E como andam as doações aqui para o Retroplayers?


Desde o dia em que eu resolvi criar uma área no Retroplayers onde as pessoas pudessem nos angariar com seus consoles, jogos e acessórios velhos que hora jazem esquecidos dentro de armários ou debaixo de camas juntando poeira e ovos de barata, 1 ano e meio já se passou. E foi um período muito gostoso, muito proveitoso, e que já rendeu e ainda continuará a render muitos frutos para os leitores do Retroplayers!

E eu juro que tentei atualizar a sessão com os itens doados, que não foram poucos, para que todos pudessem saber que fim levou cada coisa, mas ta difícil!! Tem peça aqui que eu já nem lembro de onde veio, outras que eu já fiz rolo, doei, e tem outras que eu SEI quem me mandou MAS não sei mais como identificar essas pessoas por que eu fiz uma tremenda cagada no meu Live Mail e acabei perdendo todos as mensagens arquivadas da conta que eu usava para conversar com as pessoas que se interessaram em mandar alguma coisa pra gente.

Ficou impossível, e pra ajudar, chegou a época do casório e todas as minhas atenções se voltaram para aqueles que seriam os dias mais difíceis de minha vida, e que já ficaram para trás por sinal. Pois é, caros amigos retroaventureiros, ser pobre e querer casar não é mole não, dá uma dor de cabeça monstruosa que dura por muitos meses após a entrega das alianças. Basta olhar as contas no fim do mês pra gente por a mão na testa e sentir a enxaqueca.

Tive até mesmo que diminuir drasticamente o ritmo de postagens minhas para sobrar mais tempo para trabalhar, e acho que não deve estar muito difícil de notar isso aqui no site. Mas como parar eu não vou de jeito nenhum, então de alguma forma eu preciso arrumar tempo para sempre atualizar o Retroplayers, e assim resolvi aproveitar que eu preciso prestar contas com vocês, amigos retroaventureiros, para movimentar o site fazendo algo útil: mostrar como estão as velharias que bateram à minha porta relatando os fins que eu dei para algumas delas!

E que tal começar falando daquele…

Master System 3 com Ghouls’n Ghosts?

Esta foi praticamente a primeira doação DE PESO que eu recebi. Este aparelho quando me mandaram, foi dito que estava quebrado e não lia cartuchos, e só era possível jogar nele os games da memória.

É um daqueles casos em que eu não vou conseguir localizar o nome da pessoa que me enviou, mas ela sabe o quanto eu agradeci por este presente!! Veio sem caixa, e essa que está ao fundo juntamente com os suportes não são originais: eu fiz o molde em isopor. Ficou um pouco arcaico, mas serviu! Por sorte, uma prima minha tinha essa caixa (ela guardava umas bonecas velhas dentro) e me deu prontamente assim que viu a minha publicação pelo Facebook! Só faltava consertar o aparelho: realmente ele estava com um probleminha no slot interno onde se encaixa as fitas (ou cartuchos, é a gosto do cliente!), mas foi só tirar a folga e limpar bem o slot com um spray de limpa-contato que o negócio voltou a funcionar perfeitamente!

Com tudo pronto, resolvi dá-lo como prêmio no site: sorteei-o em uma brincadeira relâmpago que fizemos durante as comemorações do 3º aniversário do Retroplayers, onde o retroaventureiro Dactar foi o sortudo que levou pra casa esse aparelhinho, e eu espero que, apesar do nome que remete à preferência pelo console negro da ATARI, o Dactar esteja cuidando muito bem dele!

Junto com esse aparelho ainda me vieram alguns cartuchos, e o mais relevante deles, é sem dúvida a versão Sega 8bits de Ghouls’n Ghosts, que será um dos primeiros games de Master System que eu jogarei quando começar a minha prometida Master Maratona! Podem me cobrar!

E vocês devem estar se perguntando “Se você doou o Master III, onde é que você vai jogar Sabat? E o que é que vai ter nessa Master Maratona?” Eu respondo relatando “parte” da próxima doação que me fizeram, começando pelo…

Master System I com Pistola e um monte de jogos!

