Nintendo Switch Receberá a Pior Versão de DOOM, Será Mesmo?


Agora a internet pirou! Virou do avesso! Tudo consequência de uma declaração de um funcionário/representante/porta-voz da Bethesda que resolveu comentar o lançamento de Doom no Nintendo Switch dizendo:

“Ao trazer o Doom para o Switch, nosso foco é manter a experiência consistente e fluida a 30 FPS”

.

Foi o suficiente pra criar uma onda de comentários negativos ao game no Nintendo Switch. A maioria dos comentários possuem um teor de deboche, zoando sem dó a fraca performance do console em pleno ano de 2017. Nessa discussão houveram 3 tipos de argumentos e na sua maioria se distinguiam dessa maneira:

Donos de console da concorrência:

Switch fraco, pior versão do jogo. Um console lançado em 2017 que não consegue rodar um jogo de 2016.

.

Os “Master Race”:

Melhor receber o jogo com performance adaptada do que não receber.

.

Donos de Nintendo Switch:

Vou comprar, não ligo pra gráficos.

.

Nintendo Switch

Logicamente que eu generalizei pra deixar o artigo mais polêmico, pois existem entre esses grupos pessoas que conseguem analisar a situação sem precisar se esconder atrás de uma bandeira/marca de console. O fato é que analisando friamente, o cenário estava dividido dessa maneira mesmo, com esse bando de acéfalos argumentando um monte de besteira simplesmente pra justificarem a sua escolha. Aí você se pergunta: “Como assim justificar uma escolha?”

A maioria das questões passionais envolvem uma escolha.

Vamos trazer essa situação para os times de futebol, marcas de carro, viagens de férias, enfim, toda vez que uma pessoa faz uma escolha, ela se sente na obrigação de justificar essa escolha, mesmo que mentalmente, pois analisou (ou deveria ter analisado) outras opções antes de optar pela escolhida.

Justificar mentalmente não é problema. Ah se todas as justificativas ficassem na mente desses energúmenos!  É justamente quando querem justificar essa tal escolha para o próximo que a palhaçada toda começa. Daí ninguém segura! O orgulho toma conta e a pessoa faz de tudo pra provar que fez a escolha certa!

Velho, pense um pouco nisso: Se você for uma dessas pessoas que não aceita que falem mal do seu videogame, entenda que você está apenas defendendo uma escolha. Uma maldita escolha. Uma escolha besta que não vai te transformar numa pessoa melhor ou mudar a sua vida. É uma escolha idiota para um hobbie. Um brinquedo! É o cúmulo! Você, deixando de se divertir com seu videogame que você prontamente escolheu, para acessar sites e discutir sobre a sua escolha ser melhor do que a do amiguinho. Caramba, é muita infantilidade, não acha?

Comparações gráficas já pipocam na internet há alguns dias, mostrando perda considerável nas texturas e agora no FPS, mas… Alguém se lembra da palavra “proposta”?

.

Imagine o cara, dono de um Golzinho discutindo com o dono de um Corsinha, os dois tentando justificar qual carro é melhor. Depois de uma longa discussão que, obviamente, não chegou a lugar algum, ambos saem do local pedalando de bike. PEDALANDO SIM! Porque o carro está em casa, na garagem, desligado. É assim que são as discussões na Internet quando querem provar que o MEU console é melhor que o SEU console. Não é questão de um console ser melhor que o outro, pois isso é fácil de decidir, basta entender alguma coisa do assunto, analisar dados técnicos, ver se a biblioteca te agrada… Mas não, o que está o em jogo é o MEU e o SEU. A escolha. Eu escolho ignorar essa babaquice.

O fato é que Doom de Nintendo Switch será sim tecnicamente a pior versão para consoles de mesa, mas também será a única com opção portátil, ou seja, se existe uma balança aí, então ela deve levar em conta que o jogo foi idealizado para rodar bem tanto no modo TV quanto no modo Portátil. Agora se isso não agrada a você, caro amigo contador de frames, então cuidado com os jogos futuros que os consoles da concorrência receberão. Como exemplo temos o Destiny 2 que rodará a 30fps nos poderosos consoles de mesa PS4 Pro e Xbox One X. Quer 60fps? Só nos PCs.

Nintendo Switch

O que isso significa?

Nada meu amigo, NADA!

Apenas mostra que as pessoas defendem mesmo uma escolha, e não se importam VERDADEIRAMENTE com 30 ou 60 fps. O que eles querem mesmo é desqualificar a escolha dos outros.

