RetroReview Especial: The Dark Side of the SNES #03- Congo’s Caper
Por Rokuman Senpai Em 26 nov, 2013 as 03:05 AM | Com 2 Comments

Sinceramente, não consigo me lembrar os motivos que me fizeram alugar esse jogo na querida e finada locadora Look Game, mas certamente, eles se converteram em divertidíssimos momentos que até hoje são carinhosamente lembrados, e estão bem guardados em minha grandiosa mente gamística. O título me leva para a parte dos anos 90, em que eu levava o meu Super Nintendo pra onde quer que eu fosse, seja para a casa da vovó, casa da madrinha, casa dos amigos, enfim… Muitas lembranças fantásticas! E são essas lembranças de jogos como Battletoads & Double Dragon, Super Mario World, The Jetsons, e finalmente Congo’s Caper, que nostalgicamente me trazem de volta os bons tempos de “Super Nintendo Caixeiro Viajante”. E é hoje com grande prazer que me recordo dessas lembranças aqui no Retroplayers!

O jogo é da Data East, produtora que me proporcionou o prazer de jogar títulos como Side Pocket, Bad Dudes vs Dragon Ninja, B-Wings, Joe & Mac (opa!), e o meu favorito que é um clássico obscuro do Mega Drive, Two Crude Dudes. Depois da tela com o logo da produtora e uma pequena apresentação do personagem em quatro rápidos slides nos quatro cantos da tela, somos levados a tela de título, onde temos as opções de 1 ou 2 jogadores, password e option. Para falar a verdade, achei super desnecessário fazer com que esse jogo fosse para 2 jogadores… Não é simultâneo e muito menos cooperativo, trata-se daquele esquema antigo tipo Super Mario que quando o Player 1 morre, é a vez do Player 2. Pelo menos no Mario tinha o Luigi né… Aqui não: em Congo’s Caper o protagonista é um só, então o segundo player é apenas uma cópia.

Na tela de opções é possível apenas configurar os controles para os botões de ataque e pulo e o som do jogo para Stereo ou Mono. As passwords levam aos mundos já passados pelo jogador, os ícones possuem o formato de personagens e itens do game.

Ao apertar Start tanto nas opções de 1 quanto 2 players, diretamente aparece uma introdução, onde duas pedras mágicas avermelhadas caem do céu em contato direto com dois de seis macaquinhos que estavam em uma floresta. Esses macaquinhos se transformam em seres meio que humanos, com cauda de macaco (humano com rabo de macaco… Goku?), sendo um do sexo masculino e outro do sexo feminino. Após a transformação, os outros macaquinhos se afastam espantados. O tempo fecha, com um trovão anunciando a imensa escuridão que logo chegou. Eis que aparece nada mais, nada menos que o capeta em pessoa, que dá uma super tridentada sem dó no carinha, fazendo ele se transformar em macaquinho novamente, e logo em seguida rapta a menininha, fugindo voando com ela. Nesse mesmo instante, outra pedra mágica avermelhada cai do céu, fazendo o macaquinho retornar a ser meio humano. Esse macaquinho é você, jogador retroaventuriano, que controlará Congo na jornada para salvar sua namorada Congette raptada pelo demo.

Terminando a introdução, é apresentada na tela a sua pontuação, se você é o Player 1 ou 2, e um mapa com 4 fases, sendo que a que estiver piscando em vermelho é a qual o jogador irá se aventurar no momento. No último ponto do mapa, você terá que obviamente enfrentar um chefe ou líder (oi Sabat? XD). Ao terminar cada um dos mapas, você receberá um password para poder continuar o jogo de onde parou.

