Mundo Retrô: Novo Mega Drive Tectoy… E aí?


mega-drive-tectoy-slider-retroplayers-banner

Tudo que é bom, volta“. Pelo menos é o que diz um canal de TV pago que tinha a proposta de passar alguns bons desenhos antigos, mas na maioria do tempo só passa tralha… Mas seguindo essa premissa, a Nintendo há alguns meses atrás, anunciou o lançamento do seu NES Classic Edition, uma versão comemorativa do primeiro console da empresa, e o estardalhaço foi enorme, nego aqui na redação pulava igual canguru de alegria. warpzoneAcontece que este aparelho nada mais é que uma carcaça muito bonitinha de um NES miniaturizado, com um pequeno computador dentro que aloca um emulador do sistema com jogos na memória, algo bem simples e semelhante ao que muita gente está fazendo hoje em dia com os famigerados Raspberrys, mas que mesmo assim, eu quero demais!! E percebendo que havia mercado para este segmento movido a nostalgia, a Tectoy, que estava quietinha em seu canto aqui no Brasil, resolveu aproveitar a onda para relançar um de seus produtos também de maneira comemorativa.

Todo mundo já sabe que estamos falando do Novo Mega Drive, que já está em pré-venda no site da Tectoy, e que você confere no vídeo de apresentação a seguir:

Mas sem muita delonga que o assunto é amplo, o que deveria ser uma festa, acabou se tornando uma zona de guerra movida a boatos, rumores e expectativas: bastou a Tectoy fazer o anúncio do novo aparelho divulgando suas especificações, para que uma avalanche de comentários sobre a ausência de um monte de coisas começassem a aparecer, uma bola de neve que começou a crescer em cima da ignorância do público diante das opiniões atravessadas daquele pessoal mais famoso que se diz “entendido” no assunto. Mas o RetroPlayers está aqui pra dizer que a coisa não é bem assim, e que tirando aquela galera que sonha demais e os haters que não tem mais nada pra fazer, sobra o pessoal que está recebendo EXATAMENTE O QUE FOI PEDIDO A PRINCÍPIO DE TUDO, ou seja, se vocês não gostarem do que vão receber, a culpa é de vocês ^^ .

“Mas tio Sabat, como assim? Você disse que a coisa não é bem assim, e depois diz que a culpa é nossa? A gente só queria o videogame original!!”. Exatamente jovem retroaventureiro, você queria o videogame original.

Mega Drive

Nem todos devem se lembrar de quando a Tectoy começou a fazer perguntas sobre “qual foi o videogame da SEGA lançado por ela no Brasil mais querido pelos fãs”. Pois é, aconteceu, e obviamente, o Mega Drive apareceu anos luz à frente dos outros na preferência da galera. Estava escolhido ali qual seria o próximo videogame que a Tectoy relançaria, mas não daquela maneira convencional que todo retrojogador morre de medo devido a baixa qualidade, e sim, na forma de um aparelho comemorativo, que seria confeccionado da maneira que os fãs decidissem que deveria ser, e o mais próximo possível do original, lançado a quase 30 anos atrás.

1988-sega-genesis-2Não demorou para que o projeto fosse confirmado, e os fãs antenados trataram logo de dizer em coro “QUEREMOS HARDWARE ORIGINAL, NADA DE EMULAÇÃO!!”. Ok, justo, anotado, o console não terá emulação, vamos dar um jeito de fazer tudo funcionar via hardware, só que usando, para isso, componentes atuais que façam o mesmo serviço. Algo mais?

“Claro, queremos controles sem fio, entrada pra cartão de memória, slot de cartucho, rede e jogatina online!!”. Sério, essas foram só algumas das exigências que fizeram, coisa de louco!! Mas bem, a ideia era lançar um aparelho o mais próximo do original possível, então ficamos logo sabendo que ele teria slot pra cartucho, nada emulado, controles originais de 3 botões obviamente com fio, carcaça clássica do primeiro modelo lançado por aqui, e como adendo, uma entrada para cartões SD de modo que o jogador possa colocar ali, o jogo que quiser para rodar no console.

Aí a mesma multidão que gritou em coro que queria hardware original, soltou um novo grito enfurecido: “MAS COMO ASSIM SEM HDMI??? PREFIRO UM RASPBERRY ENTÃO!!”.

Mega Drive

Isso é um Raspberry, desse tamanho todo!

Bom, pessoal, eu entendo que a proposta do videogame é ser o mais clássico possível, e o fato dele rodar jogos em cartucho e no cartão SD é algo que deve ser levado demais em conta positivamente. E vou ignorar completamente essas ideias malucas de controles sem fio, jogos online, rede pra baixar jogos… Estamos falando de um Mega Drive comemorativo, não de um PS3 ou PS4, e se o videogame fosse ter tudo isso que os mais viajantes querem, este mesmo pessoal não o compraria, pois custaria algo próximo de uns R$1.000 Temers ou mais. Que tal um choque de realidade?