Se você for imaturo o suficiente pra cair nessa armadilha, enfim, a ignorância é uma bênção, divirta-se nas discussões pela internet à fora. Mas se você entende que sua vida não mudará com isso, então você terá total liberdade para jogar tanto Doom no Nintendo Switch e se divertir, quanto Destiny 2 no PS4/Xone e também se divertir. E não é isso que buscamos com os games?


Sobre Visio

Um dia você acorda e se assusta com o reflexo no espelho. Percebe que o tempo e a força da gravidade diariamente trabalharam com tanta força e gravidade que talvez não haja mais tempo. Foi assim que a vida passou e enquanto ela passava, estando ocupada demais em me manter vivo, eu simplesmente vivia. Foi vivendo que escolhi gastar muitas horas jogando. Jogando eu refleti sobre a vida e, enfim, me tornei o que sou: Vivo
Adicionar a favoritos link permanente.
  • Renan Pinheiro

    Que homão da porra.
    Baita texto!

  • “Ain vain rodarn són comn trintan efen pen essen? Credon!”
    Vapapú, que galera chata do caramba!
    Isso aí, Giba neles!

    • Visio

      Segunda feira é dia de ficar puto!

  • Até mesmo quem curte PC e tem PC para jogos não deveria ser escravo das especificações técnicas. Entendendo que o PC é a forma mais poderosa de se rodar um game. Imagine então os outros usuários de consoles. A proposta do jogo, como você mesmo cita Visio, é o que importa. Gráficos também são importantes, mas não podem ditar, como se fosse um item absoluto, se um jogo é bom ou ruim. Eu também gosto da ideia que é melhor receber um jogo adaptado do que não receber.
    Mas agora entrando no mérito da questão. 30 vs 60 FPS. Não faz sentido que todo santo jogo lançado a gente fique discutindo esse tipo de coisa se, ao que parece, o Switch não tem o mesmo “motor” que os outros. Cada console tenta se virar do seu jeito e é por isso que cada usuário tem, ou deveria ter, um console de acordo com seu perfil e expectativas. Eu não acho que a zoeira e as brincadeiras de console vs PC ou console vs console devesse acabar. Acho que é saudável. Mas em muitos casos a coisa toma uma dimensão doentia mesmo. Provavelmente são pessoas com problemas pessoais que externalizam seu ódio justamente com o videogame. Uma pena. Um desperdício.

    • Visio

      Bem isso Ulisses! Eu generalizei justamente pelo fato de termos pessoas com essa postura, por mais que não sejam a maioria, que gostam de rebaixar e desqualificar os outros para se sentirem bem, uma questão de auto afirmação a nível doentio mesmo.
      Eu fico feliz quando vejo pessoas sensatas, iguais a você, que sabem discutir, que mesmo discordando vão encontrar algo em comum para criar um ambiente amigável, afinal temos o mesmo hobbie, a mesma paixão e é muito mais vantajoso se soubermos conversar decentemente. Todos ganham.

  • Tiago

    Por quê acéfalos?…só vi dizerem a verdade.
    E concordo plenamente que é uma vergonha a Nintendo MAIS UMA VEZ botar uma plataforma com especificações abaixo das concorrentes, mesmo vindo anos depois e ainda vender ao preço que vende.
    Infelizmente Nintendo já virou marca gourmet. Vende produto de qualidade inferior, com pouco a oferecer e mais caro que o normal.
    É sempre essa história “reclamou da Nintendo é hater tô super contente com minha escolha”, algum bom tempo depois a pessoa tá choramingando que escolheu ficar com o console da Nintendo e não tem um PS4/XBOX pra jogar os 95% dos jogos que não são porcamente portados pros demais consoles. Eu vi MUITO isso entre a galera que pegou o Wii U e bateu no peito que era a “melhor escolha, A MINHA ESCOLHA”, depois ficou chorando porque deveria ter pego outro console já que o Wii U não recebia praticamente nada.
    Os jogos da Bethesda no Switch, como o Doom e Wolfenstein II vão ser uma prova de fogo pra ela decidir se portará mais jogos futuramente, se vender bem sim, caso contrário, não…
    A faca de dois gumes ai é que na maior parte, os usuários de Switch que se interessariam por esses jogos já os jogaram provavelmente em um PS4 ou PC; e a parcela de nintendistas fanáticos não é o que eu vejo como público desse tipo de jogo…são pessoas bitoladas que SÓ compram algo se tiver um personagem da Nintendo na capa (Bayonetta 2 ter vendido pouquíssimo mostra bem isso).