Eis que o jogo começa e aí está você na primeira fase dele. Na parte de cima da tela podemos verificar todas as informações necessárias para a sobrevivência do jogador, que vou agora detalhar tudo: do lado esquerdo temos uma carinha do Congo indicando a quantidade de vidas que o jogador possui e três marcadores em azul, que logo explicarei sua função; No meio da tela temos o Slot com três quadradinhos brancos, isso é um jogo de sorte que pode dar pontos, vidas e outros itens durante a aquisição de um item quadrado azul que fará uma espécie de roleta nos quadrados dos Slots; no lado direito temos a pontuação e a quantidade de diamantes amarelos adquiridos, sendo que da mesma maneira que o Mario pegando 100 moedas, o Sonic 100 anéis, Congo pegando 100 diamantes ganhará uma vida extra.Vamos aos comandos de jogo: os botões A e B pulam, X e Y ataca com a clava, lembrando que se pode acertar os inimigos que voam pulando e dando clavadas para cima, e o direcional para esquerda e direita movimentam o personagem. Apertando para baixo Congo se abaixa, sendo possível executar ataques enquanto se está abaixado. Ao segurar o botão L ou R enquanto anda, nosso herói correrá, um comando muito útil e meio que escondido, já que não aparece esses botões no options para serem configurados… bem estranho isso. Finalmente o salto mortal cambalhota: pule segurando o direcional para cima, e isso faz o personagem realizar um salto mais alto que pode servir de ataque aos inimigos na maioria das vezes. Na maioria, pois dependendo do ângulo que o salto/golpe é aplicado, ele pode falhar e o inimigo pode causar dano em Goku… ops, Congo.

E agora que já falei das informações da tela e dos controles de jogo, me deixa explicar aqueles marcadores azuis que ficam em cima dos marcadores de vida: existem várias esferas vermelhas espalhadas nas fases do game, e recolhê-las é o que enche esse marcador. Pegando três delas, o personagem realizará uma super transformação a lá Super Sayajin (bem que essa história de macaco e meio humano com cauda estava bem familiar, Goku que o diga). Só existem vantagens para esse modo e vou tentar me lembrar de detalhar todas: o personagem fica mais rápido; ele pode levar três pancadas antes de voltar à forma comum, sendo que enquanto estiver transformado pode pegar esferas vermelhas para recuperar o marcador que as acumula; é extremamente útil chegar transformado nos chefes, pois os saltos cambalhotas fazem você praticamente bater um papo com Deus lá no céu; e uma coisa super legal é que se você já estiver com o marcador no máximo, cada esfera vermelha que pegar a mais lhe dará uma vida extra! Dá pra acumular mais de 8mil vidas!! Maldito Kakaroto… ops, Goku… ops, Congo!!

Também tem um comando extra só possível de ser executado quando transformado, que é flutuar: depois de executar um salto mortal cambalhota, fique apertando seguidamente o botão de pulo. É muito útil em fases com espinhos e outros empecilhos. O que não dá pra reclamar de maneira alguma nesse game é a Jogabilidade: todos os comandos saem livremente e respondem de imediato, e a forma Super Sayajin é um espetáculo a parte, fazendo o jogo ficar fantasticamente divertido.

Já na primeira fase encontramos uma boa variedade de inimigos como Homens das cavernas, pterodáctilos do mal (e até do bem: o seu amiguinho que muitas vezes o levará para fases bônus recheadas de itens para acumular muitas vidas), e um dinossaurinho metido a fortão no finalzinho da fase, só pra dar um ar de susto do que virá mais para frente. Também na primeira fase se você meio que ativar o “Sabat Exploration Mode”, encontrará itens e uma parte bem plataforma já com abismos do mal. Daqui já dá pra ter uma boa noção do gráfico do jogo, que não está aquela perfeição do Super Nintendo, mas que também não deixa nada a desejar. Digamos que está super justo para um game de 1993, coloridinho, com algumas camadas de paralax e boa variedade de inimigos, sendo até alguns deles de tamanhos bem convincentes e empolgantes de se enfrentar. Passando o primeiro mundo e enfrentando o primeiro chefe, aparentemente a paz voltaria a reinar no mundo feliz de Congo e Congette, mas não é que o Capeta é persistente e a rapta novamente? Desta vez, são exibidos 4 novos capangas que serão os carmas dos mundos seguintes, agora selecionáveis, cada um oferecendo o famoso password, depois de devidamente completado (aka derrotando o boss). Então finalmente você irá ao mundo final para salvar Congette.