Aconteceu que um dia, um rapaz me mandou um e-mail dizendo que possuía um monte de tralhas pra me dar que eram tipo “restos” de uma game locadora que ele tinha anos atrás. Bem, quando alguém me contacta querendo doar algo, eu não costumo ficar perguntando certinho o que é em detalhes e nem quantidade, pois não quero que ninguém pense coisas do tipo “ele está avaliando o que a gente quer enviar pra ver se vale a pena ou não”… eu apenas pergunto o que é bem por cima peço para a pessoa enviar, só que no e-mail que eu havia recebido desta vez  estava bem especificado: “você vai ter que retirar aqui em mãos Sabat, por que é sem condições de enviar por correio!”. Fiquei morrendo de curiosidade instantaneamente, na minha cabeça me vieram duas causas prováveis para isso: ou era algo de muito valor pessoal que não valia a pena arriscar ser extraviado no correio, ou simplesmente era coisa pra caramba e o frete sairia um absurdo! Me segurei pra não perguntar, e como o carinha era de SP mesmo, Zona Sul, lá vai eu até a residência dele averiguar do que se tratava.

Chegando no condomínio, fui encaminhado a uma área de carga e descarga onde deveria aguardar o rapaz, e quando eu vi aquele cidadão aparecendo lá em baixo com umas 5 sacolas de plástico ENORMES fazendo o maior esforço para que elas não raspassem no chão enquanto ele caminhava meio torto por causa do peso, eu pensei SERÁ? Caros amigos retroaventureiros, ERA! O rapaz chegou, me cumprimentou, e começou a despejar consoles, jogos e acessórios no meu pé. Não tinha como enviar aquilo tudo pelo correio MESMO, sem chance, quase não coube atrás do meu Corsinha duas portas velho de guerra!  Muita coisa ali me deixou babando assim que bati o olho, como um Dreamcast com 2 controles que a sacola branca deixava transparecer (já falo deles, calma ai), mas não teve como ter uma ideia real do conteúdo inteiro e do estado geral antes de chegar em casa e abrir todas as sacolas.

O rapaz já havia me dito que preferia me doar tudo aquilo a vender, pois muita coisa ali não estava funcionando bem (ou simplesmente não funcionava) e ele teria muito trabalho reparando, limpando e separando aquilo tudo. E é verdade, eu mesmo ainda não acabei de reparar e concertar tudo como vocês verão a seguir, e olha que isso já faz mais de ano! Não vou relatar tudo o que veio, pois realmente tinha bastante coisa inutilizada ou repetida que eu acabei me desfazendo ou trocando… melhor falar só do essencial e do que teve ou pode ter salvação, e nesta categoria, sem dúvida o que mais me chamou a atenção foi esse meninão ai do lado! Funcionou de primeira, veio com 2 controles, pistola, fonte e cabos originais, e uma cacetada de jogos que, somados ao Ghouls ‘n Ghosts que veio junto do Master III, e a alguns outros jogos repetidos que eu fiz rolo, me renderam uma biblioteca de 20 títulos iniciais que serão os protagonistas da minha Master Maratona!

Querem saber que jogos são estes, caros amigos? Cá estão eles:

  • Vigilante
  • Castle of Illusion
  • Sonic Chaos
  • Golden Axe
  • After Burner
  • Deep Duck Trouble Starring Donald Duck
  • Prince of Persia
  • Aztec Adventure
  • Rescue Mission (Light Phaser, não sei se vai dar pra jogar, requer TV de tubo oval)
  • Choplifter
  • Black Belt
  • Jogos de Verão
  • Maze Hunter 3D
  • The Lucky Dime Caper Starring Donald Duck
  • Street Fighter II
  • The Simpsons Bart vs Space Mutants (se o TH adora o de NES, vai amar esse)
  • Strider
  • Ghouls’n Ghosts
  • Super Monaco GP
  • Galaxy Force

Claro que eu vou jogar mais games do console, mas por enquanto são estes! Vai que pintam cartuchos novos por aqui? Eu vou adorar! Mas ainda tinha mais coisa, muita coisa por sinal!