    • Paulo Vitor Barbosa

      Pra quê? Por quê?
      Você sabe lêr? Se sim, consegue entender o que leu?

      • Visio

        Acho que não… mas não deve estar em um dia bom… sei lá o que aconteceu.

      • Tiago

        E você, sabe? Meu comentário foi pra apontar que a diferença esperada na qualidade de um jogo se refere ao valor investido. O Switch foi lançado praticamente duas gerações atrasado quase, e ainda assim, mais uma vez, oferece jogos com qualidade inferior. E a um preço ACIMA do que as concorrentes oferecem. Nem tudo é tão simples quanto “tá sendo hater”; as pessoas deveriam considerar no que estão investindo DINHEIRO. Comprar um Switch ao invés de um PS4 por exemplo é o mesmo que pagar o preço de um pote de sorvete de marca por um picolé caseiro gourmet. Só a Nintendo consegue se safar com essas práticas hoje em dia.

        • Visio

          Tiago, entendi seu ponto de vista, quem sabe num artigo futuro eu consiga abordar o tema da maneira que você expôs, pois consigo visualizar um pensamento interessante aí, apesar de ainda não entender o teor dessa preocupação toda em disseminar essa visão. Pra mim o maior impeditivo de criar um artigo seguindo essa linha de raciocínio seria a fato de que, apesar de envolver dinheiro e consequências ao mercado, ainda assim não deixa de ser uma questão subjetiva, ou seja, se a pessoa gosta dos jogos da Nintendo ela vai comprar os consoles da empresa. Mesma coisa com produtos da Sony e Microsoft. É uma luta perdida, pois cada um decide sobre o que comprar baseando-se na sua experiencia pessoal. Isso é difícil de trabalhar.

          • Tiago

            Mas aí que está, cada um obviamente decide o que quer, isso é indiscutível. O que eu quis dizer é que o fato de se comparar os aspectos técnicos do jogo, é uma análise fria e lógica da coisa, também não merece ser tão desmerecida. Não nos esquecendo que os consoles da Nintendo terem sofrido pela escassez de jogos anteriormente se deu pelo fato dela não ter oferecido um hardware decente aos produtores de third. E que os ports de jogos para Wii e Wii U nunca foram bem recebidos e muito menos venderam bem. Obviamente não posso falar sobre Doom e Wolfenstein, porque ainda não sairam…mas GERALMENTE Nintendistas tem uma mania de boicotar jogos de outras empresas em consoles da Nintendo, e, pasme…muitos desses boicotes foram por jogos terem sido lançados em ports inferiores nos consoles dela (Watchdogs é um exemplo). E ao contrário do amiguinho lá que respondeu que eu sou hater pensa, eu tenho todos os consoles da Nintendo até o Wii U, o qual joguei bastante inclusive; mas isso não me cega ao fato de que muitas críticas ainda precisam ser feitas.

          • Visio

            Analises são bem vindas sim, mas precisam ser justas. Comparar PS4/Xone/PC com Nintendo Switch é muito descabível. “Ah, mas são todos vídeo games”. Claramente são propostas diferentes.
            Além disso, se estamos falando de analises técnicas, bem, os consoles PS4 e XONE está muito defasados em relação ao PC e, agora sim, estamos comparando 3 plataformas com a mesma proposta.
            Se você entende que a Nintendo lançou o Switch para buscar um mercado que não havia sido explorado de forma plena anteriormente, assim como ela já fez com Wii e com Game Boy, você entende que ela não entrou na tal corrida gráfica. Ela não quer isso, mas o pessoal insiste em querer comparar.
            Deixa os grandes e potentes brigarem entre si e a Nintendo correr por fora. Qual o problema nisso? Na verdade é uma vantagem para o mercado, temos mais opções. Eu não entendo uma pessoa criticar o Switch e não criticar os consoles que se propõem a oferecer jogos otimizados e não conseguem entregar isso no mesmo nível de um PC, por exemplo. Se estão concorrendo entre si, então deveria sim existir essa critica para eles, que você cita como necessária para a Nintendo. Não acha?

            Mas enfim, o que vale é uma leitura sadia do mercado atual. Sem criticas com o objetivo de desqualificar algo. Esse foi o objetivo do artigo desde o inicio.