É claro, aproveitando a ocasião, preciso falar da dificuldade, fator de peso. As primeiras fases são tranqüilas, já o meio do jogo pode dar um pouco de trabalho. Apesar de ser um game curto, você poderá ficar meio que travado nas fases finais ou até mesmo em algum chefe devido o seu monte de energia, até fazê-lo cair e admitir a derrota. Um quesito que deixou um pouco a desejar foi a trilha sonora. Existem somente 4 temas de fase, sendo o primeiro o mais legal e empolgante de todos, o segundo sendo menos empolgante, porém muito nostálgico, o terceiro legalzinho e a quarta bem repetitiva e chata! Os temas de chefe comum e chefe final são muito legais, fazendo a trilha inteira ser apenas razoável de uma maneira geral. Todos sabem que dou uns pontinhos a mais quando o quesito é trilha sonora, mas esse jogo é cativante pela diversão.

Existe um motivo para que Congo’s Caper seja um game tão obscuro fora do Japão, e a culpa disso mais uma vez é dos malditos americanos: No oriente o título do jogo é Tatakae Genshijin 2: Rookie no Bouken, e isso se deve ao fato de ele vir da série Caveman Ninja, que são os jogos da franquia Joe & Mac! Congo’s Caper no Japão é o Joe & Mac 2, e o jogo que conhecemos aqui por Joe & Mac 2 na verdade é o 3: no Japão ele se chama Tatakae Genshijin 3: Shuyaku wa Yappari Joe & Mac. Explicando melhor (quase desenhando), o Joe & Mac 2 que conhecemos é no Japão (e também na Europa)  Joe & Mac 3, que é o certo, pois o 2 de verdade é o Congo’s Caper! Só os americanos pra fazer essas burradas, como sempre! Devido a essa confusão, muita gente no ocidente trata Congo’s Caper erroneamente como um “Spin Off”, e por isso ele ficou meio que desconhecido nas Américas, e por nós brasileiros.

Inclusive é possível ver referências dos personagens nos segundo e terceiro jogos: em Congo’s Caper (Tatakae Genshijin 2) podemos encontrar a estátua de Joe durante uma das fases do game, e em Joe & Mac 2 (Tatakae Genshijin 3 ou Joe & Mac 3 Europeu) encontramos um quadro com a foto de Congo, muito bacana!

A variedade dos cenários, os chefes que insistem em permanecerem vivos e a fantástica precisão dos controles são os grandes motivos para você, retroaventuriano que ainda não conhece este game, jogue imediatamente. Se você gosta de jogos com plataforma e uma boa dose de exploração, certamente vai se divertir imensamente ao tentar salvar Congette, e vale a pena! Não se enganem, pois não é a falta desses 30% de score que vão tirar a diversão que este jogo oferece.

Valeu galera! E até o próximo RoooooooockBusteeeer!!

 

Confira as partes anteriores:

#01 – Metal Warriors
#02 – Legend

Continua…

- Fã assíduo de Rockman / Megaman e também confiante do sucesso futuro de Mighty9. Defensor do Famicom / Nes com todas as armas inimagináveis. Mendorato + Skoll + Jogos Clássicos + Rokuman Senpai = Diversão Garantida! ^^

  • Leandro alves

    o pessoal numa locadora aqui no bairro jogava esse game, chamavam de “jogo do macaquinho” era legal, mas quase ninguém avançava muito. eu o tenho aqui e sempre paro na parte do dinossauro…argh!

    mas ainda sim é otimo de jogar

    • Rokuman Senpai

      Salve Leandro!

      É ótimo sim, avance e venha dar o seu veredicto para nós!

      Grande abraço!

    • Dav:D

      Vocês eram ruins mesmo… Risos… Eita!

  • Ivo

    Não conhecia esse jogo Senpai. Que me chamou atenção é a ilustração americana para a japonesa hahahaha XD

    Incrível com os americanos estragaram tanta coisa nesse época.

    Alias, não sabia disso sobre Joe e Mac 1 e 2 e o Congo´s Caper, muito legal. Joe e Mac é um clássico, mas não sabia da existência desse game entres eles.

    Muito bom o review Senpai. Parabéns. Abraços. Ivo.

    • Rokuman Senpai

      Eaí Ivo!

      Incrível foi o Sabat deixar o banner como a capa japonesa… Fiquei muito contente com isso XD
      Mas sim, os americanos são os campeões no quesito estragar as coisas, mas ele chamam de “adaptar ao modo deles”, o que eu chamo de estragar mesmo!