Do pacote todo, o segundo item que mais me estremeceu foi o…

Nintendinho Playtronic com 2 controles e Super Mario 3

Esse era para ter sido o “presente” principal, mas apesar de estar lindo por fora, ele estava muito danificado por dentro e raramente um cartucho colocado nele funcionava. Quando acontecia da imagem aparecer na TV, era com as cores todas detonadas e o jogo travava após alguns minutos, isso além de o botão RESET simplesmente não funcionar. Eu precisava de uma assistência técnica urgente, pois se tinha um aparelho eletrônico que eu sempre quis durante toda a minha vida, este sempre foi um Nintendinho 8Bits, e não é que graças a isso eu acabei encontrando uma autorizada Tec Toy aqui pertinho de casa? Sim, é Tec Toy, mas concertam qualquer tralha eletrônica que a gente leve lá, e isso foi uma ótima notícia mesmo apesar deles não terem conseguido concertar o Nes (e outro console que eu falarei jajá).

Após uma semana, eles me disseram que havia defeito no chip principal da placa mãe devido a uma tentativa de destravamento que provavelmente havia sido realizada pelo Shrek, pois simplesmente estava faltando um téco do chip! Impressionante o nível de leveza do cidadão que fez aquela arte! Mais uma tentativa de concertar o bichinho foi feita: o Senpai tinha um console igual que só funcionava “maiomeno” direito depois de esquentar, e nós resolvemos fazer uma fusão nos 2 pra ver se sairia um inteiro. O resultado até que foi interessante: placa mãe e conectores de controles de um, slot de cartucho e placa de decodificação de sinal do outro, e o Frankenstain 8bits quase ficou perfeito: tudo funciona, mas algo faz com que o som do aparelho não role direito, é como se ele não conseguisse processar 3 sons ao mesmo tempo. Por exemplo: está rolando a música de fundo e o som de tiros, se entrar um terceiro som a música de fundo simplesmente pára enquanto ele durar. É uma pena, ele ainda está aqui aguardando manutenção. Espero que um dia eu consiga deixar ele 100%… Preciso voltar lá na Tec Toy com ele!

E por falar na Tec Toy, eu levei mais 2 consoles lá da doação, e um deles foi…

o Telejogo Philco

Pois é, veio um TELEJOGO PHILCO naquele pacotão de consoles doados! E eu corri pra fazer ele funcionar na LCD e não é que ele deu imagem? Mas alegria de ver o fantástico (sem sarcasmo) PONG rodando naquela telona durou pouco:   o “time esquerdo” não se movia. Voltou da assistência junto do NES sem concerto por falta de peças de reposição, e assim, para que ele não ficasse aqui encostado criando poeira, eu resolvi mandá-lo para a Bahia!

Pois é, caros amigos retroaventureiros, eu o enviei para o amigo Eric Fraga do excelente Cosmic Effect para que ele, que tem alguns amigos manjadores do assunto “consertamento de videogames velhos”, pudesse tentar reparar o aparelho, e ele o recebeu com todos os agradecimentos cabíveis. Quem sabe em breve o aparelho não reaparece concertado? Espero que ele consiga!

Assim, o único console que voltou consertado da Tec Toy foi o…

Dreamcast TecToy com 2 controles, VMU e Rumble Pack

“Sabat, o Dreamcast veio quebrado também? Mas caramba, tudo veio quebrado?” você deve ter pensado ao ler que mais um console estava no conserto. Mas eu lhe digo que não, caro amigo retroaventureiro: o Dreamcast Chinês veio em perfeito estado e funcionando totalmente bem! O que veio quebrado foi o Tec Toy, que estava com a carcaça estourada e com o canhão danificado. Pois é, quando eu abri aquela bendita sacola eu dei de cara com 2 DREAMCASTS!

Depois do conserto de um (que envolveu troca de carcaça e canhão), e limpeza do outro, ambos estavam impecáveis, com as carcaças branquinhas, completos com controles, cabos originais, etc, e a minha intenção era simplesmente ficar com um deles e me desfazer do outro. Foi quando eu decidi baixar umas isos pra jogar e… bem, no Game Cube eu joguei Ikaruga (Fuck Yeah Treasure!), Sonic Adv 1 e 2, Skyes of Arcadia,  e no PS2 eu joguei um pouco de Code Veronica… Convenhamos que não sobra muita coisa para aproveitar no console né? Por isso nem vou me aprofundar nesse assunto, mas digo que simplesmente não me senti atraído por ele…

O que fazer então? Eu tinha dois, havia gasto 150 Dilmas para arrumar um deles, e não ia jogar nenhum, que ótimo!