            Obrigado pela discussão Tiago.

        • Paulo Vitor Barbosa

          Investimento? O mercado é muito maior que seu gosto pessoal. Nintendo não é gourmet, pois seus jogos e video games tem o valor semelhante aos seus concorrentes. Quer tecnologia de ponta? Compre um PC, pois consoles já nascem defasados. Video games são mais que especificações técnicas.

        • Altieres Lima da Silva

          A Nintendo faz isso porque as pessoas compram. Ela pode lançar o videogame dela falando que é revolucionário e pronto, vai vender milhões, mas só que ela não tem coragem de bater de frente com a Sony e com a Microsoft com um console normal e potente, pois os jogadores desde o tempo do Snes veem os videogames da Nintendo como brinquedos e mesmo se o hardware dela fosse igual aos seus concorrentes, todos ficariam com o pé atrás na hora de comprar. Eu mesmo iria preferir um PlayStation ou Xbox, já que com esses é garantido ter todos os multiplataformas sem surpresas. Acho que a Nintendo vai continuar assim, ela tá ganhado dinheiro e não tá batendo de frente com os grandões.

    • Visio

      Ué… Obrigado por comentar Tiago.

    • Mario Vermelho

      +1 hater que fez um texto gigante só pra enfiar no cu, pq ninguém vai ler tantas linhas cheias de merda

      • Tiago

        Resume bem o que é ser fanboy esse daqui…digno de pena.

  • Mario Vermelho

    Você detonou vários haters. Parabéns!

    • Visio

      Valeu! Esse artigo faz parte da coluna “Corre que o Visio tá puto”, lá no portal 2join. Toda segunda feira eu já acordo com raiva e aproveito pra descer a lenha hahahahaha =D

  • Danielson Araújo

    “caro amigo contador de frames”, kkkk, melhor parte. Velho, quando li Doom a 30 fps no switch no modo portátil, eu só li: Doom no switch no modo portátil. Kkkk. Pqp, Doom no switch veiiiiiiii. Obs: tenho pc que roda isso aí, mas nem quero. Quero é jogar na roça e em.viagens. kkk

    • Visio

      É bem por aí! O negócio é focar no lado positivo da plataforma e se divertir.

  • Bruno Santana Brito

    Eu acredito que a Nintendo colhe comentários negativos tanto de seus fãs quanto de possíveis novos usuários porque ela fez por merecer. Ela novamente veio com uma plataforma atrasada, expressivamente inferior as outras plataformas no mercado, usando como desculpa que esta fazendo “Algo inovador”. O fato de existir um modo portátil é excepcional, mas na real isso não faz diferença alguma para a maioria dos jogadores e principalmente não agrega a nada a experiencia com vídeo games que a pessoa vai ter.

    Eu não quero que pensem que estou ditando como alguém deve ou não gastar seu dinheiro, todos são livres para gasta-lo da forma que quiser, que fique claro. O que eu estou fazendo aqui é expressar a minha visão não só sobre o console, como também sobre as atitudes da Nintendo. Dando seguimento, eu concordo com quem diz que o lançamento destes 3 jogos da Bethesda vão ser cruciais para o futuro do Switch. Eles vão mostrar não só para os jogadores, como também para os desenvolvedores se vale a pena portar ou não um jogo TP para Switch.

    Tirando pessoas que possuem folga o bastante para investirem em múltiplas plataformas eu não vejo o Switch como opção para aquele cara que vai ter só um console. Na minha visão um console comprado apenas para se jogar exclusivos é uma perda de potencial já que a maioria dos jogos são de TP e também é ai que encontramos mais experiencias diversas. Por isso essa é a hora dos fãs da Nintendo abrirem os olhos e darem suporte ao Switch não só em relação aos exclusivos, mas também as TP que são as produtoras que realmente determinam o tempo de vida do console. E cá pra nós, um console com uma biblioteca não fraca, mas muito reclusa é um console sem atrativos reais, até porque ninguém fica tanto tempo cagando e a contrario do que dizem, principalmente aqui no Brasil, não é nada confortável ficar jogando em qualquer lugar ai pela rua… e nem pega bem jogatinas no trabalho kkkk.

    Espero que entendam que eu NÃO SOU UM HATER, meu primeiro console foi um Super Nintendo e eu tenho um sentimento muito bom pela Nintendo, ver um novo Shin Megami Tensei exclusivo para Switch me encheu de ódio sim, mas também me encheu de vontade de ter este console. Essa é a MINHA visão, não estou aqui querendo prega-la a ninguém, nem dizendo como alguém deve agir, por isso sejam educados também e não sejam paranoicos.