      Obrigado por ter gostado do Review e grande abraço parceiro!

  • Thiago Mascherpe Spinetti

    nuss mano adorava esse jogo!!! tinha no cartucho com varios jogos pirata!!! mais era muito massa!!! pena q foi roubado meu snes!!! mais pretendo coprar este jogo d novo!!!

    • Rokuman Senpai

      Oi Thiago!

      Por acaso é um cartucho que tem Congo’s Caper, Top Gear 1, Goof Troop, entre outros? eu já tive uma fita dessas, muito boa realmente!

      Se comprar o Congo’s novamente, termina ele e volta aqui para falar conosco…

      Abração!

      • Thiago Mascherpe Spinetti

        puts cara é sim!!! me roubaru ela da minha chacara!!! levaru meu super nintendo e master system e tambem uma mobilete!!! jogaru tudo por cima da cerca!!!

        • Rokuman Senpai

          Puxa vida maninho, que mancada! Espero que tu tenha superado esse fato desagradável…

  • Diogo Farias

    Eu adorava esse jogo véis! Mas infelizmente não sei o que aconteceu com a minha cópia… Daí tive que comprar no mercadolivre por 20 pila! xD
    E essas capas americanas são muito engraçadas, é tipo a do Megaman.
    Mas a minha preferida sempre vai ser a do Bomberman pra Turbografx 16!

    • Rokuman Senpai

      Salve Diogo!

      Esse jogo é nostálgico pra mim, parceiro! Sempre que bate saudade, eu jogo no emulador. Preciso pegar um Snes Powerpak novamente, não deveria ter passado o meu XD. E essas capas americanas realmente são de chorar (de rir ou de chorar de verdade mesmo T_T). Megaman 1,2 e 3 que o diga… O.o

      Abração!

  • Adriel Muniz

    Jogaço! Costumava jogar num cartucho “7 in 1″ de um amigo meu. Lembro que esse apesar de gostar muito desse game, não tive paciência para zerar quando criança e só fui zerar depois de adulto. A priori, não sabia que esse jogo faz parte da série “Joe & Mac”.

    • Rokuman Senpai

      Salve Adriel! Provavelmente seja o mesmo cartucho que o Thiago e eu conhecemos ^^

      Pois é. eu também achei bem curioso quando soube, mas é muita mancada dos americanos, e só dos americanos, mesmo pq tem as imagens nos jogos mostrando que são da série…

      Abraço!

  • diogo.j15

    nego tava esclerosado mermo qndo votou, os 3 primeiros sao jogos secundarios do sfamicom em termos de qualidade e inovaçao.

    • Rokuman Senpai

      Magina parceiro ^^

      Metal Warriors eu gostei pacas e olha que joguei pela primeira vez ao ler o review daqui XD… E o Congo’s eu também gostei XD… Já o Legend não dá … O Super Nintendo e o Super Famicom tá cheio de Beat em Up da hora tanto conhecido quanto obscuro… No Congo’s achei muito massa esse esquema de transformação…

      Mas se quer qualidade e inovação, aguarde o Review do Seiken Densetsu III, prometo detonar!

      • diogo.j15

        a materia pelo menos sempre salva, ate o sabat fez a do legend ficar legal, e esse sua ficou otima, so q na minha visao esse nao é um jogo merecedor o bastante.

        • Rokuman Senpai

          Puxa Diogo… Que exagero… Ótima? XDDDDDD

          Fico sem jeito parceiro ^^ Eu mesmo achei que ficou curto demais… Valei mesmo por ter gostado do Review!

          Agora fiquei curioso… Qual seria o seu Retroscore pra esse game?

          Grande abraço maninho!

          • diogo.j15

            cara por volta de 70 mesmo, na real tiraria uns 2 ou 3 pntos . mas o lance é que jogos como gambare 2, front mission, cold shadow, rock man & forth, alem dos infindaveis rpg incriveis dessa plataforma, seriam nomes mais coerentes.

          • Rokuman Senpai

            Entendi… Acredita que de tudo que citou com nome, eu só joguei a Rockman & Forte? Nunca sequer toquei em nenhum dos 4 goemons para este console, apesar de já ter terminado o primeiro para nintendo 64 (amo este jogo!)