Foi quando me apareceram 2 pessoas muito interessadas nos aparelhos, e interessadas de uma forma que calharia perfeitamente com as minhas necessidades. É uma história que, juntamente com os relatos do que eu fiz com o Turbogame CCE e o Mega Drive pelado que também me foram enviados no pacotão, já foi contada antes e vocês podem conferir aqui na matéria Redenção Gamística: Sega Saturn + Sabat = pecados absolvidos! que eu escrevi a um tempinho atrás, então de forma resumida, digo apenas que me desfiz dos 2 consoles, sendo que vendi um, e troquei o outro por algumas “coisitas”.

Claro, o amigo retroaventureiro já sabe que uma destas coisitas foi um Sega Saturn marrento que meu amigo Gabriel do falecido blog GL Stoque tinha lá encostado, e me ofereceu a troca! E hoje, graças ao meu amigo Senpai eu já tenho 2 controles, um cartucho Region Free e um de backup! Estou no aguardo agora da chegada do cabo AV que eu comprei para não ter que usar aquele cabo RF tosco com conector de antena que veio junto, mas posso dizer que as maiores ajudas recebidas para que eu possa começar logo a jogatina vieram na forma dos 2 primeiros títulos que eu jogarei no console:

O Primeiro é Parodius, e o game é do Senpai, que me emprestou por tempo indeterminado, ou melhor, até eu ter tempo pra jogar e escrever, o que vai acontecer depois que eu finalmente decidir que televisor que vai entrar aqui na salinha do vício (estou muito de olho na TV de tubo 21″ Samsung da minha mãe, hehehe). O outro é Shin Shinobi Den, ou Shinobi Legions por aqui, game que me foi gentilmente cedido pelo retroaventureiro Sergio Trajano, ao qual eu agradeço demais e reforço: vou começar a jogar já já, falta pouco!!

Mas as coisitas não acabaram ainda, e a história que eu ainda não contei é que vai ser a mais legal. O Gabriel já havia me prometido algo a muito tempo atrás que pra ser bem sincero com ele e com vocês, eu não havia levado muita fé. Era um presente, acho que por admiração que eu nem mereço, coisa de quem tem palavra, de quem promete e cumpre. E foi só depois que realizamos a troca dos aparelhos que eu realmente botei fé e me surpreendi com o cara, pois lá estava, junto do Saturn, aquilo que ele havia me prometido.

Eu agora era dono de um…

Pier Solar Reprint Edition para Mega Drive

Caros amigos retroaventureiros, adivinhem qual vai ser o jogo da minha próxima Retro Aventura (acho que vou mudar o Aventurando-se para apenas Aventura)!

Eu simplesmente caí sentado, e foi difícil segurar a língua até agora para não contar essa novidade a vocês. O Gabriel havia conversado comigo meses atrás que havia encomendado a versão Reprint PT BR do jogo que chegaria em breve, e que quando isso acontecesse, ele me daria o seu Pier Solar Reprint USA-EUR para que eu pudesse jogar e fazer uma bela de uma análise do game. O cartucho chegou, está virtualmente novo, é lindo demais, e eu não vejo a hora de por a detonação dele em prática!

Confesso que nunca esperei realmente ter um Pier Solar, ainda mais agora que a criatividade da Water Mellow deu lugar à monetização do título (em vez de criarem outros jogos, vão querer ganhar dinheiro portando Pier Solar a torto e a direito), e isso não se devia a questões de preço ou disponibilidade, era simplesmente por que eu sempre considerei esse game algo bem distante da minha realidade e nem sei dizer o por quê. Vontade de jogar, isso sim eu tinha demais, e ainda tenho. Então pouco me importa se essa versão só tem os menus traduzidos, pois joguei a vida toda lendo o inglês e nunca arreguei pra dicionário nenhum na hora de traduzir frases para entender histórias, por que eu faria isso agora? Podem aguardar que está também prometido: Retro Aventura Pier Solar – Sabat e os Grandes Arquitetos!