    Não me lembro de um momento em minha vida em que não estive jogando vídeo games. Meu primeiro console foi um Super Nintendo, o segundo um Mega Drive e a partir dai uma preferencia pelas experiencias presentes nos consoles da Sony me prenderam profundamente, hoje tenho um Super Nintendo, Ps1, Ps2, Ps3 e Ps4, alem de um PSP e um PC Gamer. Amo vídeo games e o meu objetivo para um futuro não só é colecionar outras plataformas, mas também jogar os mais diferentes e mais legais tipos de jogos.

    • Visio

      Fala Bruno! Valeu pelo comentário e fique tranquilo que não serei paranoico hahahaha
      Eu acabei de responder um comentário aqui que segue a mesma linha de raciocínio que a sua e uma palavra define a situação da Nintendo com o Switch: Opções.
      A Nintendo oferece uma plataforma diferente, com uma proposta diferente, biblioteca diferente, enfim, ela traz para o mercado um produto diferente do que é oferecido pela concorrência. É um produto que te atende? É um produto completo para o seu perfil? Quem vai responder essa pergunta é você e cada consumidor antes de efetuar a compra.
      Pode ter certeza que nesse mar de diferenças culturais e subjetivas certamente terão pessoas que gostarão da propostas do console e terão que pessoas que não gostarão. Só não é saudável nivelar todo o mercado se baseando apenas na nossa visão sobre uma escolha que fizemos e não estou dizendo que você está fazendo isso.
      Discutir, analisar, jogar, interagir. Tudo é válido se feito de forma saudável. =D

  • jandesf

    O artigo menciona um “bando de acéfalos argumentando um monte de besteira” mas não pára em momento algum pra se ligar que o que está fazendo é a mesma coisa: dando a própria opinião sobre um assunto, sem embasamento, pesquisa ou comparação. É um artigo dando uma bronca em quem se dá ao trabalho de ler (sem nem pensar se seus leitores merecem ou não essa bronca).

    Poderia falar sobre a surpresa que é Doom rodar tão bem no Switch. Poderia falar sobre como essas comparações que “pipocam” na internet estão também comparando os specs das versões mais simplificadas do jogo em PC e vendo como o jogo no Switch parece estar realmente otimizado. Poderia comentar sobre como é interessante o fato de que não é a primeira vez que a Nintendo faz isso, tendo lançado Doom pro SNES em uma versão que, comparada a todas as outras, é feia e lenta, mas permitiu com que MUITA gente sem PC pudesse jogar o que ainda é um dos melhores FPS de todos os tempos. Poderia comparar o Doom portátil do Switch com o Doom VR, e mostrar como a Bethesda está expandindo o alcance e versatilidade do jogo.

    Mas ao invés disso tudo, gasta o artigo inteiro dando bronca. Reclamando da imaturidade das escolhas dos outros sendo imaturo sobre as escolhas dos outros.

    E olha, eu concordo com o autor. Acho que cada um joga o que quiser como quiser. Eu por exemplo jogo Injustice 2 no PS Vita via Remote Play perdendo FPS e qualidade feliz onde eu quiser na minha casa, mas faço questão de jogar Sonic Mania na TV ou no PC pra não perder o framerate daquelas animações lindas no melhor pixel art que eu já vi. Mas pegar a opinião dos outros, generalizar e chamar de “bando de acéfalos” não é jornalismo, é opinião, e das mais preguiçosas.

    Bom, desculpa se soei grosso. É só que eu odeio artigo dando bronca no leitor. É como se o autor quisesse te penalizar por ler o que ele escreveu.