            Grande abraço!

  • aki é rock

    Belo jogo esse viu eu não sabia que o Congo’s Caper era a versão japonesa pra mim era versão americana bom saber disso pois eu jogava muito na locadora.Eu zerei a versão chamada Joe e Mac pelo emulador e essa versão é a que eu jogava muito naqueles velhos bons tempos viu.
    Vou atrás pra conferir essas versões japonesas para poder curtir mais ainda viu valew pela dica Rokuman Senpai.

    • Diogo Farias

      Congo’s Caper é a versão americana. A japonesa é Caveman Ninja 2 (Joe & Mac 2).

      • Rokuman Senpai

        É isso aí ^^

    • Rokuman Senpai

      Salve Rock!

      É um jogo bacana sim! Para a época está muito bom! Mas é o contrário… Congo’s é a versão americana XD

      Obrigado por ter gostado do Review e grande abraço!

  • CODY

    Não sabia dessa historia das versões japonesas que eram continuação do joe e mac, me lembra aquela confusão que é tbm a cronologia do final fantasy japones com os americanos.
    Apesar disso mesmo sem saber dessa historia sempre achei o congo’s um jogo mto competente e de facil assimilação; Lembra um pouco tbm o rocket knight;

    • Rokuman Senpai

      Exatamente isso Cody… A mesma cagada americana com os FF IV, V e VI … Agora assimilar o Congo’s Caper com o Rocket Knight… Hum… o meu jogo favorito de Mega Drive… Hum… não sei XDDDDDD realmente não sei! Vou deixar pra alguém responder essa…

      Grande abraço e valeu!

  • Chapolin Colorado

    Sem jogar, só vendo uns vídeos por aí, parece um joguinho padrão de plataforma, do mesmo jeito que Joe & Mac também é. Dá pra se divertir, mas fica longe de algo fantástico. De qualquer modo, vou dar uma olhada nesse, e se merecer comento de novo.

    • Rokuman Senpai

      Salve vermelhinho!

      Vale a pena e é bem divertido! Fico no aguardo do seu retorno!

      Abração e valeu!

  • Istemthebronx

    Gostei muito desse jogo quando o conheci. E todas as vezes que jogo ele, me divirto com ele, bom jogo, com dificuldade bruta do meio pro final. E o Congo de Goku é massa!!!
    Bom rewiew cumpade Senpai!!!

    • Rokuman Senpai

      Cumpade Bronx, blz maninho?

      Eu também gostei bastante quando conheci esse jogo e sempre que pego no emulador ou no próprio snes sai uma jogatina da hora! Acho a dificuldade bem balanceada XD Congo de Goku é o que há ^^

      Obrigado por ter gostado do Review cumpade e grande abraço!

  • Vinicius Alves

    Cara, esse jogo eu conheci ele num fliperama de bairro, que tinha uma máquina com um SNES dentro. Tinha 5 jogos nessa máquina e uma ficha durava 5 min só! Nunca cheguei a terminar ele por conta disso, chegava no máx no segundo mapa pq acabava o tempo… (nao tinha dinheiro para colocar mais tempo, só uns 15 min e olhe lá) XD. Esse eh mto nostálgico pra mim!

    Belo review! Mas ainda to esperando o do Terranigma (chatão né) XD

    Abraços e continuem assim!

    • Rokuman Senpai

      Salve Vinicius!

      Eu já joguei em fliperamas assim, mas as máquinas eram mais generosas, com tempo de 10 minutos por ficha. Tenho um Arcade da Taito em casa com placa de super nintendo… Faz mais de 5 anos que ela parou, e vai ver que é só um fusível queimado… Preciso um dia resolver isso e voltar a me divertir xdddddd

      Obrigado por ter gostado do Review, o do Terranigma, assim como os próximos dessa saga estarão logo expostos, quando você menos imaginar! Continue nos acompanhando XD

      Logo também farei um mega blaster Review de Seiken Densetsu III, aguarde!

      Abração!

    • Celio Alves

      Nossa, cara. Uma ficha por 5 minutos era o cúmulo da “pão-durisse”. XD

      Digo isto porque o menor tempo que achei por 1 ficha foi de 7 minutos.