Mas o HDMI, nossa, o HDMI… Como isso está dando o que falar no Brasil… Praticamente pararam de falar de Nintendo Switch pra falar só dos supostos prós e contras do novo Mega Drive que NÃO TERÁ HDMI, algo que qualquer Raspberry barato tem. Mas o que é o tal do Raspberry? A grosso modo, é um mini computador que roda emuladores, e que obviamente, libera sinal de áudio e vídeo em formato digital como qualquer emulador de PC ou de celular… Agora eu pergunto: quem foi que pediu hardware original mesmo?

O hardware original do Mega Drive é analógico, e não digital. Sua saída de vídeo original é RGB, bastava um cabo e uma conexão SCART na TV para jogar o aparelho em sua capacidade visual máxima, algo que só existia na Europa e em televisores analógicos. Pra distribuição mundial, um cabo de VÍDEO COMPOSTO mesmo servia, e foi este o colocado no aparelho por padrão. Optar por fazer um hardware similar hoje em dia significa construir um novo hardware analógico, algo que por si só, não conseguirá nunca transmitir sinal digital, necessário para que uma saída HDMI funcione. Capiche?

Mega Drive

Esta é a placa do Mega Drive original. Seus principais componentes não existem mais, e ela não produz sinal de vídeo digital, necessário para portas HDMI.

Mega Drive

Conversor shing ling, custa uma merreca e não faz o que promete

O novo aparelho custa R$399 Temers. Alguns dizem ser um preço alto, mas não é. Se fosse um aparelho emulado, teria HDMI, e provavelmente, mais diferenciais por um preço até menor, mas não estou dizendo que isso seria o ideal e nem que seria algo bom… Provavelmente o resultado não seria satisfatório, vide os outros consoles emulados que a empresa lançou! O que quero mesmo é tratar da realidade, e para a realidade de um aparelho funcionando com HARDWARE e não com emulação, com aparência e caixa clássica, controle oficial e tudo mais, o preço sugerido está muito justo. Pra por HDMI no console seria necessário um conversor de vídeo analógico para digital, e qualquer pessoa um pouco mais entendida sabe que conversores vagabundos de R$50 Temers deixam a imagem ainda pior do que a original. Um conversor de sinal decente, capaz de pegar o sinal analógico, processá-lo e convertê-lo em um formato digital sem perdas, vazamento de cores e estouros (up-scaler real), custa entre U$250 e U$400 Obamas, e você ainda vai sofrer para achar. Faça as contas.

 

Mega Drive

Este é o US5500 Multi-Input Scaler da Firebird Systems, um Video Up-scaler de verdade, que converte qualquer sinal analógico em digital via HDMI. Só custa U$386 Obmas!

O que quero dizer, caro amigo reclamão, é que chorar a falta de HDMI neste aparelho não faz o menor sentido. Ou você quer hardware original analógico, ou você quer software emulado digital, pq os dois não dá, você não pagaria o preço. E se por acaso você disser que paga, então compre um bom conversor, e você poderá usá-lo não só neste novo Mega Drive, mas também no seus outros videogames analógicos. Como exemplo disso, lembra do Analog NT? Ele é apenas o mais perfeito “Famiclone” que existe, uma réplica atualizada do hardware do Famicom (Nes japonês) com saídas de vídeo digital (HDMI, adaptador comprado separadamente) e analógicas (Composto, Componente, Super Vídeo), 4 entradas para controles, suporte total a qualquer acessório, e tudo isso dentro de uma caixa de alumínio linda.

Mega Drive

Analog NT, o mais perfeito clone de Nintendinho, com up-scaler real de imagem. Só R$579 Obamas!

Só custa U$579 Obamas (U$500 o console, U$79 o adaptador HDMI vendido separadamente), mais ou menos uns R$2.100 Temers. Aposto que neste momento, você já ponderou os preços das coisas e achou bem melhor usar aquela sua TV de tubo mesmo, não é? Mas se você não tiver uma TV de Tubo, não se desespere: a grande maioria das TVs modernas vendidas no Brasil ainda vem com entrada de vídeo composto, e eu tenho certeza que pelo menos uma na sua casa tem esse conector.

“Mas Tio Sabat, isso quer dizer que não tinha o que a Tectoy fazer para melhorar a qualidade da imagem?. Amigo padawan, até tinha… Mas o pecado aconteceu no momento em que eles decidiram ignorar o potencial RGB do console: creio que este novo aparelho poderia ter saída de VÍDEO COMPONENTE, algo que não necessitaria de qualquer conversão de sinal, melhoraria muito a qualidade da imagem devido aos canais de cor separados, e já deixaria os fãs do aparelho suspirando de emoção. Talvez encarecesse um pouco o preço final do produto, mas o investimento seria válido, e aposto que não estaríamos ouvindo tanta gente lamentando a falta de HDMI.

Mega-Drive-retroplayers

Vídeo Componente é, a grosso modo, o RGB adaptado para TVs comuns. Olha como só isso já melhoraria a imagem!