    • Visio

      jandesf,

      Esse artigo faz parte de uma coluna bem específica “Corre que o Visio tá puto” lá no portal 2 join onde ela foi lançada inicialmente. A Intenção é descer a lenha mesmo e infelizmente sempre atingirá alguém.
      Faz parte da proposta desse artigo trazer reflexão sobre atitudes e não sobre a Nintendo e Doom ou sobre os jogos anteriores da franquia ou sobre portar jogos ou sobre qualquer outro termo técnico que envolva o game e seu console.
      Outro ponto é que o artigo da uma bronca buscando expor um problema e explica pontos de vistas diferentes sobre o mesmo assunto, na intenção de auxiliar no entendimento de que cada pessoa tem seu direito de escolha e podemos conviver com isso, por mais difícil que pareça ser aceitar que “o que é melhor pra mim nem sempre é melhor para os outros”.
      Mais um ponto é a questão do direcionamento do artigo. Ele se torna uma bronca se você se encaixa no perfil criticado, porém o artigo se torna uma opinião comum se você também pensa da mesma maneira e gostaria de ver uma mudança de postura. Pontos de vista diferem nesse caso.
      É tudo bem simples, você acabou de ler uma crônica e ao escolher esse estilo de escrita eu levei em consideração a permissão que esse tipo de texto me traz para que eu apresente todas as minhas opiniões pessoais no artigo.
      O artigo que você procura não está aqui. Não há comparações técnicas precisas, pois elas não são necessárias para o que o artigo se propõe a fazer.
      Eu trouxe a oportunidade de reflexão ao leitor, tanto para os que concordam como para os que se sentiram atingidos e gostei muito do resultado. Inclusive la no porta2join teve um rapaz que chegou me xingando de burro, a discussão durou 3 dias e ontem terminamos ela conversando pontos em comum. Já valeu cada segundo que eu investi na ideia. ♥
      Toda segunda feira no porta2join você encontrará esse tipo de artigo. Ele é bem específico e a leitura lhe permite reflexões. Espero que o próximo seja mais do seu agrado, mas eu fiz questão de explicar toda a situação envolvida nesse tipo de artigo para que você entenda o motivo de ter um texto reclamando de reclamações dos reclamadores que reclamam pela reclamanet.
      Espero ter esclarecido, valeu por comentar e não, não achei que tenha sido grosseiro. =D

      • jandesf

        Ok. De qualquer forma fica a crítica: se você quer “auxiliar no entendimento que cada pessoa tem seu direito de escolha e podemos conviver com isso”, não começe o artigo generalizando todas essas pessoas e escolhas e chamando de “bando de acéfalos”.

        • Visio

          Obrigado pela critica jandesf.
          Como eu disse no artigo: “Logicamente que eu generalizei pra deixar o artigo mais polêmico, pois existem entre esses grupos pessoas que conseguem analisar a situação sem precisar se esconder atrás de uma bandeira/marca de console.”

  • João Roberto

    Incrível, mesmo é em 2017 as pessoas perderem tempo com discussões inúteis. Eu não ando procurando sarna pra me coçar, então não tenho lido reclamações quanto ao desempenho do Switch, console que provavelmente ou possivelmente comprarei no fim do ano que vem e, infelizmente, onde não jogarei Doom, pois já o tenho no PS4. E aqui vão dois pontos meus (que ninguém se importa, mas eu sim, e é o que vale).

    1. Doom é frenético no tiroteio, então, eu não passo nenhum pouco do meu tempo tentando ver se a textura está do meu agrado ou não. Acho que sou do “copo meio cheio”. Penso assim: Caramba! Eu vi Doom dos anos 90 virar isso? UAU! (e isso vale pra qualquer franquia/jogo de hoje em dia). Caramba! Eu adorei até Duke Nukem Forever, que todo mundo malha! (e admito que tinha problemas graves!)

    2. Meu pensamento bate com o que você escreveu. “É uma versão portátil!” Caramba! Até bem pouco tempo atrás o que tínhamos? Fora que a tela diminuta em relação à TV deve fazer um belo trabalho de abrilhantar o jogo, tal qual a tela do PSP fazia com seus títulos. No final, acho que todo vão elogiar mas sempre vai ter aquele que vai dizer “Aquela sombra lá no horizonte, bem depois daquela pedra, então, aquela pequenininha. Está vendo? No PS4 é mais escura do que no Swicth, esse console fraco…”

    • Visio

      Fala João!
      Tem muito disso em todo lugar na verdade. A internet potencializou nossas discussões dentro da locadora e transformou um monte de gente em especialistas.
      O importante é manter a sua postura, saber conviver com as diferenças. Acho isso muito válido!

      • João Roberto

        Falou tudo…

  • João Roberto

    E eu ia esquecendo… nem sei contar frames… Obrigado!

  • aki é rock

    Eu não ligo para essas pessoas que falam que vai ser a pior conversão feita para o Nintendo Swtich pois um dia quero ter esse videogame e com certeza vou querer ter esse jogo para jogar em minha casa sendo na tv ou jogando no portátil.