      • Vinicius Alves

        Cara, isso é fato! XD. O dono do fliperama que eu jogava era beeem safado! Digo isso porque era o único lugar que todas as máquinas ficavam com a dificuldade máxima e, no caso de jogos de luta, o handcap ficava no minimo!

        Era o cúmulo você, jogando street fighter 2, ganhando de perfect e, do nada, tomava dois golpes que arrancava toda a sua life…

        • Rokuman Senpai

          Nos anos 90, lembro que ao jogar o turtles arcade, eu já tinha gasto umas 15 fichas e estava no meio da luta contra o destruidor… Eis que na tela de continues tinham acabado as minhas fichas… Fui rapidamente comprar a última e quando voltei para colocar na máquina, infelizmente não deu tempo… De tanta raiva e decepção, com a placa que possuo original dessa máquina, hoje eu termino esse game no arcade com 3 vidas e no handcap máximo…

  • elcioch

    realmente bem divertido este game!
    mas acho que foi certo mudar o nome desse game nos EUA.
    porque? bem, se este titulo tivesse também os personagens Joe e Mac faria mais sentido manter o titulo como joe mac 2.
    foi erro da produtora desses game não adicionar os personagens ou quiseram fazer um jogo da franquia joe mac, mas com outro personagem, um sub game.
    provavelmente hoje as pessoas estariam se perguntando por infernos esse game possui o titulo de joe mac 2 se não é possível jogar com eles.
    pense em qualquer outro grande titulo e numa continuação sem explicarão aparecem outros personagens, outra historia e cadê os personagem carimbados da serie?
    os fans não iam gostar se bem que as indústrias muitas vezes parecem estar pouco se @#$$ com nossa opinião!

    • Rokuman Senpai

      Salve Elcioch ^^

      É divertido sim XD

      Então, essa coisa de nomes vai de muito gosto pessoal e até em mangás aqui no Brasil se faz enquetes (JBC) quando vão lançar algum título para decidir nomes de personagens (fizeram com Card Captor Sakura e talvez façam com Sailor Moon)… Eu gosto das coisas no original XD

      Mas o que você disse faz muito sentido, só que ainda acho certo o que os Europeus fizeram pois seguiram o padrão original que foi mandado pela obra japonesa… Nesse caso os americanos podem até ajudar com sua explicação… Mas na grande maioria das vezes é só cagada… E o maior fato deles está no meu nick… Que MEGAMAN perdeu todo o sentido dos estilos musicais (Rock, Blues e Roll) (Mega, Proto, Roll) Argh!!! Ridículos! Odeio vocês!

      Grande abraço maninho!

  • LittleJoe

    adorava joe e mac mas nunca soube desse jogo, porem realmente se percebe muitas semelhanças entre os jogos, da pra ver que um é sequencia do outro, ótimo review principalmente na parte investigativa kkkk

    • Rokuman Senpai

      Salve LittleJoe!

      É um bom momento pra pegar a rom e curtir o joguinho, principalmente se tu curte a série Joe & Mac XD

      Valeu por ter gostado do Review! Grande abraço ^^

  • ZEMO

    Pois é, Sempai.

    Como 2013 é o ANO do SNES para mim, talvez eu ainda consiga jogar o Tatakae Genshijin 2: Rookie no Bouken após o Hoshi no Kirby 3, que é a bola da vez. Vamos ver quem acaba primeiro: o Kirby ou o ano.
    E aquele dinossauro chefe ali lembra completamente o primeiro chefe do Joe & Mac!

    • Rokuman Senpai

      Grande Zemo!

      2013 está sendo um ano meio que do mal para mim… Não sei se fiz a escolha certa ao comprar o PS3… Acho que deveria ter comprado o Wii U… Mas tem alguns jogos do próprio PS3 que são meio retrôs que tenho um pouco de vontade de jogar.., E até alguns novos como Hatsune Miku que adorei! Mas o que importa é que eu sou um Retrogamer mesmo! Sempre! Ano que vem pretendo pegar o Wii U e um Snes Powerpak para detonar vários joguinhos no Snes XD.