E voltando ao pacotão de coisas que eu recebi de uma pessoa só, ainda tenho que destacar o…

Play Station 1 tijolão

Esse tava feio… A carcaça tinha um arrombo na tampa onde alguém havia colocado uma chapinha de acrílico de modo “tunar” o aparelho, ou seja, dava pra ver pelo buraco o cd girando lá dentro com a tampa fechada. O canhão estava todo torto, e quando desmontei para limpar, descobri que ele estava apoiado em pedaços de papel amassado, bizarro! Mas por incrível que possa parecer, eu coloquei um Chrono Trigger Caolho dentro e funcionou! Leu direitinho, e sem fazer muito barulho!

Mas ai começou o mistério… Consegui uma carcaça em bom estado e borrachinhas originais de apoio do canhão, e depois que realizei a troca e instalação, parou de ler… Como eu não tenho nenhum jogo original pra testar se foi o destrave que pifou, vai ficar parado então aguardando que algum desses apareça, e só depois eu vou saber o que fazer com ele. Detalhe é que esse controlinho original infelizmente não está funcionando, mas eu nem comecei direito a mexer nesse console ainda, então, vamos dar tempo ao tempo!

E finalizando as referências ao que me foi doado nessa talagada, chegamos ao momento de falar do monte de cartuchos dos mais variados tipos, tamanhos e sistemas, mas que eu vou resumir em uma única foto cheia de pancadaria da melhor qualidade:

Pessoal, eu recebi MUITOS jogos, tinha uma sacola cheia de cartuchos de Mega Drive, Master System, Super Nintendo, Nintendinho, e até um de Odissey figurava lá no meio com caixinha, manual e tudo mais (Um tal de Pegue o dinheiro e corra!) que ainda está aqui comigo. Se algum colecionador quiser fazer rolo, é só pedir!  Mas tinha muito jogo pirata, quase todos na verdade, e muitos deles eu já tinha para o Mega originais ou em melhores estados, então eu peguei tudo e comecei a fazer trocas… foi daí que surgiram aqueles 20 jogos de Master System!

Dos que sobraram, eu dei alguns para o meu cunhado (que acaba de completar 14 anos e se tornou um viciado em jogos antigos), e guardei aqueles que me apeteceram, resumindo, esses 4 ai em cima. E não quero nem saber se as versões de SNES são isso ou aquilo, eu joguei esses ai MUITO na época, adoro os 4, e vai ter RetroReview de todos!

Isso fecha a maior doação que já me deram desde que comecei a receber aparelhos antigos, coisa que se iniciou com aquela velha história do 3Do perdido, a 1 ano e meio atrás, mas não fecha o ciclo de coisas pendentes não, ainda faltam algumas tralhas a serem mostradas.

Como eu já disse lá no início, eu tive um problema com o meu gerenciador de e-mails, e acabei perdendo as conversas que eu tive com as pessoas que me doaram essas coisas todas. Não tenho mais nem os nomes delas, mas eu queria muito lembrar quem eram três delas. A primeira, o cara que me doou o Master III. A segunda, esse cidadão ex-dono de game locadora que me deu essa montoeira de coisas legais. Já a terceira, essa é um caso a parte.

A terceira pessoa me deu…

O meu Novo Phantom System Super Full Gold Edition

Não é novidade para os leitores do Retroplayers: eu vendi meu Phantom System para comprar o meu Mega Drive, e durante boa parte de minha vida, eu sentia dor de arrependimento toda vez que me lembrava disso.

Mas agora eu acredito que existem coisas que acontecem conosco somente para tapar feridas abertas.

