficado sentida mesmo, eu ficaria uma ano sem falar, rs.

      E lindo o seu comentário.

      Quanto ao jogo, pode ser o Bomber Man ou Gauntlet, será?

      • Emilly Pires

        Boa tarde, TH!

        Pois é, até hoje não consigo perdoá-la por isso. Foi um dos momentos mais tristes de minha vida, mais triste que ele só a perca de três amigos. Mas tudo bem, já passou e não volta mais. Infelizmente.

        Que bom que considera isso de meu comentário! Aqui em casa quando começo a falar dessa minha paixão, todos me criticam, até o danado do meu irmão mais novo que é viciado em Xbox 360. Só que nem me importo com eles, porque sei que sempre há alguém que compartilhe dessa mesma paixão. *-* Hehe’

        Não, Bomber Man não. Bom seria se fosse o Bomber Man, assim não teria problemas em encontrá-lo. rs

        E Gauntlet também não é.

        É um jogo com o personagem parecido com o Super Mario Bros.

    • Ivo

      Oi Emily, agradeço sim. É uma felicidade receber os comentários de todos vocês. E tenho uma boa notícia, na quarta-feira vai ter um RetroReviews especial voltado para mulheres, não deixe de conferir. A intenção é abrir essa ideia “Woman Players”, não deixe de comentar. Vai ser bem legal. Gostaria muito de ver as mulheres aqui no Retroplayers curtindo o site.

      Eu tenho uma dica para você achar seu jogo predileto que tanto está procurando. Aqui tem uma lista com todos os nomes dos jogos de Nintendinho, quem sabe você não encontre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_jogos_para_Nintendo_Entertainment_System

      250 jogos é pouco perto da quantidade de jogos que existe nele, certeza que você vai encontrar. O único que vêm a minha mente no estilo que você falou é Wonder Boy ou Yo Noid.

      Nossas mães nesses aspectos são verdadeiras terroristas hahahaha! Eu que diga, mas aos poucos eu estou recuperando tudinho que perdi em relação a videogames.

      Abração e não deixe de visitar o site =)

  • Ivo, meu caro…
    Falar de NES e não ficar feliz é a coisa mais estranha que poderia existir no mundo dos games!
    Quero lhe dar os parabéns pela excelente matéria e pela bela homenagem ao nosso queridíssimo NES.

    Meu primeiro console foi o Bit System (nome besta né?).
    Quando meu pai saiu pra comprar, (eu não fui com ele) eu só conhecia o Atari, através do filho do prefeito da cidadezinha de onde vim. Eu nem sabia que existia games em PC, aliás eu nem sabia que existiam os PCs. Agradeço até hoje ao vendedor das Casas Bahia que empurrou um produto mais caro no meu pai.
    Imagina minha cara de felicidade ao ouvir a trilha sonora de Mario Bros pela primeira vez? Aquilo ainda figura em minha mente como se fosse hoje e marcou profundamente minha infância!

    Interessante dizer que, devido a cultura do nosso país e pela condição financeira das maioria das famílias, muitos só tiveram acesso aos consoles de 8 bits quando já existiam os 16 bits. Como as coisas demoravam pra chegar por aqui, o meu console foi adquirido somente em 1991. Mas valeu cada dia que estive com ele.

    Sobre os clones do NES, ainda existem outros e vou citar alguns que apareceram por aqui. Pegue as imagens nos links IVO.

    Abração!!

    Da Milmar:

    – Hi Top Game – A primeira versão usava controles de manche e o Select e Start ficava no console. Já a versão seguinte trazia o controle tipo pad, que lembram os do Neo Geo CD.

    http://cyberramses.files.wordpress.com/2009/09/hi-top-game1.jpg?w=216&h=161

    http://www.balabusca.com.br/imagens/hi-top.jpg

    ===============
    – Top System

    http://i382.photobucket.com/albums/oo268/Sr-Ferraz/NES%20Systems/MilmarTopSystem2.jpg

    =========
    – Super Charger: muito parecido com o Famicom:

    http://1.bp.blogspot.com/-ZitAf5agIRw/T56S2IaBxTI/AAAAAAAAAKg/qSiMTiqZCcc/s1600/1.jpg

    ============
    Da Dynacom:

    – Dynavision II – Sistema japonês

    http://cyberramses.files.wordpress.com/2009/09/dynavision-ii.jpeg?w=405&h=303

    – Dynavision III – Sistema Dual
    http://cyberramses.files.wordpress.com/2009/09/dynavision-iii.jpeg?w=405&h=289

    • Ivo

      Cara Jeff, SUPER CHARGER! Eu lembro dele nas revistas! Muito bom seu comentário e obrigado pelo elogio. Realmente não tem como não ficar feliz quando lembramos do Nintendinho né?!

      Fiquei pensando hoje com essas novos consoles na #E3 que estão sendo apresentados hoje, nem chegam na sombra da felicidade que foi ter um console desse. Que será que está acontecendo? Passamos do tempo de jogos e consoles novos? Ou os jogos e consoles novos passaram loje do nosso tempo?

      Mas novamente, obrigado por colocar todos essas dicas de consoles. É muito bom saber disso, alias eu vou colocar eles no review? Posso?

      Abração Jeff.

      • Claro Ivo, é um favor que faz a nós.
        Pode usar as informações para colocar no texto sim.

        • Ivo

          Já coloquei Jeff. Valeu mesmo! =)

  • Mario Hylian

    Grande nostalgia!Nunca tive um Nes,infelizmente,pois meu negócio era meu amado Master System,só nos emuladores mesmo 🙁 Mas se eu não me engano,esse jogo de tiro é o Duck Hunt no modo Clay Shooting,não?

  • Tassio Bruno Silva

    eu tive o saudoso dynavison III com controle de manche. adorava ele de uma forma assim absurda. saudade viu

    • Ivo

      Eu amava os anuncios do Dynavison ^^ Lembra dele nas revistas? Achava muito legal! Saudade dessa época Tassio!

      Obrigado por comentar e continue visitando o site! Grande Abraço!