      O Kirby Super Star eu adoro… Já esse 3 eu tentei jogar mas não me apeteceu, não sei o motivo, tentarei novamente outro dia…

      O dinossauro é igual mesmo e quando você o mata, acontece uma cena que acontece numa parte de um dos jogos do Joe e Mac… Mas eu não citei isso para não dar um Master Fucking Spoiler para quem ainda não jogou os jogos…

      Abração parceiro!

  • Celio Alves

    Data East era uma produtora foda na época.
    Me lembro dos seus jogos de arcade, como Robocop e Two Crude Dudes – simplesmente épicos!

    • Rokuman Senpai

      E aí Celio!

      Cara, sempre que arrumo algum camarada, seja no emulador online ou de preferência aqui em casa ou na casa de alguém no próprio console, eu nunca, jamais me canso de jogar uma partida de Two Crude Dudes de dois jogadores… é fodasticamente fantástico!

      O Robocop que gostava muito do Arcade era o 2… Que empurrava o carro, entre outras coisas, não lembro se esse era da Data East também…

      Grande abraço!

      • Celio Alves

        Acho que o 2 era da Data East também. ^^

  • Raul

    Joguei esse game em 95 numa locadora/fliperama aqui. Incrivelmente o dono do local o chamava de Joe & Mac 2. Logo percebi não só a semelhança de jogabilidade com o game anterior, mas também a semelhança do cabelo do Congo com o do Joe e o cabelo do Mac com o do capetinha. Sorte minha jogar os três games da série japoneses…

    • Rokuman Senpai

      Olha só!

      Jogou, os três jogos japoneses, Raul! Não sei se foi sorte… Acho que foi, pois naquela época a maioria de nós só queria jogar e não ler os textos dos games. Raros casos onde a gente aprende inglês jogando alguns games, como é o meu caso com Chrono, FFVI entre outros XD Sorte sua saber a cronologia original logo nos anos 90!

      Forte abraço!

  • Victor Orlando

    Fala Senpai, blz? Você me fez chorar com tamanh nostalgia ao escrever esse review!!!! Nõ conhecia a versão americana, só a japa mesmo, hehe. Tbm conheci esse jogo naquela fita que tinha goof troop, chopliter 3 , top gear e acho que tinha tom & Jerry (horroroso) tbm, hehe.
    Fica brabo quando você precisa enfrentar o chefe final. Vc enfrenta o capetinha de trident, depois o capetão e ainda depois o capetão transformado em baby Vegeta macaco ( alusões a db gt, hehe).
    òtimo post, sensacional mesmo, abç.

    • Rokuman Senpai

      Salve, Victor! Blz maninho XD Fico feliz que o meu Review tenha te emocionado cara! O intuito é trazer nostalgia mesmo ^^ E tu é mais um que só jogou a versão japonesa e também pela fitinha alternativa de vários jogos (clássica essa). Os chefões finais são pedreira mesmo, tem que guardar o máximo de poder transformado para o último, e as homenagens são muito boas ^^

      Muito obrigado por ter curtido, abração!

  • http://www.retroplayers.com.br Sabat

    Fala Senpis! XD Ó ae mano, quase passando dos 50 coments kk

    Cara, eu tenho a impressão de que esse jogo é facílimo… esse negócio de ganhar vida, nossa… imagina somar essas que eu ganharia na exploração com as que eu pegaria atrás das lata de lixo e dos caminhão….. NOSSA, terminaria com o marcador de vidas com simbolo de infinito!! kkk

    Testarei mano ^^

    • Rokuman Senpai

      Salve saaaalve. Boss! Com essa resposta chegamos a 48 comentários… Sucesso para o macaquinho meio humano spin off Congo XD.

      O jogo não apresenta grandes dificuldades, as fases são curtas. O maior problema mesmo são os chefes mesmo e não somente pela dificuldade padrão, mas sim pela grande quantidade de energia que eles possuem. A grande acumulação de vidas ajuda a deixar o jogo muito mais fácil. Mano… Nem me fale de vidas atrás de caminhão .. E muito menos de vidas que tem logo ao começar o jogo (SNIF)… Teste Congo’s Caper!

      Grande Abraço!

  • Paulinho Ferreira

    Tenho esse jogo até hoje no meu SNES e já zerei muitas vezes é um otimo jogo.