Mas colocando um ponto final neste assunto, outro fator que está dando o que falar é a tal “compatibilidade” do aparelho com jogos e acessórios. A Tectoy divulgou que alguns jogos não rodarão no aparelho, como por exemplo, cartuchos que possuam algum chip adicional, tipo Virtua Racing e seu chip de aceleração 3D, ou alguma característica especial como o cartucho Sonic & Knuckles, que possuía a tecnologia Lock-On. Não foi divulgada uma lista de compatibilidade, mas antes de falar alguma groselha a respeito, vamos pensar um pouco: o Mega Drive, dentre jogos normais, ou com chips especiais, ou ainda com alguma característica distinta, tem mais de 1000 jogos. Se somarmos então, roms modificadas, fã games, e afins, esse número aumenta consideravelmente. Quem aí está a fim de testar tudo pra fazer uma lista levante a mão! Sim, o buraco é mais embaixo.

Mega Drive sega_sonic_and_knuckles_cartridge

Sonic & Knuckles, e seu slot superior para plugar os outros games da franquia.

O que me parece é que a Tectoy generalizou a coisa pra não ter o trabalho de catalogar o que não precisa ser catalogado. Se o aparelho vai ter o mesmo sistema de leitura do console original, não importa se é cartucho ou rom: ele vai puxar o arquivo e armazenar em uma memória temporária, e só depois vai interpretá-lo. O que acontece é que, dependendo da arquitetura do cartucho, pode ser que o aparelho não consiga fazer essa leitura devido ao hardware adaptado com que ele será feito (por isso o aviso da Tectoy), mas é bem capaz, também, que o aparelho rode determinados jogos se estes já estiverem em formato rom, como o próprio Sonic & Knuckles… Só testando pra saber, e é o que nós aqui pretendemos para breve. Tudo isso é bem tolerável se levarmos em conta que são pouquíssimos os games que se utilizam de alguma tecnologia a mais no Mega Drive, pois lembrem-se: quem gostava de colocar chips dentro dos cartuchos era a Nintendo, enquanto a Sega preferia lançar acessórios, como o Sega CD e o 32X.

E por falar nestes caras, temos outra reclamação sendo feita, mas esta ecoa um pouco mais fraca que as outras: pra que diabos este novo Mega Drive precisaria de suporte a Sega CD e 32X? Você TEM um Sega CD pra encaixar nele? Sim? Então você com toda a certeza do mundo tem também um Mega Drive original para isso, e o mesmo vale para o 32X. Ah, você não tem? Então sinto-lhe informar que você continuará sem! Não se vende mais nenhum desses dois acessórios, e no mercado informal eles custam uma fortuna. Não se vende mais jogos para eles, o número de pessoas que tem um destes em casa é pífio, e todas elas já tem um console original para este fim, então, caso a Tectoy colocasse neste novo aparelho suporte a estes acessórios, ela estaria aumentando o valor do produto final fazendo algo pra ninguém usar, NINGUÉM!

Mega Drive 32x

O 32X é raríssimo, caro, e inviável pela pouca quantidade de jogos que o sistema possui.

E se eu estou com os pés fincados no chão o suficiente para que nada disso tudo me deixe preocupado, quer dizer então que eu tenho total confiança que tudo será as mil maravilhas? Mas é claro que não, eu estou me baseando na possibilidade do Novo Mega Drive fazer bonito no que diz respeito à qualidade geral do que eu vou ver na TV, mas tudo isso pode ir por água à baixo se os jogos não rodarem direito, ou se um monte de títulos não funcionarem, ou ainda se a qualidade de som for péssima… Mas isso só vai dar para confirmar com 100% de certeza depois que nós estivermos com as mãos em um destes carinhas! Sim, nós vamos arrumar um, e vamos destrinchar tudo que for possível com comparações e testes diversos, pois material para isso a gente tem, só falta mesmo é o console. E claro, vou jogar com controles de 6 botões! Respeito a ideia de vender o aparelho com gamepad clássico, mas não dá pra comparar a qualidade de um com o outro… A boa notícia é que, de acordo com o site Uol Jogos, a Tectoy estuda colocar controles de 6 botões à venda! Só espero que sejam controles à altura dos originais, pois não importa a qualidade do aparelho: se os controles forem ruins, a experiência de jogo será ruim na mesma proporção.

Bem, se a hora chegar e a coisa não suprir a expectativa, pelo menos eu tenho certeza absoluta de que tirar o bichinho da caixa vai me fazer transbordar de nostalgia. Enquanto essa hora não chega, fica a mão da curiosidade coçando como nunca! Quando é que eu vou por as mãos no Novo Mega Drive Tectoy? Ô demora maldita, ô ansiedade…

Fim


Sobre Sabat

Dono, Chefe, Gerente, Cara da Xérox e Tia do Café do RetroPlayers! Meu negócio? Falar sobre games. Como? Escrevendo meus trabalhos, gravando minha voz horrível, ou filmando minhas humildes proezas! Onde? Aqui, ali, ou onde quer que me chamem!
Adicionar a favoritos link permanente.