Crônicas Gamísticas: Enganados Pela Nostalgia


A Nostalgia é uma das experiências mais bacanas que podemos experimentar ao jogarmos games antigos. É muito gratificante poder reviver clássicos da nossa infância/juventude e ter aquela sensação de voltar no tempo, com uma visão mais madura sobre a mesma situação de outrora.

É bacana demais, porém, catso, como podemos nos enganar tanto em alguns casos? Meu, as vezes você busca um jogo por dias/meses/anos sem ter muitos detalhes sobre o jogo em questão, sua busca se torna uma odisseia, quase um dos 7 trabalhos de Hércules! Mas enfim você encontra o desgraçado! Ali está! Forasteiro! Seu jogo! O jogo que você tanto procurou, com algumas pequenas imagens passando pela sua mente, lembrando de poucos detalhes, mas caramba, como o jogo era bonito! É aqui que começam os problemas…

O cérebro humano é incrível! Uma máquina capaz de grandes coisas, inclusive de te enganar de um jeito que só ela conseguiria! É f#%@, você imagina seu jogo de uma maneira muito melhorada! Seu cérebro parece um idiota, lembrando as coisas com muito mais glamour do que realmente havia. O jogo era normal, mas você se lembra dele como sendo sensacional, e isso dura até a gente por as mãos no dito cujo, que é quando percebemos que na verdade a coisa não era tão sensacional assim… Pode ainda ser bom, render horas de jogatina, mas, em alguns casos, o jogo está tão diferente do que você esperava que chega a ser uma decepção.

Daí é foda! Você se sente um idiota! Tanto tempo procurando pelo jogo e agora que encontrou não consegue jogar mais do que 5 minutos! Qual o motivo de você não lembrar dos defeitos do game? O que acontece com seu cérebro? Ele está querendo ferir seus sentimentos? Merece uma facada?

Droga cérebro!! HOUGH!!

.
Não é a toa que a maldita nostalgia já foi até considerada doença no século XIV! Primeiro pelo fato de que a Nostalgia é uma situação em que você sente falta de algo, mas seu cérebro idealiza aquele momento como sendo algo fantástico, algo que realmente faria a diferença na sua vida se acontecesse agora, e em algumas situações, isso acontece de forma tão exagerada que faz com que a pessoa persiga esse momento de maneira nada saudável. Por isso que as vezes o jogo que você procura não é tão bom quanto você imagina: você está sob o efeito da nostalgia, que já te fez aumentar tanto suas expectativas que, quando chegar a hora de jogar, você pode facilmente se decepcionar. E aí meu amigo, o choro é livre!

Esse risco é real, acontece, já aconteceu comigo com um game muito maroto da época do Mega Drive. Procurei pra caramba o maldito jogo, muito mesmo, desde a época em que a internet não era ainda popular no Brasil lá pra meados do final dos anos 90. Vasculhei de cabo a rabo uma lista enorme de roms que eu tinha no meu PC de jogos do Mega Drive e nada do desgraçado! Era um jogo que eu sabia poucos detalhes, havia jogado quase nada em uma locadora de videogames. Eu lembrava que o personagem saltava em nuvens, quebrava umas estatuas pequenas e tinha um parceiro que lembrava muito uns inimigos de Super Mario Bros 3 (Nipper Plant). Só isso, sendo que não sabia o nome da tal Nipper Plant e não sei se isso ajudaria na busca…

Enfim, procurei demais, e acabei encontrando o game há uns 7 anos atrás, mais ou menos. Pensa na alegria desse desgraçado aqui! =D

Sorriso de orelha a orelha (Bônus: fale várias vezes a palavra orelha rapidamente), felicidade estampada no olhar, rom baixada com sucesso e, enfim, eu colocaria as mãos no game que eu mais procurei na vida! Injetei a rom no emulador e pimba: o jogo começou! Eu tive certeza que era esse jogo logo na primeira imagem que encontrei na internet, mas mesmo assim, ele me parecia um estranho… tipo um parente que você tinha pouco contato, mas ele mudou de cidade, ficou anos fora e quando retornou, você até chega a reconhecer o safado, mas não é a mesma coisa… EntãoFoi assim com o jogo.

magical-hat-no-buttobi-turbo-daibouken-j-004

Po$#@! Que decepção maldita! Quanta coisa ruim que meu cérebro havia escondido de mim! Não tava bom só ter as lembranças antigas na cabeça? Não, claro que não, eu teimoso que sou, ao invés de aceitar esse presente em forma de memórias agradáveis, quis reviver a experiência! Bicho burro!

Joguei por alguns minutos e desliguei tudo. Apaguei as luzes de casa e fui dormir. Era o que me restava. O jogo é bom, não é ruim não, mas eu pensava que era muito melhor. MUITO! Pensava ser o jogo da minha vida, mas na verdade era o jogo da minha nostalgia. São duas coisas diferentes!

Depois de dar tudo errado nessa busca, com a realidade não atendendo minhas expectativas, decidi que iria parar de procurar games antigos me baseando em nostalgia… Mas não consigo! Eu sempre busco mais, parece que vicia! Dias atrás eu assisti He-Man! Xinguei pra caramba! Como eu pude gostar de assistir aquilo no passado!? Desenho horrível rapaz! Táloco! Meu cérebro me enganou de novo!

he-man-jon-chu-camp

Você já passou por isso? Experiência ruim ao buscar um jogo ou desenho ou brinquedo da sua infância e que, quando pegou em mãos, viu que não era nada daquilo que você imaginava? Sim? HAHA! Se ferrou! Igual a mim! Vou rir da sua cara pra ver se isso levanta minha auto estima, já que a nostalgia faz questão de me mostrar o quanto eu sou facilmente enganado por mim mesmo. Mas vou fazer isso rápido, porque tá quase na hora de começar o He-Man e eu não posso perd… Mas hein?? CÉREBRO MALDITO!

Fim


Sobre Visio

Um dia você acorda e se assusta com o reflexo no espelho. Percebe que o tempo e a força da gravidade diariamente trabalharam com tanta força e gravidade que talvez não haja mais tempo. Foi assim que a vida passou e enquanto ela passava, estando ocupada demais em me manter vivo, eu simplesmente vivia. Foi vivendo que escolhi gastar muitas horas jogando. Jogando eu refleti sobre a vida e, enfim, me tornei o que sou: Vivo
Adicionar a favoritos link permanente.