    • Rokuman Senpai

      Salve Paulinho!

      Eu também já o terminei várias vezes… É um bom jogo sim e fica sempre na memória XD Vale a pena jogar sempre que bate aquela nostalgia…

      Grande abraço!

  • GF

    Lembro desse jogo.Um amigo do meu irmão emprestou ele a um tempão atrás,e fiquei vidrado no jogo,achei legal demais,mas eu odiava quando eu perdia vida e o personagem virava um macaco (se não me engano,era isto mesmo que acontecia).

    Gostei da análise.
    Agora eu quero ver meu Front Mission : Gun Hazard fuderoso aparecendo na próxima parte desse especial hehe.

    Sério,já devo ter falado inúmeras vezes sobre este jogo,aqui,mas véi,é porque ele é excelente,e desconhecido,o pior é que todo mundo fala que é cópia de Cybernator e Metal Warriors,e ainda falam que é ruim,mas não é a
    verdade.

    Ele foi feito pelos mesmos que fizeram Cybernator/Assault Suit Valken,e melhoraram bastante a mecânica dos mechs,só que ele tem vários elementos de RPG,como customização e level up,e ainda tem uma história fantástica que eu infelizmente não entendi direito,porque zerei a versão japonesa (na verdade só existe ela,porém,existe uma tradução não oficial).

    Não sei como ainda não fizeram uma análise dele aqui no retroplayers.É um jogo excelente.

    • Rokuman Senpai

      Salve, “Guardian Force” XD

      Pois é… Tomando dano, congo vira um macaquinho feinho e simpático ao mesmo tempo hueuehuhehue.

      Sobre o Gun Hazard, podemos ver de alguém na equipe para lançarmos futuramente…

      Muito obrigado por ter gostado do Review…

      Abração!

      • GF

        Na verdade,GF significa “Gabriel Felipe”,ou “Gabriel Fox” (gosto muito de Star Fox).

        Então era assim mesmo que ele (Congo) virava um macaco.

        Valeu,se o Gun Hazard entrar em algum retroreview especial,irei gostar muito.

        Flw um abraço pra galera aí também.

  • Felipe Francisco Peleteiro

    Eu também chamava de jogo do macaquinho.

    Não cheguei a finalizar, mas avancei bem nele mesmo, era muito bom rsrs, as piores fases são as que vc tem de correr de algo rsrs.

    • Rokuman Senpai

      Salve, felipe!

      Jogo do macaquinho XD

      Cara, tu deveria jogar novamente, esse merece ir até o fim, principalmente pelas batalhas finais, que são tão difíceis quanto essas fases que você tem certa dificuldade… Mas convenhamos… Fugir do dinossauro é emocionante! E depois a batalha!

      Grande abraço!

  • French Fry

    Top 100 IGN best games for snes, and other extra roms,

    http://extratorrent.cc/torrent/3544527/

  • ZEMO

    Comecei a jogar AGORA e voltei aqui pra ler o “manual do jogo”: “os botões A e B pulam, X e Y ataca com a clava, lembrando que se pode acertar os inimigos que voam pulando e dando clavadas para cima, e o direcional para esquerda e direita movimentam o personagem. Apertando para baixo Congo se abaixa, sendo possível executar ataques enquanto se está abaixado. Ao segurar o botão L ou R enquanto anda, nosso herói correrá, um comando muito útil e meio que escondido, já que não aparece esses botões no options para serem configurados… bem estranho isso. Finalmente o salto mortal cambalhota: pule segurando o direcional para cima, e isso faz o personagem realizar um salto mais alto que pode servir de ataque aos inimigos na maioria das vezes. Na maioria, pois dependendo do ângulo que o salto/golpe é aplicado, ele pode falhar e o inimigo pode causar dano em Goku… ops, Congo. Também tem um comando extra só possível de ser executado quando transformado, que é flutuar:depois de executar um salto mortal cambalhota, fique apertando seguidamente o botão de pulo.”

  • Pingback: RetroReview Especial: The Dark Side of the SNES #05: Magic Sword | Games Bros – O melhor dos Games e Consoles, notícias, vídeos, reviews e muito mais!