Bem, um dia eu recebi um e-mail de um senhor, ele afirmava residir no Rio de Janeiro, dizia ter encontrado o Retroplayers por meio de uma busca na internet. Ele procurava pessoas interessadas em receber doações de alguns videogames que ele tinha, e eu estranhei, pois tá cheio de colecionadores pela internet ávidos a receber qualquer tipo de doação. Mas durante nossa troca de e-mails, ele me disse ter se interessado pelo RP devido à maneira com que nós aqui tratávamos o assunto, algo que ia muito além do simples colecionismo. Em outras palavras, ele não queria que seus aparelhos caíssem nas mãos de colecionadores, e por isso, ele insistiu (sim, insistiu) para que eu desse um jeito de retirar os consoles lá em mãos ou ele iria jogar tudo fora em uma caçamba de lixotal, sério, juro! Por sorte, tenho bons amigos lá na terra do Cristo Praiano, e um deles se prontificou a pegar as coisas para mim e trazer pra SP na sua próxima viagem, o que na ocasião, não iria demorar mais que alguns dias. Bem, retiradas as mercadorias, meu amigo me ligou e disse exatamente isso: “Sabat, você não vai acreditar no que eu estou levando“.

Dito e feito, nas duas sacolas que ele me estendeu quando chegou aqui em SP, estavam o Phantom System mais lindo e completo que eu havia visto desde o meu finado (ou apenas perdido) console, alguns cartuchos extremamente bem conservados, e este…

SuperGame CCE VG 2800

Eu simplesmente pirei!

Os dois aparelhos estavam lindos, em suas caixas, com seus manuais, isopores, e a única coisa que faltava no VG 2800 eram seus controles originais. No lugar deles, vieram 2 controles da Dynacom que eu troquei por estes 2 originais do Atari 2600, e adivinhem agora, caros amigos retroaventureiros, por que foi que eu resolvi fazer aquela maratona de reviews de jogos deste sistema? Claro, foi por que eu liguei esse troço na TV só pra testar, e não parei mais de jogar três dos games que vieram nele: Pitfall, Frogger e Enduro! Foi a doação deste console que acarretou nas 11 matérias que eu escrevi para o Retro Especial: Ponto a Ponto no Atari 2600, e eu tenho certeza que o mesmo acontecerá com o Sega Saturn e com o Master System.

Tudo estava extremamente bem conservado, consoles, acessórios, jogos… Não me atrevo a pensar no que poderia ter feito com que aquele senhor (eu sei que era um senhor justamente por que o meu amigo que retirou as coisas pra mim confirmou que era um tiuzão) se desfizesse de tudo isso, mas passado o extasie, mandei um e-mail para ele agradecendo muito, contando que a muito tempo atrás, eu havia tido um console igual àquele, ao qual eu me arrependia até então de tê-lo vendido, e disse que trataria aquele Phantom como se fosse meu e cuidaria muito bem dele, mas ele jamais respondeu de volta.

Uma pena.

Mas resta dizer que eu ainda vou trabalhar neste Supergame CCE, pois fora a troca de controles e a jogatina de testes que durou bem mais do que deveria, eu ainda preciso dar um belo banho de manutenção nele! Não perde por esperar!

.

Acho que consegui falar de quase tudo que me foi entregue aqui, né? Provavelmente eu até cole esse textinho humilde lá na página de doações do RP, que anda mais desatualizada que meu tweeter (nem sei mais o que é isso).

No final das contas, as coisas não se acumulam aqui em casa, e é assim que eu prefiro. Estou muito feliz com o alcance que as doações alcançaram até o momento, e com o que elas estão proporcionando para mim em termos de diversão e novas experiências de jogo, coisas que com toda certeza, cedo ou tarde brotam aqui no Retroplayers para que você, leitor retroaventureiro, possa colher os frutos.

Deixo o meu obrigado a todos aqueles que contribuíram até hoje para que esse texto enorme se tornasse possível, e para aqueles que lerem e aprovarem tudo o que fiz e farei com as muitas coisas que recebi, o meu obrigado é o mesmo! E que outros textos como este possam aparecer por aqui, deste mesmo tamanho, trazendo novas experiências, relatos, e se Deus quiser, a mesma satisfação que sinto para com tudo isso, pois é isso que me move.

Fim


Sobre Sabat

Dono, Chefe, Gerente, Cara da Xérox e Tia do Café do RetroPlayers! Meu negócio? Falar sobre games. Como? Escrevendo meus trabalhos, gravando minha voz horrível, ou filmando minhas humildes proezas! Onde? Aqui, ali, ou onde quer que me chamem!
Adicionar a favoritos link permanente.